Segunda-feira, 29 de Março de 2010
Eu e minha mulher satisfeitos

minha esposa (carla- 21) é perfeita, posso dizer que é a mulher mais gostosa que já imaginei ter, tem 1,60, branquinha, cabelos castanhos, pernas bem feitas, peitinhos pequenos com os biquinhos rosados e durinhos. no inicio do nosso casamento, era tudo normal, no maximo 1 x ao dia, 3 a 4 vezes por semana, raramente ela gozava mas achavamos que estava gostoso e nao procuravamos melhorar. começaram umas briguinhas a mais que o normal e chegamos a ficar ate 10 dias sem transar. eu ja tava perdendo o pouco de tesao que ainda tinha por ela e ja ate tinha saido com alguns amigos para ver strips e ficado 3x com putas, foram transas diferentes da minha e por isso ja estava com vontade de novas experiencias. procurei por bate papo na net mas nao gostei, ate quando descobri sites de contos e fiquei viciado. minha mulher sempre foi decente, so teve eu de homem, e nunca toparia as coisas deste site. ela percebeu que estava muito na net e achava que estava com namorada virtual, ai comecei a apresenta-la contos eroticos e ela foi gostando. aos poucos fui passando de heterossexuais para fetiches, teens ate chegar em lesbicas, era os que me davam mais prazer, imaginar eu, ela e outra mulher. foram uns 3 meses e lentamente descobri que ela ja estava gostando e ate falando em outra mulher conosco. nossas noites mudaram, todo dia , sem falta, tinha sexo, e sexo gostoso, so nos dois, com ela falando muita putaria e ouvindo mais ainda, chegava a pedir para eu imaginar a nossa vizinha gostosa conosco, ou ate imaginar eu com sua amiga silvia. e assim foi indo, ate as brigas acabaram, nossas noites viraram so putaria, eu, carla e nossas imaginaçoes, eu ja nao tinha mais vontade de sair sem ela, nosso sexo era o melhor de todos. começamos a viajar e curtiamos nossas viagens com sexo ate que um belo dia fomos pra bahia e em porto seguro rolou a nossa primeira grande foda. saimos do hotel ja com algumas doses de wisky na cabeça e muita exitaçao fomos pra melhor boate de lá, ela de vestido preto com alcinhas bem finihas e um imenso decote nas costas. como ela estava tomada, no carro dei uns beijos gostosos nela deixei exitada e tirei sua calcinha deixando sua bucetinha bem molhadinha, ela nem percebeu que estava sem calcinha e entrou na boate comigo. la no canto, comentavamos sobre as gatinhas da festa e imaginavamos ela comigo e com carla, ela estava mais exitada ainda e sempre deixava eu passar a mao na sua xota. toda hora ela ia fazer xixi e na terceira vez ela demora um pouco mais e volta irradiante. uma gatinha que nao tirava o olho da gente e ja tinha visto eu com a mao na xana de carla a seguiu e entrou no banheiro com ela, como carla estava bebeda, so levantou o vestido e fez xixi deixando a porta do box aberta , carla percebeu que a menina nao tirava o olho da sua xota, ela ate gostou. quando estava lavando as maos esta menina começou a passar a mao devagarzinho na bundinha de carla que gomeçou a gostar e continuou lavando as maos, com pouco tempo as duas ja estavam se beijando e se amassando. carla me contou e eu nao acreditei, pensei que nao passava de imaginaçao, foi quando ela saiu sentou no canto da boate e começou a beijar a nova amiga que a esperava. fique de perto observando a mao de leia dentro da xota molhadinha de carla, fiquei doido e comecei a pegar em carla tambem, estava ensopada e com as pernas abertas, aproveitei ecomeceia passar a mao nas perna de leia e logo na sua buceta que tambem estava ensopada e para minha surpreza carla estava adorando e enquanto beijava leia, segurou em sua mao e botou no meu pau. saimos de la imediatamente e fomos para o hotel, la passamos a noite vi carla e leia se chupando num 69 enquanto eu fazia o que queria com qualquer uma das duas. foi a noite toda de putaria, muito melhor do que imaginavamos, daí em diante nossa vida mudou, sempre imaginamos outra mulher nas nossas relaçoes e ja conseguimos levar mais 2 meninas pra nossa cama, o que contarei nos outros contos. 1-eu minha mulher e sua irma safada 2- eu, minha esposa e a filhinha de zaza.



publicado por relatossecretos às 19:35
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Quarta-feira, 24 de Março de 2010
Transei com um casal...realizei minha fantasia

olá meu nome é ana e sou leitora assídua dos contos eroticos. acho realmente muito excitante e hoje resolvi contribuir e contar uma história que aconteceu comigo, aliás a melhor experiência sexual até agora, pois pretendo fazer muitas dessas ainda. tenho um namorado e sempre que transamos fantasiamos muito ter entre nós outra mulher. isso partiu dele um certo dia. no início fiquei um pouco assustada mas depois fui gostando e ficava cada vez mais excitada com a idéia, porém percebi que, se dependesse dele, jamais realizaríamos, ficaria sempre nas fantasias somente. com certeza com outras mulheres ele faria e talvez até tenha feito mas sempre alegava ter medo de estragar nossa relação quando eu manifestava a intenção de realizá-la. certo dia brigamos. descobri uma que ele havia me aprontado e, saibam caros leitores que, sem exceção, mulher com raiva e traída é capaz de qualquer loucura!!! resolvi sair.....sozinha....já tinha ouvido falar numa tal casa de swing em porto alegre. dirigi até lá. o estacionamento estava lotado. fiquei uns 20 minutos dentro do carro com receio de entrar, criando coragem. entrei, chamei a proprietária e troquei uma idéia. disse que nunca tinha ido e que estava desacompanhada. ela me tranqüilizou, que ali era um ambiente de respeito, onde ninguém fazia o que não queria...mas eu queria...sentei no bar, que ficava logo no hall de entrada e pedi uma cerveja. a casa estava lotada, a música rolava, meninas dançando seminuas nos “queijinhos” e já dava pra se observar aqui e ali alguns casais se beijando de forma íntima e seminus. não tive muita oportunidade de analisar tudo, pois não se passaram mais de 10 minutos aproximou-se um casal puxando assunto. eles não eram do sul. eram cariocas de férias. ele era um moreno lindo, alto, muito charmoso, carismático. ela, também morena, simpática, com seios fartos e um quadril também avantajado. nos apresentamos, conversamos um pouco, ele puxou um banco e sentou no bar ao meu lado, enquanto ela virou de costas e ficou assistindo um streep tease de um morenão lindo...muito excitante...ele sussurrava coisas no meu ouvido, pegou na minha mão e passava a língua entre os dedos. logo fiquei excitada. ele era um verdadeiro dom ruam. como falei pra ela mais tarde não era homem pra uma mulher só....era um paraíso.... me convidaram pra sair dali, o que logo aceitei. fomos para um flat na av. praia de belas, finíssimo, que ficava de frente para o guaíba. ele pediu champagnhe, serviu duas taças e me levou até a sacada para que eu olhasse a vista. a noite estava linda, a lua refletia nas águas do rio e aquela brisa suave me deixava ainda mais excitada. ele me abraçou por trás, beijando meu pescoço e só então senti o volume dentro das calças....era enorme...levantou meu vestido passando as mãos nas minhas coxas arrepiadas de tesão e me virou, me beijando intensamente...que beijo....mas eu ainda estava tena pois a porta estava entre aberta e ela havia ficado na sala, sentada no sofá, vestindo uma camisola preta transparente muito sexy, só observando. eu não sabia direito o que estava rolando, se ela iria ou não participar. fui relaxando a medida que ele me beijava e me despia. fiquei só de calcinha, então ele entrou e pegou junto ao bar, que ficava dentro do flat, uma banqueta dessas altas. trouxe e me colocou sentada ali. abriu minhas pernas, baixou as calças e ficou roçando aquele pau bem duro na minha bucetinha, já toda molhadinha, chupou meus seios com tanto tesão que parecia que ia engoli-los, então puxou cada uma das minhas pernas, levantou e encostou meus pés na parede do lado oposto (a sacada era bem estreita). se ajoelhou e começou a me chupar....vi estrelas duplamente...ela só bebendo champagne e observando...me olhava nos olhos. eu não consegui conter meu gemido de tanto prazer. ele passava a língua por toda a minha bucetinha bem molhadinha, deixando cada vez mais encharcada e então parava no meu grelhinho, sugando-o entre os lábios num movimento vai-e-vém de enlouquecer.....nunca ninguém havia feito isso tão bem. eu tava quase gozando mas tive forças de pedir pra ele parar, pois eu também queria provar aquele pau gostoso. levantei e fiquei de joelhos diante de tudo aquilo. era enorme, mas coloquei todo na boca. tava louca de vontade mamar naquele pau, já todo lambusado....estava escorrendo a porra e eu chupei, chupei, lambia, passava a língua bem devagarinho na cabeça do pau, fazendo ele gemer e tremer de prazer. ele me puxou e me levou pro quarto...ela também entrou e sentou numa poltrona ao pé da cama e eu perguntei se ela não vinha. nunca havia chupado uma bucetinha e estava louca pra fazer isso. ele pediu que eu esperasse....me deitou na cama macia, colocou um travesseiro em baixo de mim, abriu bem as minhas pernas de modo que ela pudesse ver bem de onde estava sentada, abriu bem minha bucetinha toda melada com os dedos e voltou a me chupar daquele mesmo jeito, colocou então os dedos dentro dela e ao mesmo tempo que chupava meu grelinho, seus dedos entravam e saiam da minha bucetinha, até que eu gozei tão intensamente como nunca havia gozado antes....cheguei a perder as forças e ele então enfiou o pau na minha bucetinha, primeiro devagar mas eu estava desesperada e agarrei os quadris dele implorando pra que fizesse com força e ele enfiou então com força, num vai e vem frenético, enlouquecedor. ela se masturbava, gemendo e se remexendo na cadeira, com o rosto vermelho e os olhos vidrados em nós. ele gemia alto, e seu corpo tremia. me virou de uma forma rápida e urgente e me colocou de quatro, abriu bem as minhas pernas e mostrou minha bucetinha pra ela, dizendo olha só que gostosa a bucetinha que to comendo e enfiou novamente aquele pau gostoso na minha bucetinha. de quatro, minha posição preferida, fui então à loucura mais uma vez. nunca gozei tanto....e tão intensamente....ele já não conseguia mais segurar, tirou então o pau pra fora e, gemendo bem alto, jorrou toda a porra em cima da minha bunda e escorria pela minha bucetinha aquela enorme quantidade de líquido quente e gostoso. deitamos exaustos e demoramos pra conseguir voltar a respirar normalmente. ele serviu mais champagne, perguntou se eu queria alguma coisa mais...extremamente carinhoso e atencioso. disse que precisava de um banho. quando voltei ela estava deitada na cama e me chamou pra deitar ao seu lado. ele estava deitado nos pés da cama, atravessado, de frente pra nós, com a taça de champagne na mão. conversamos um pouco e ela se virou e começou a beijar meus seios, meu pescoço e então minha boca....confesso que pensei que não teria forças pra transar de novo e era estranho beijar uma mulher na boca, mas ela também sabia fazer muito bem e foi me deixando novamente louca....me beijou todinha....como era diferente ser tocada e beijada por uma mulher. quando chegou na minha bucetinha abriu bem e ficou olhando dando umas lambidinhas de leve e então enfiou a língua lá dentro....ai...que delícia...só de lembrar me arrepio toda, mas aí então pedi a ela me deixar fazer aquilo, afinal a tempo morria de vontade e nunca havia feito. ela se deitou, tirou a camisola e disse:”sirva-se”! nooooossa!!!! chupei durante muito tempo os peitos dela....era muito gostoso, depois fui descendo e então fiquei de frente pra bucetinha dela, toda depiladinha, bem branquinha e rosadinha por dentro, saia um líquido de dentro, afinal ela estava a bastante tempo muito excitada. ela ficava só observando agora e pedindo: “isso!! chupa, chupa bem o grelinho dela, mama nessse grelinho gostoso, enfia a língua na bucetinha, depois eu vou enfiar meu pau nas duas,....” e eu chupei, chupei com vontade aquela bucetinha bem melada, enquanto ela se contorcia e gemia. ela então virou de quatro, abriu bem as pernas e eu fiquei por baixo, abri a bucetinha dela com meus dedos e continuei chupando o grelinho, ela esfregava a bucetinha com vontade na minha boca.....que delícia....até que ela gozou bem gostoso na minha boa e deixou escorrer aquele líquido na minha língua. foi então que de repente ele veio por trás e enfiou o pau na xotinha dela com forçae eu fiquei ali embaixo só observando. ela gozou naquele pauzão umas duas vezes seguidas e então ele nos puxou e colocou as duas de quatro na beira as cama e ficou num vai e vém alucinante. enquanto metia em mim, enfiava os dedos na xotinha dela e depois ao contrário, enfiava aquele pauzão gostoso, todo lambuzado da minha bucetinha ne bucetinha dela e os dedos na minha. gozei no pau dele e também nos dedos. era muito tesão.....deitei na cama e ela veio me chupar de novo, disse que queria sentir o gosto do apu dele na minha bucetinha e chupou com vontade enquanto ele comia ela de quatro por trás....eu só olhando ele enfiando nela e sentindo a língua quente dela no meu grelinho....não resisti....gozei de novo. sentamos nós duas na beira da cama e ele de pé, ficamos chupando....primeiro a gente intercalava e dividia aquele pau gostoso, chupando com vontade, depois eeu chupei as bolas dele e ela ficou sugando o pau, até que ele deu um gemido muito alto e gozou na nossa cara.....nas duas.....nós nos beijamos cheias de porra na boca, no rosto, escorrendo pelos peitos. foi alucinante!!!! isso tudo durou da 1:30 até as 6:00 da manhã, quando então fui embora. trocamos email´s e telefones e chegamos a nos falar algumas vezes, mas logo depois voltei com meu namorado e não tivemos mais oportunidade de nos encontrar, mas valeu cada minuto daquela experiência louca. matei minha vontade e curiosidade da melhor maneira possível com pessoas muito interessantes, de alto nível. foi uma experiência cheia de tesão, muito excitante mas também com muito respeito e discrição. acho que tive muita sorte e espero que da próxima vez tenha novamente, pois pretendo fazer acontecer de novo. quanto ao meu namorado nem imagina!!!! eu realmente gostaria muito de um dia poder compartilhar uma experiência assim com ele. quem sabe um daí ele mude de idéia.....



publicado por relatossecretos às 15:11
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

Sexta-feira, 19 de Março de 2010
Violado por 2

olá, meu nome é josé e os outros dois participantes deste acontecimento são o sr. ronald e sr. matheus, ou melhor, sra. matheus. o que se passou comigo, foi algo que realmente não esperava, porém, não minto, sonhava. antes, vou me apresentar: 1,75m, 70kg, branco, cabelos grisalhos, olhos castanhos escuros, dote de 15cm por 5,5cm e sou recepcionista de um pequeno hotel de ipatinga/mg e experiencia homo praticamente nula, só se limitando a sonhos, imaginando como seria uma relação assim, ou seja, a velha história de querer saber como é que é, principalmente agora com tanta liberação para homos e lesbicas. com relação ao que aconteceu foi que num dos meus turnos de virada de noite, recepcionei um casal homo, e como não aparetam feminilidade ou nenhum traço homo, não os distinguí de ninguém que já havia atendido. pediram apt. duplo(2 camas), passei o valor e comecei a efetuar o check-in, porém um deles se aproximou e disse que não teria problemas se fosse de casal, e que até seria melhor. neste ponto eu estranhei, pois nunca tinha recepcionado um casa assim, porém continuei a atendê-los com naturalidade, me recompondo do susto. o caso foi que após umas 2 horas que já estavam la em cima, um deles desceu(01:30 manhã) e perguntou: - tem camisinha? - não vendemos, mas posso lhe passar telefones de farmácias 24 horas, que... - aqui! sem querer te interromper, mas interrompendo, voce se depila? - sr.? não entendi a pergunta? - entendeu sim! perguntei se voce se depila? com um rosto liso como este, só pode se depilar! quando cheguei eu percebi mas resolvi descer para comprovar. como o momento em que o hóspede tinha descido, coincidia com um saguão vazio, respondi tranquilo: - me depilo sim sr. e isto me dá em torno de 2 semanas sem precisar me preocupar com a barba novamente! mas porque a pergunta? - bem que eu notei, você teria que ter muitos e muitos pontinhos pretos no rosto, característica de quem se barbeia, o local fica mais escuro no rosto por causa destes pontinhos, mas liso deste jeito e grisalho... mas isto me leva a perguntar... você depila outras partes, não é? - sr.! não entendo a sua linha de questionamentos e o porque dela? - bobinho! normalmente um gatinho como você, que depila o rosto, em geral depila também o pênis e outros lugares... - sr.! estamos em uma area não conveniente para se falar destas coisas... - hum... então esta me chamando para conversarmos num cantinho reservado né, sua safadinha! - sr.! me respeite! apesar de o sr. ter razão quanto a outras áreas que depilo, isto não lhe dá o direito de me tratar assim! - hum... sabia... é o pênis não é? quero ver? - sr.! estou tentando ser respeitoso contigo, mas o sr. não está me deixando muitas alternativas e nem sei porque ainda respondo suas perguntas... - mas heim! deixa eu ver! a questão é dinheiro? eu pago! deste momento em diante, comecei a hesitar e ele percebeu e comecou a instigar mais, tudo porque simplesmente ele disse a palavra mágica dinheiro, porém não podia abandonar o posto e hóspedes poderiam descer e pessoas poderiam aparecer chegando ao hotel, mas ai eu pensei: “bem, acredito que não vai haver mal algum, se eu for até ali com ele e mostrar meu bumbum para ele assim como ele pediu. vou receber grana por isso e grana fácil.” - meu bumbum, porque em meus momentos de exitação, eu disse que depilava o genital porque com os pelos ele coçava e agora sem ele não, pernas por curiosidade de saber como ficariam melhor expostos os musculos da perna uma vez que pratico musculação e o bumbum para ficar em harmonia com o resto pois achei feio genital e pernas depilada e bumbum não. o caso foi que acabei cedendo(03:50 manhã) e imaginando que seria rápido, chamei-o para um canto onde perceberia com antecedencia a movimentação de hóspedes e de pessoas chegando ao hotel. ele se posicionou numa cadeira e eu desci as calças. achei que ele queria só ver momentaneamente e comecei a subir as calças novamente quando ele disse: - calma! acha que vou pedir para que desça as calças e não vou nem bater uma bronha e vou te dar dinheiro por isso? calma! e começou a bater uma. eu impaciente preocupado com o saguão e com a possibilidade de novos clientes, disse para ele terminar logo, mas ai ele disse: - calma! ta achando que vou desperdiça este rabinho lindo piscando para mim? - o que?... já era tarde... ele começou a encostar o pênis dele em minha entradinha e me acariciar... não sei como, mas aquilo despertou algo até então desconhecido e indiscritível onde comecei a ficar fora de mim e balbuciar palavras com conotação sexual e isto o instigava a aumentar ainda mais suas carícias entre pinceladas e estocadas de seu pênis em minha entradinha e dizia: - bem que eu disse... é uma safadinha mesmo... quer vara? quer? vou socar tanto nesse rabinho que nunca mais vai fazer cu doce novamente e vai querer sempre levar no rabo, só que vai dar apenas para mim tá sua vadia safada? ouviu? somente para mim tá sua safada! - quero! mas você não tem camisinha ou tem? - não! do contrário acha que teria descido para comprar? - que pena! queria muito sentir sua vara no meu rabinho! ver como é que é e se é tudo isto que falam em contos e que as gatas expressam nos filmes ao levarem no rabo! - apesar de já ter comido muitas gatas e gatinhos, inclusive irrustidos como você, e de todos adorarem levar no cú, todos admitem que é muito exagerado as sensações expostas nos filmes, mas posso garantir que depois desta, nunca mais vai querer deixar de levar umazinha do rabo! vamos... deixa eu te mostrar como é gostoso levar no rabo! deixa eu transformar ele numa xoxota! é medo de aids? eu não tenho! - sem proteção nunca! infelismente vamos deixar para depois! eu tenho que voltar para meu posto! nisso aparece “a companheira dele” descendo sem fazer barulho dizendo: - bem que eu já estava prevendo isto! desceu dizendo que iria comprar mais camisinha sabendo que sempre ando com algumas por precaução! desceu mesmo foi para traçar o recepcionista! percebi como você olhava para ele quando chegamos! e aí? vamos apimentar esta festa? - agora você não tem desculpa! vou socar tanto seu rabo que quando terminar, vai ficar pedindo mais, mas minha companheira não é ativa, só passiva e você vai ter que se contentar em se masturbar, pois eu sou só ativo! - então vai logo! anda! vai logo e coloca essa camisinha! não... deixa que eu coloco!... agora deixa eu mamar um pouco nessa jeba(ele disse que era de 25cm por 6cm)! enquanto mamava no caralho dele, a companheira dele com um dote parecido com o meu(ele disse que era de 13cm por 4cm) me sugava. ficamos nessa algum tempo, revezando onde eu mamava ora nele, ora na companheira dele e “ela” ora me sugava, ora sugava o macho dela, até que ele disse: - vão parar com essa chupação, quero fuder um rabo e o seu eu já comi lá em cima, eu quero é dessa safada aqui! me puxou para cima e me virando se posicionando atrás de mim, cuspiu na minha entradinha que piscava descontroladamente sedenta por vara e começou a penetrar devagar. percebendo que não havia muita resistência de meu anus não sei se devido minha excitação ou ao fato de qeu a companheira dele estava sempre me dedando no rabo com 1, 2 e até 3 dedos ao mesmo tempo, ele tirou e estocou forte e rápido. me segurei para não gritar, mas ele continuou com estocada firmes e fortes me dando tapas na bunda e falando frases e palavras de conotação sexual como “safada!”, “vadia!”, “cachorra!”, “toma sua vadia gostosa!”, “ta gostando de levar no rabo?”, “mas que rabo delicioso!”, “desse jeito eu me apaixono!”. eu só gemia baixo não só devido a preocupação com o micro saguão do hotel, mas porque a companheira dela socava(devidamente protegida - camisinha) sua vara em minha boca, até que ele goza em meu rabo e ela em minha boca. senti algo quente preenchendo minhas entranhas e minha garganta, mas usavam camisinha e fiquei tentado a tirá-las para sentir o gosto e como é ter o rabo recheado de gozo, mas hoje em dia não se pode estar correndo este risco. cada um deles se arrumou do jeito que podia e foram subindo para o apt. deles me chamando para mais uma rodada, mas disse que minha obrigação me chamava e não podia abandoná-la. entenderam, se despediram e subiram. me arrumei também e fui para o banheiro rapidamente e terminei de me arrumar batendo uma bronha também. voltei para meu posto e nunca mais os vi. espero ansioso por mais uma experiencia como esta, mas não posso me expor e isso torna tudo mais complicado e difícil.

Fonte: Contos eroticos



publicado por relatossecretos às 12:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 18 de Março de 2010
Meus alunos são um tesão- paixão ardente!

outras deliciosas histórias de cantadas com alunos e ex-alunos tenho pra contar aqui. atualmente trabalho num colégio e leciono para as sétimas e oitavas séries, e adoro me relacionar profissionalmente com alunos dessa faixa etária de 13, 14, 15 anos. pena que são menores, e aí fica tudo na imaginação e no olhar, mas é delicioso, pois sou muito cantado. alguns alunos são homens mesmo e não dão aquelas confianças pra mim e assim, eu fico na minha, é claro. outros estão naquela dúvida cruel entre ficar com menina ou ficar com meninos, mas eles, em sua grande maioria, ficam com meninas só por medo da família e da sociedade, pelo que eu percebo, ou por serem bi (justamente por não quererem ter uma postura homo, ou por gostar mesmo dos dois, mas todo bi que eu conheço gosta mesmo é de se relacionar com o mesmo sexo). quando eu entrei à primeira vez nas sétimas séries dessa escola me deparei com alguns alunos muito gostosos e bonitos, mas a maioria muito meninos. achei-os um tesão, mas os enxergava apenas como alunos, até que começaram a vir o “olho no olho”, as cantadinhas disfarçadas, as perguntas se eu tinha namorada, ou era casado, e uma única vez respondi que não tinha relacionamento algum sério com ninguém e que gostava da liberdade e ficava com todo mundo e que assim, eu era muito feliz.um aluno, o adriano, me perguntou o que eu achava dos gays, e eu respondi que não tinha nada contra eles e as lesbicas e nem aos bissexuais, e que cada um tem o direito de namorar e gostar de quem quiser, independente do sexo, da cor, da classe social... enfim, dei a entender que eu era liberal quanto ao assunto e a partir daí, os olhinhos de alguns alunos começaram a brilhar e as cantadas começaram a vir forte, e eu ficando muito excitado e muito triste ao mesmo tempo por não poder corresponder e falar besteira com aqueles tesões de alunos meus. começaram a me pedir o msn, o orkut, mas eu não dei, pois não confio e além disso, tenho medo deles perderem o respeito por mim em sala de aula. queria dar tudo pra deles, meu cú, minha bunda, minha pistola pra quem quisesse, dar beijos naquelas bocas gostosas mas não posso, pois são muito novos e de menor, além deu me meter num sério risco. estou perdidamente apaixonado por um deles, o jonatan luís, da sétima, lindo, gostoso, educado, quieto na sala, cheiroso, muito gostoso, um tesão de rapazinho, olhos castanho-esverdeados, moreninho muito clarinho, 1,70 de altura, pernas cabeludinhas e grossas, pele queimada de sol, boquinha carnuda, vermelhinha, cabelos molhados com gel (quando não vai de boné na aula), arrepiados no meio, e um olhar penetrante, gostoso... meu deus, esse menino me leva a loucura de tão lindo e gostoso que ele é. apaixonei por ele desde o primeiro dia que eu vi, e comecei a encara-lo com cuidado em sala de aula, e ele foi me correspondendo os olhares. olha dentro dos meus olhos com um olhar muito doce, parecendo mel derretendo e escorrendo para mim. a melhor coisa do mundo é trocar olhares com esse menino. sinto falta dele, muita falta, muito tesão, e fico doido para ficar perto dele nos 50 minutos de aula. hoje o encontrei na rua, ele me cumprimentou me chamando de professor, olhou nos meus olhos muito, abriu um sorriso, apertou minha mão, eu apertei a dele e demorei um pouco para soltá-la e não pude fazer nada, a não ser desejar aquele menino, e ele também. tenho medo, e ele também! é um sofrimento, mas um dia eu chego lá e não vai demorar pra dizer pra ele que ele é o meu aluno preferido, o mais educado e bonito, apesar de ir mal nas notas. quem sabe algo primeiro pelo msn, já seria ótimo eu falar umas besteiras com ele. já seria ótimo eu falar pessoalmente com ele que ele é muito prestativo pra mim, e por isso gosto muito dele e o admiro, em todos os sentidos. eu sofro por ele, e ele por mim, do jeito que ele me olha... estou apaixonado por ele... mas não posso, tenho que esperar ele completar a maioridade. algo inusitado foi o que aconteceu comigo ano passado quando lecionava para o 2° grau. sempre sofro um cadinho de preconceito dos alunos no início dos anos letivos, mas depois eles acabam gostando de mim. trabalhava numa escola muito exigente e os alunos se sentiam no direito de humilhar a gente. cambada de ignorantes e mal educados era isso que eles eram, mas assim mesmo eu me dei com muitos deles, sobretudo os meninos. percebia que as meninas ficavam com ódio de mim, pois os rapaizinhos chegados ficavam doidos comigo. um deles era o joão paulo, rapaz muito bonito, de 16 anos, loiro, cabelos loiros escurecidos, corte raspado, olhos castanhos amêndoa, mais alto que eu, fortinho mas não musculoso, rosto angelical, todo lisinho uma delícia! no começo ficava tão entretido com o trabalho que eu demorei a perceber as cantadinhas dele. ele não parava quieto na carteira, ficava a me bloquear nos inícios de todas as minhas aulas, se enfiando na minha frente e me perguntando calmamente se podia tomar água, ir no banheiro, sempre olhando fixamente para dentro dos meus olhos, derretendo-se para mim, sempre com um jeito muito cínico, maroto, e calmo. eu ficava irritado com ele, pois não deixava ele ir e ele ficava assim, perto de mim o tempo todo, como se fosse um sombra, muitas vezes imitando um sombra mesmo, fazendo palhaçadas comigo, imitando os meu gestos, me relando o tempo todo, com a mão nas minhas costas, nos meus ombros, e a turma achava aquilo um máximo. no início eu me irritava muito com ele, mandava ele calar a boca e sentar na carteira e tirar as mãos de mim, e ele sentava na carteira mas não demorava nem cinco minutos e lá estava ele de novo, sentado na minha mesa, e eu mandando ele dar licença do meu lugar e ir para a carteira dele. ele se levantava e ficava a me observar, do meu lado, prestando atenção no que eu tava explicando. muitas vezes eu não dava confiança, fingia que ele não estava ali e continuava a escrever no quadro ou a explanar o assunto. aí que ele queria chamar mais a minha atenção, me interrompendo com brincadeira boba, sempre me relando, colocando aquelas mãos grandes e quentes nos meus ombros, nas minhas costas, gritando para todo mundo ouvir “eu te amo professor, eu te amo, você é o amor da minha vida, deixa eu ir no banheiro, eu te amo muito, tô apaixonado por vc”.... o pessoal da sala começava a rir dele, e começava aquela bagunça irritante. chegava em casa irritado, pois a escola não ajudava os professores em nada, e a gente sofria calado! comecei a pensar muito no joão paulo, naquelas palavras dele, e a lembrar daquelas mãos gostosas nas minhas costas, no meu ombro, e batia uma punheta pensando nele, nas mãos deles, nas suas palavras, na sua voz... ele era muito bonito, muito!!!. aquele aluno começou a ficar especial pra mim, e eu já gostava que ele me fizesse aquilo tudo. era só eu apontar no corredor pra ir em direção à sua sala e ele vinha pro meu lado, todo calmo, e começava a pedir pra ir embora pois ele tinha que cuidar da filha de um mês enquanto a mãe se ausentava não sei por quê motivo. não acreditava naquilo, pois para mim ele queria era fugir, alguma coisa assim, ou chamar minha atenção. aí depois de muito tempo é que seus colegas confirmaram essa história de filha, que ele tinha que cuidar dela enquanto a mãe se aprontava para ir trabalhar. era a namorada dele, e ela era rica, mas a família exigia que ele estivesse todos os dias com a filha enquanto a mãe almoçava e se preparava para o trabalho e enquanto a babá não chegava, e ele, o pai, parecia que era doido com a menina. sentia um sofrimento, um medo que não entendia naquele rapaz quando ele me fazia esse pedido de sair mais cedo para cuidar da filha e depois as minhas percepções se confirmaram com essa história da filha. pedi desculpas pra ele, por ter achado que era brincadeira, e aproveitei e dei uma cantadinha de leve, falando: “menino, mas vc ta muito novo para ser pai, não que isso seja anormal, absolutamente” e olhei bem nos olhos dele e sorri. ele ficou vermelho e falou: “fazer o quê, a besteira já foi feita, agora eu tenho que assumir, nem com ela eu tô, a gente terminou”. achei ótimo ouvir isso e respondi: “calma rapaz, nada acontece por acaso nessa vida! essa filha vai te ajudar muito, profissionalmente e nos estudos. o avô dela, por parte de mãe, vai te ajudar muito ainda. fica quieto, faz as suas obrigações e aí vc vai ver que daqui a algum tempo vc não vai precisar de ninguém mais para te ajudar no sustento da sua filha...” os olhos dele brilharam e ele me perguntou: “ como é que vc sabe disso”? respondi: “pode não parecer, mas eu gosto muito de você e senti isso, alguém me assoprou”. aí ele falou: “ele tá tentando arrumar um emprego bom pra mim de meio expediente, e falou que me ajuda a pagar meus estudos, mas eu tenho que trabalhar meio expediente”.respondi: “aceita, fica quieto, não malandre e fique mais responsável, pois por mais que vc não aceite isso completamente, vc já é um pai de família, e essa responsabilidade já pode começar por aqui, dentro da escola, na sala de aula, levando mais a sério os estudos, parando com as piada bobas...” ele riu pra mim e falou, com tom irônico: “é porque eu te amo professor, é verdade!!”, e tirava os olhos dos meus e começava a rir de cabeça baixa!!! eu ri e saí dali, pois estava correndo o risco de falar algo a mais com ele, e eu tinha medo de alguém perceber, ouvir ou ele contar na brincadeira e alguma aluna maldosa fazer fofoca (sempre aluna mulher, que morre de inveja de mim, a maioria), pois ele tava muito empolgado comigo, e tinha muita gente no pátio observando o nosso tom meio que informal, e eu tava tirando uma cascona dele rsrrrsrsrsr. a partir desse dia ele começou a ficar mais calmo comigo, mas me comendo literalmente com o olho, e eu adorava aquilo. era só eu apontar na porta da sala pra entrar e ele vinha ao meu encontro, me pedindo pra ir ao banheiro, para tomar água, sempre com a mão no meu ombro, me abraçando, falando que estava com saudade de mim e da minha aula e eu deixava, gostava daquilo, não chegava a ficar excitado a ponto de ficar com o pau duro, pois sentia muito amor por ele também. quando eu não deixava ele ir ao banheiro, ele ficava insistindo e falando assim: “olha pra mim, deixa por favor professor??!!” respondia: “hoje não”, e ele insistia e me ganhava com o seguinte argumento: “eu só to aqui pra assistir a sua aula, pra te ver professor, pois eu sinto saudade do senhor, e vc não me deixa ir??!” eu ria (controlando a minha vontade de dar uma cantada certeira nele) e deixava ele ir. ele me abraçava me agradecendo e tirando uma cascona de mim, e eu deixava, curtia aquilo. a turma não percebia, pois eu não deixava transparecer de jeito nenhum, e o clima e o carinho ficava entre eu e joão paulo. profissionalmente poderia estar agindo errado, e o colégio era muito rígido, cheio de regras que tinham que ser rigorosamente cumpridas, mas contraditoriamente, fazia questão de satisfazer todas as vontades dos alunos, e nós professores é que tínhamos que se “fuder pra lá”, e então eu relaxava, deixava joão paulo sair, satisfazendo as vontades dele, dando a maior corda pra ele, olhando nos olhos dele, lavando a mão nele, nas suas costas enquanto ele ficava em pé na sala de aula circulando por todos os cantos e indo lá na frente, ficando do meu lado, em pé, enquanto eu explanava os assuntos, e a turma ria dele. alguns, mais espertos, percebiam a bolona que ele dava pra mim e mexiam com ele mas por ele ser pai, não desconfiavam que essa “bolona” era real e não percebiam que eu dava uma bolona pra ele também e ele ali, do meu lado, me imitando, imitando os meus gestos, gritando “eu te amo professor”, e a turma ria, e eu mandava ele sentar no lugar e sempre dando calmamente os esporros nele e aproveitando pra lavar as mãos no ombro dele, nas costas, afagando-as com muito carinho, muitas vezes pegando nas mãos dele e o puxando da minha mesa e mandando tacitamente ele assentar em sua carteira. ele pegava minha mão e não largava dela, fazendo as maiores palhaçadas comigo, e me comendo com o olho. ficava muito irritando com aquilo mas ao mesmo tempo delirando, mas morrendo de sem graça, morrendo de medo de alguém perceber que aquilo tudo era sério principalmente por parte dele, e tirava os olhos dos dele e olhava pra outros lados. estava apaixonado por ele, e engolindo toda aquela paixão, afinal, se ele “comesse quieto e calado”, até podíamos ter algo fora dali, pois em pouco tempo já adquiriria a maioridade, mas ele não me passava a devida segurança para isso, e então eu não me arriscava a ir além, ainda mais naquele colégio, onde os alunos sempre tinham a razão. no final do ano ele não passou comigo e ficou da minha matéria. tive que dar recuperação pra ele antes dos outros, pois ele falou que tinha que viajar pra fazer um vestibular pra engenharia, o primeiro de sua vida, e tinha que ficar viajando por 12 horas de ônibus. dei a recuperação, me dispus a dar aula particular pra ele em um horário livre que eu tinha dentro da escola (não era obrigado a fazer isso, mas pra ele eu fiz, com muito prazer, amor e tesão!) e fomos para a biblioteca, e eu fiquei pertinho dele, coladinho a ele, dando reforço, e ele atento, calado, sério, prestando atenção em tudo, e eu sentindo aquele cheirinho gostoso dele, pegando no lápis com ele e o ajudando a resolver o exercício, desenhando tudo pra ele, no maior amor, na maior paciência, com os olhos dentro dos dele, e ele me olhando, ternamente. mandei ele voltar no outro dia com o trabalho e preparado para a prova. ele apareceu lá, o trabalho tava completinho, e ele fez a prova, se saiu bem e pediu pra eu corrigir (ele tava pendurado com mais duas matérias, e fazendo as recuperações delas, e os professores não ajudaram ele em nada, com reforço algum, mas eu dei reforço). eu nem corrigi a prova e falei que comigo ele tava liberado pois tinha sido aprovado, afinal, eram poucos pontos que faltavam pra ele passar. e ele sorriu, agradeceu, pediu pra eu fazer pensamento positivo pra ele e foi pegar o resultado com os outros professores, e eu nunca mais o vi na escola naquele ano. sofri quando ele foi embora, tão sério, tão preocupado, e eu sofri, calado, pois tinha me apaixonado por ele. só o vi no outro ano, resolvendo umas pendências na escola. ele tinha tomado pau no vestibular e estava abraçado com uma colega de sala. o vi bem de manhã cedinho, às 7 da manhã, e levei um susto. foi muito bom vê-lo novamente! ele não me deu muita confiança, mas me olhou dentro dos olhos. fiquei sem graça também e o tratei friamente. também, nunca tivemos um contato extra-escola, tipo pela internet. um filho estraga muito a vida e a liberdade de um jovem que nunca pensara em ser pai. poda seriamente a sua liberdade, o obriga a ser mais responsável e responsabilidade vira sinônimo de prisão, principalmente a sexual e amorosa. deixei pra lá, ele nunca mais me deu bola como me dava em sala de aula. no carnaval deste ano (2008) o encontrei em uma cidade vizinha à nossa quando eu estava passando por uma rua, e ele estava com dois colegas em pé num bar, do outro lado da rua. ele ficou me olhando demais, o cumprimentei e ele me cumprimentou com a cabeça e me olhando demais, e eu sem saber se parava pra puxar assunto ou se continuava andando. ele não era mais meu aluno, e já estava com 17 anos. olhei pra trás e ele me olhando, seriamente, e eu parei, fingi estar atendendo o celular, e ele ficou sem graça, mas logo voltou a me olhar, mas eu perdi tempo, olhei mais uma vez e ele olhando pra mim. eu dei as costas e fui embora e desisti. antes eu tivesse ido e mesmo que não desse em nada, eu já ia ser totalmente informal e livre da capa de professor, e eu estava igual a ele, de boné, com bermuda, camiseta justinha, nada mais impedia a gente de ficar, mas eu não quis me expor, pois ele tava muito sério, e a história da filha me desanimava demais. se ele não tivesse essa filha, aí seria muito mais fácil pra ele e pra mim. ele é que tinha que chegar mais em mim, e não eu! pra quê? pra me expor para um cara sério e com medo das coisas boas da vida, tipo ficar com um homem? mesmo assim eu poderia ter ido lá, falado de vestibular e sobre o carnaval e caso ele me deixasse bem à vontade, daria uma boa cantada nele e talvez rolaria. é difícil ser professor nessas horas em que o desejo dos alunos pela gente é mais forte do que a gente, e é complicado demais fingir não estar sentindo amor e paixão por eles e não dar uma bolinha. a vida é muito curta! o amor, o afeto, o carinho e o desenho sexual: estes, quando recebemos, não podemos jogar fora para respeitarmos cegamente o profissionalismo, pois se assim fizermos sem pensar e pesar os pós e contras, deixamos de aproveitar a vida e de aceitar, receber, sentir, demonstrar e retribuir para o outro amor e tesão. quebram-se os laços de amor e sua energia vital, quebram-se personalidades que estão se formando, além de ser uma violência contra a descoberta de desejos e sentimentos os mais íntimos de um ser humano, que é a descoberta da sexualidade e do amor, sobretudo pelo mesmo sexo. se recebemos amor e tesão de alguém, não podemos simplesmente jogá-los fora em nome do profissionalismo, mas respeita-los e respeitar quem sente isso por nós, e nos respeitar, nos dando a liberdade de curtir esses sentimentos e respondê-los, mesmo que seja só platonicamente para assim, não infringirmos as leis.

Fontes: Contos eroticos



publicado por relatossecretos às 19:19
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito

Quarta-feira, 17 de Março de 2010
Marido ausente

há algum tempo venho tentando relatar um história que modificou toda a minha vida. hoje tenho 34 anos, mas o que vou contar ocorreu quando eu tinha 23 anos. casei nova, logo depois de formada, em janeiro de 1993, após 8 anos de namoro. entretanto, devido ao novo trabalho do meu marido, que sempre exigia constantes e longas viagens, tive pouco tempo de lua de mel, ou seja, apenas 1 semana. logo depois disso, ele apenas visitou nossa casa apenas em um final de semana, quando eu pude matar o meu desejo sexual reprimido desde o casamento. achei que casando poderia ter uma via sexual mais tranquila, sem precisar ficar fazendo sexo nos motéis nos finais de semana e poderia me prevenir sem ter que ficar preocupada com eventuais atrasos menstruais. ele na verdade havia sido meu único homem, pois comecei a namorá-lo aos 14 anos. depois desse final de semana, fiquei esperando meu marido para o carnaval, quando então iríamos viajar. mas, na semana antes do carnaval ele me ligou dizendo que teríamos que cancelar a nossa viagem, pois ele teria que trabalhar durante todo o carnaval. aquilo me revoltou muito, pois ele estava trabalhando em recife e eu sabia que ele queria ficar por lá mais por causa do carnaval do que trabalho. desde os tempos de solteiro ele demonstrava interesse em passar um carnaval no nordeste, mas como eu nunca deixei, acredito que ele tenha aproveitado a viagem para isso. aquilo me revoltou muito, pois além de ficar sem sexo e achar que eu estava sendo corneada, nem viajar mais eu iria. no sábado a noite, meus pais, percebendo que eu estava sozinha em casa, insistiram para que eu fosse com eles em um baile de carnaval em um clube próximo de casa. relutei, pois achei que não deveria ir sem meu marido. mas ao mesmo tempo, lembrei que ele já havia ligado naquela noite e que com certeza havia ligado cedo porque teria uma noite daquelas. esse pensamento me fez com que eu aceitasse o convite de meus pais. rapidamente me troquei, vestindo uma mini-saia e uma blusa top bem discreta e fui para o baile com meus pais. lá chagando ficamos em uma mesa próxima a pista do salão. com o calor insuportável ficava difícil não aceitar as cervejas que meu pai e minha mãe pediam a mesa. afinal estava com eles e não havia mal nenhum em beber com eles. recebia muitos gracejos de outros rapazes na mesa em que eu estava, pois apesar de não ser uma “top model”, todos me acham muito bonita (1,67m, 55kg, cabelos pretos longos, olhos pretos, seios médios e 11 anos mais nova do que hoje), mas mantinha a discrição de uma mulher casada. após algum tempo na mesa, algumas amigas solteiras me encontraram e começamos a conversar sobre amenidades, até que certo ponto elas quiseram dar uma volta pelo salão. como vi que meus pais não se opuseram, sai da mesa junto com elas. na volta que começamos a dar pelo salão e eu minhas amigas, assim como todas as mulheres do baile, começamos a ser bolinadas, apalpadas, encoxadas, agarradas e não sei mais o que. não sei se por causa do efeito do álcool ou revoltada com meu marido, ao invés de rejeitar aquela prática inofensiva, na verdade passei a gostar e ficar excitada. assim, resolvi entrar para pular carnaval de vez no salão. como havia muita gente no baile, achei que não teria nenhum problema de ser reconhecida e nem tão pouco ser vista pulando carnaval, principalmente, pelo meus pais. entre um trenzinho e outro era agarrada na bunda, tinha os seios apalpados e era encoxada pelos mais diferentes rapazes, só que em determinado momento percebi que um par de mãos grandes se manteve mais tempo do que o normal na minha cintura. quando olhei para trás me deparei com um senhor mulato, alto, de uns 60 anos, portanto mais velho que meu pai. só para provocá-lo mais ainda, tirei suas mãos de minha cintura e as entrelacei em minha barriga junto as minhas mãos. com isso obriguei que ele ficasse mais próximo ao meu corpo. não satisfeita, provocava-o mais ainda, brecando o meu corpo repentinamente para que ele encostasse a sua ferramenta em meu traseiro. em uma dessas brecadas senti ele encostar e pude perceber que ele não era fraco não... mas a minha brincadeira acabou por excitá-lo demais, ele não teve dúvidas grudou no meu corpo e começou apertar meu seios e a beijar meu pescoço no meio do salão. tentei me desvencilhar dele, pois seria perigoso alguém conhecido me ver ali com um outro homem, ainda mais daquela forma. como não consegui, procurei arrastá-lo para um lugar mais vazio do salão onde não poderíamos ser vistos. apesar de em alguns momentos repudiar a atitude daquele homem, também estava ficando excitada com todo aquele contato, ainda mais sendo de um homem daquele porte. ficamos em um lugar mais deserto do lado de fora do salão, onde ele me agarrou e começou a me beijar de tal forma que parecia que iria me engolir, retribui até perceber que estava fazendo algo errado e pedir para ele parar, dizendo para ele que eu era uma mulher casada. ele então me disse que também era casado e que estava com sua esposa e sua família no salão, mas que nunca havia ficado tão excitado com uma mulher como comigo naquele momento e tornou a me agarrar e a me beijar como um maluco. nisso pedi para ele parar, dizendo que poderia ser perigoso alguém nos pegar naquela situação, no que ele me arrastou pelo braço até o estacionamento dizendo que lá não haveria perigo de sermos vistos, pois era um local dentro do clube e pouco iluminado. não sei onde estava com a cabeça quando aceitei ir com ele. por proposta dele acabamos entrando em seu carro (um santana), onde fomos diretos para para o banco traseiro, ele começou a me agarrar de tal forma, que quando percebi já estava sem a blusa top, com o seios a mostra, e minha saia estava na barriga. nisso ele desabotoa sua calça e tira para fora um pênis enorme, grande e duro de tal forma que parecia dar uns 3 ou mais do tamanho do meu marido. fiquei assustada com aquilo e tive a lucidez de falar para ele que iria embora e que estava fazendo coisa errada. ele mais do que de repente me pegou pelo braço e disse que iria me arrebentar se tentasse sair do carro naquele momento, pois não iria deixar um fedelha branquinha como eu sair sem fazer aquele velho gozar. percebi que ele estava transtornado e fora de controle, então para remediar a situação resolvi chupá-lo, coisa que fazia muito bem em meu marido, desde dos tempos de namoro. achei que uma boa chupada e fazendo gozá-lo eu resolveria o problema que eu havia criado. comecei a chupá-lo, mas de tão grande, só o beijava, pois não consegui colocar aquele mastro na minha boca. nisso ele segurou minha cabeça e forçou seu pênis com tudo em minha boca, dizendo que “eu era uma branca safada”, e um monte de bobagens que não lembro. a dor no meu maxilar foi horrível, pois tive que arregaçar minha boca para fazer aquilo entrar. nisso uma avalanche de esperma como nunca tinha visto invadiu minha boca, tentei sair, mas ele segurou mais ainda minha cabeça, me obrigando a engolir tudo. cheguei a engasgar, pois era uma quantidade absurda, que não parava de sair a base de jatos daquele pênis. o homem gozava aos urros como um bicho dentro do carro. até que eu engasgada, com a boca, rosto doloridos e totalmente sujos e melados de esperma consegui sair debaixo dele. eu jamais tinha sentido o gosto de esperma, pois nunca permiti que marido gozasse em minha boca. recostei no banco do carro para me recuperar e pensar no que havia acontecido. quando então ele com pênis ainda em riste me puxou para o seu colo e disse que não havia acabado. comecei a me debater e a gritar dizendo que não. ele era muito forte, arrancou minha calcinha e abriu minhas pernas. me levantou e direcionou aquele mastro para a minha buceta com tudo, sem dó. como tinha ficado muito excitada, aquele monstro conseguiu entrar de uma só vez. a dor foi enorme que acredito que cheguei desfalecer por alguns segundos. os músculos da minha vagina pareciam empurrar os ossos para aquela coisa entrar em mim. nunca havia sentido aquilo antes. a dor era imensa pois ele chegava cutucar meu útero, mas a sensação de estar sendo preenchida por aquilo era indescritível. parei de me debater e gritar e deixei ele lamber meus seios e me subir e descer em seu mastro. deixei que ele fizesse o que quisesse comigo. ele me xingava, me chamava de vadia, de puta, boqueteira e tudo mais. fiquei completamente passiva e comecei a gozar. como ele havia gozado poucos minutos antes, demorou a conseguir novamente, fazendo com que eu gozasse inúmeras vezes, até ele conseguir me inundar incrivelmente com jatos e jatos de esperma novamente. não acreditava no que havia acontecido, ainda mais com um homem de cerca de 60 anos que conseguiu gozar 2 vezes em poucos minutos e com uma farta quantidade nas duas vezes. cai completamente acabada do lado dele. ele me mandou que eu saísse imediatamente dali que ele iria limpar o carro dele e que ninguém poderia nos ver. me recompus como pude e fui sem calcinha, toda melada e escorrida pelas pernas para o banheiro do clube. não conseguia nem andar direito, tamanha a dor na região do meu ventre. a sorte é que ninguém percebeu. me limpei como pude no banheiro, mas tive que esperar alguns minutos para me recuperar. quando fui para a mesa dos meus pais eles estavam preocupados com minha demora em voltar, mas como haviam bebido além da conta, não perceberam nada de errado em mim. eles me deixaram em casa, fui para o chuveiro com um misto de prazer e medo do que havia acontecido, pois nem sabia quem era aquele homem que havia feito aquilo comigo. naquela noite, tomei um banho por mais de 3 horas preocupada que tivesse ficado algum vestígio daquela relação em mim, achando que aquilo resolveria todos os meus problemas. fiquei por dias tomando analgésicos para dores na região da vagina. meu marido ainda demorou alguns dias para voltar para casa, o que ajudou a me recuperar antes de sua chegada. mas depois daquele dia, nossas transas nunca mais foram iguais. eu sabia que meu marido jamais conseguiria chegar ao ponto que aquele homem havia conseguido. as ausências do meu marido e ocorrido naquele carnaval de 93, me levaram algum tempo depois a fazer um curso de especialização à noite, com o único objetivo de poder justificar minhas escapadas noturnas para procurar outros homens que pudessem me satisfazer. nunca consegui achar alguém como aquele, cheguei até a loucura de procurá-lo naquele clube, mas em vão. até que algum tempo decidi me separar do meu marido. você deve estar perguntando: por que eu escrevi essa minha história? simplesmente, porque escutei meu ex-marido outro dia contando em uma festa, sem que ele percebesse que eu o escutava, as suas peripécias sexuais em um carnaval que ele certa vez passou em recife. como eu sei que ele é fanático leitor dos contos eroticos deste site, ele irá ler o meu relato e saber o que realmente ocorreu do lado de cá, enquanto ele estava lá. vocês podem até não acreditar no que estou contando, mas ele, com certeza, não nenhuma terá dúvida de que essa minha história é verídica .



publicado por relatossecretos às 16:59
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Um anjo na praia de vila velha - es

um anjo na praia da vila velha – es estou republicando esse conto, agora em maio/2006 pois agora o andre está no site disponivel e eu também, só que conosco não rola mais junto, mas pode rolar com voce, se quiser!. Numa dessas tardes de domingo, em que eu estava sem fazer nada, resolvi ir para a praia de vila velha. vou de vez em quando, pois moro em vitória-j.penha. chegando lá fiquei olhando os pescadores e pensando o que trazia ali tamanha paciência. era uma pergunta que eu não conseguia obter resposta, mas enfim, o que eu queria realmente de fato não era ver pescadores, mas sim os peixes que passavam foram da;água. cada gato mais lindo que o outro. eu particularmente adoro peludos, não vou negar. era mais ou menos 19h30 e a tarde já caía em sombria penumbra naquele local mais ermo, quando passou um rapaz fazendo cooper. ele estava somente vestido com uma sunguinha preta bem apertada e um boné vermelho. de longe parecia que ele era estritamente peludo, não dava para observar bem. comecei a olhá-lo e admirá-lo aquele anjo correndo em volta das águas,enquanto eu estava no calçadão apreciando a bela paisagem. ele deve ter notado que minha cabeça o acompanhou, pois ele corria e olhava para trás. eu, como de fato, sempre fui muito tímido. é aquele negócio: se chegar eu converso, mas eu chegar perto: nunca ! o anjinho começou a voltar e eu dei um passo à frente do calçadão para que ele pudese ter noção de que eu estava mesmo a fim de vê-lo de perto. ele começou a vir em minha direção e eu pensei:;o que eu vou falar com ele, quando aqui chegar? ah. deixa pra lá!!!! na hora o assunto aparece. ele aproximou-se e eu pude vê-lo de perto frente a frente. era um rapaz com uma carinha de 17 anos, todo branquinho, bokinha bem desenhada, corpo legal, sem barriga nenhuma, nenhum pêlo, todo lisinho e um trouxão que deixava transparecer sua suposta excitação. ele me perguntou: - oi tudo bem? vc mora por aqui? fiquei meio sem jeito e disse que morava em vitória-es no bairro de jpenha. ele se apresentou com o nome de andré e me disse que no momento estava com pressa, pois estava com amigos na praia e tinha que ir embora. mas fez questão de que trocássemos nossos telefones. ele me passou o celular dele e eu passei o meu numero também. trocamos também de endereço eletrônico (e-mail). ofereci uma carona pra ele, mas como ele estava acompanhado, disse que não podia aceitá-la, mas a proposta seria irrecusável se ele tivesse sozinho. fiquei afoito, notei que ele também sentira algo naquele momento. olha...eu fiquei com aquela imagem na minha cabeça durante uns 2 ou 3 dias, e sempre que voltava na praia, me lembrava dele. passei a voltar ali sempre no mesmo horário, mas não o encontrava. não podia imaginar nunca que um dia eu ficaria com um carinha daquele. todo gostosinho, novinho e tesudo, carinha de criança. eu já tenho meus 36 anos, mas mantenho uma aparência de 28 mais ou menos. sempre que digo 28 passa bem, mas quando adquiro a confiança na pessoa,digo a verdade. tenho 36. passaram-se 2 semanas e novamente numa noite dessas em que eu estava sozinho, olhando a agenda do me celular, vi o número do andré. liguei apenas para dar um toque. recebi o retorno de um número de telefone fixo. supus que fosse da casa dele, e realmente era. ele retornou umas 5 vezes e eu não tive coragem de atender. ele vendo que eu não atendia, ele resolveu me enviar um e-mail dizendo que gostou do meu cartão,(naquele dia que a gente se conheceu, eu havia entregue um cartao à ele com meu nome e nr. de tel, pois sempre levava um comigo) pois nele continha um pensamento bíblico com um fundamento muito bonito. marcamos, por e-mail de encontrar no mesmo local para conversarmos melhor, mas que antes deveríamos manter contato por telefone. liguei para ele e conversamos. foi marcado o local, horário no mesmo dia que ligamos. era um domingo de chuva fina e o horário marcado foi 14hs. cheguei à 13h30 e fiquei esperando até 14h30, como choveu ele se atrasou um pouco. ele disse que viria com um gorro e de calça, pois estava um pouco frio. ele veio chegando, estacionou o carro à beira da praia e enquanto ele andava no calçadão e eu o observei aquele anjinho com o mesmo tesão que tive no dia que nos vimos da primeira vez. dei uma buzinada, de leve, e ele veio ao meu encontro. entrou no carro e perguntou para onde iríamos. eu fiquei sem saber a resposta e ele sugeriu que fôssemos num motel mais próximo, pois ele estava louco de tesão. eu, não acreditava no que ouvia, pois ia ficar com um carinha super-gostoso. entramos no dunas, quarto 104, ele preferiu que eu pedisse uma suíte com hidromassagem. entrando no quarto,ele disse que ia ao banheiro, e eu fiquei procurando um canal de tv, ligando o ar, sintonizando uma rádio, etc. sempre futuco tudo num quarto de motel. andré saiu do banheiro já com a camisa nas costas e me abraçou por trás. não sei dizer o que senti.foi uma mistura de vontade de transar, comer, ser comido, chupar, ser chupado,enfim...o mundo parou naquele instante. fui atirado encima da cama e com os dentes ele ia retirando minha camisa, puxou minha bermuda e com a boca puxou a sunga que fez meu pau explodir pro lado de fora igual uma bomba. deitou-se encima de mim e começou a me beijar. fechei os olhos e deixei o barco ir conforme os ventos mandavam. tirei a roupa dele da mesma forma e observei aquele pau duro apontando pra mim, com a cabeça vermelha, todo gostoso. pele lisinha, bundinha redondinha branquinha com um orifício no centro, o cuzinho era a coisa mais linda que já vi nessa vida. todo lisinho em busca de uma língua, que não deixei esperando muito e já comecei a comê-lo de língua. foi uma loucura!!!!! fizemos um 69 legal, de cu a cu e pau a pau. gemíamos como se estivéssemos sendo imprensados debaixo de um container. andré tinha o hábito de mandar e me dava ordens, dizendo para eu virar de um lado, virar de outro e ele escolheu uma posição maravilhosa onde meu cu ficava bem de frente do espelho e ele mandou eu abrir as pernas. ele pediu que eu cobrisse o pau dele com uma camisinha e me perguntou se eu queria ser comido naquela hora. meu gesto foi rápido, peguei a camisinha e lubrifiquei bem com o gel e ele encostou na minha bundinha aquela vara dura. colocou bem na porta do meu cuzinho e disse para eu relaxar, porque ele disse que não queria que eu sofresse dor nenhuma. com leves estocadas, eu fui abrindo bem as pernas e aquela caceta ia me explorando todo.quando eu fazia cara de dor, ele me beijava na boca com a língua quente e úmida, deixando a baba descer encima da minha cara e me lambendo todo de novo. isso foi me excitando cada vez mais, e a caceta já havia passado mais da metade pra dentro. eu comecei a ter contrações anais e ele ficou louco. começou aquelas estocadas de vai e vem e ele me pediu que eu olhasse no espelho. eu via aquele pau entrando e saindo de dentro de mim e só os ovinhos do lado de fora, era o limite para que não entrasse mais. fiquei louco. foram em torno de 40 minutos e foda em todas as posições. ele dizia que queria ver meu cu arrombado, todo estourado e fudido. e de fato estava mesmo, porque ele havia trago um consolo e começou a enfiar aquilo dentro de mim também. confesso que não gostei muito do consolo, mas ele tirava e coloca o pau novamente. e fez esse ritual até não agüentando mais pediu que eu chupasse o peito dele, deixando babar bastante e molhá-lo todo. fiquei louco com aquilo, aquele peitinho durinho, branquinho, sedento da minha língua voraz. ele foi se masturbando até gozar e na hora do gozo, encheu minha cara de porra. depois passou a língua na minha face e me beijou. sentimos juntos o gosto do prazer. nunca vivenciei uma coisa dessa na minha vida, parecia que eu estava sendo desvirginado naquela tarde chuvosa e sombria. isso para mim, foi a maior loucura que já tive. nunca ninguém havia babado na minha boca, gozado na minha cara e esporrado depois beijando tudo. o que parecia nojo, tornou-se prazer e ele estava completamente entregue a mim e eu a ele. fomos para hidromassagem tomar um banho legal, onde ficamos conversando sobre alguns assuntos. passado uns 20 minutos ele quis voltar para o quarto e deitando eu comecei a chupar o pau dele novamente. ele chegou bem perto do meu ouvido e perguntou o que eu queria fazer. ele também queria sentir aquela caceta dura minha sendo enterrada no rabo apertado e tesudo dele. eu disse à ele que queria fuder mais e que naquela tarde eu seria a puta mais vadia e tesuda do mundo, só pra ele. ele não se conteve e começamos novamente a trepada. não sei se foi falta de lubrificação, ou se meu cu já estava inchado de tanto levar caceta, mas senti um pouco de dor no começo . depois a dor se misturou com o prazer e a foda deu continuidade. ele adorava ver o pau metendo e sentia prazer em ver minha bunda sendo comida. a todo momento ele dizia: - que cuzão cara! porra ! que cu !nossa ... to com um tesão filha da puta! quero te pocar todo! vai putinha, toma nesse cuzinho viado. sou teu macho ou não sou? toma porra !!!!! eu enlouquecia com aquilo tudo. ele dizia horas com voz de domínio, horas com voz meiga. eu pedi que ele gozasse dentro de mim, eu queria sentir o prazer dele jorrando aquela porra quente dentro do meu cu, (ele estava de camisinha...!). ele disse : - calma putinha. vou encher sua gruta de porra agora...toma caralho !!!!!!!!!!!! e gozou ! gemeu mais forte ainda. parecia que estava desfalecendo aos poucos e depois da gozada ficou durante uns 5 minutos deitado encima de mim, me perguntando o que eu senti .eu não sabia explicar. aquele carinha tesudo de 21 aninhos, cabelo de thiago lacerda, todo lisinho, suado de tanto fuder, branquinho,marquinha de sunga, cheiroso, tesudo, carinha de neném, havia me proporcionado a foda mais deslumbrante que eu já vi nos últimos anos. como já se pasava das 18hs tivemos que ir embora e saímos do motel debaixo de uma chuva fina. ele me pediu que enviasse um e-mail para ele dizendo o que tinha achado da foda, e que se houver a próxima vez, ele queria ser a putinha também . ele ficou louco me chupando, mas fez isso muito bem na primeira fase, antes do nosso banho de hidromassagem, depois ele voltou como macho completo e me virou do avesso debaixo daquela pica deliciosa de 18cm que me fez ter uma tarde inesquecível. já trocamos alguns e-mail, mas ele disse que no momento está muito ocupado com os afazeres de faculdade e de final de ano. mas logo...logo ele vai marcar outra foda e já estou ansioso para saber quando será, pois meu pau e meu cu, estão 24h à disposição dele. passaram-se os meses, ele sumiu, até que eu o encontrei na praia novamente, mais ao fundo da praia, bem no local da pegação. ele passou, me cumprimentou e eu correspondi, mas dei a entender que não queria ficar com ele. desviei o olhar e ele ficou parado em minha direção. hoje ele coloca anuncio no gaydar, vi a foto dele, 3 anos se passaram, de vez em quando eu o vejo fazendo caminhada no calçadao daquela praia, mas não me vejo mais com aquele anjinho, pois muita coisa mudou . tenho email e cel dele, mas não tenho coragem de marcar outra transa, talvez porque ja sei como\'será...os fetiches dele, as orgias, e eu não sei se suportaria, porque da primeira vez era novidade, agora já seria tudo premeditado. curto um sexo normal, legal e gostoso, discreto e sadio e voce pode me escrever pra gente se conhecer, mas por favor não me peça nada dele ( email, cel) pois o sigilo é a alma do negócio. ele agora tem contato no site disponivel e esta mais gostoso do que nunca. quem sabe o proximo conto aqui poderá ser o meu com voce? meu e-mail para esse conto real é: luizvix@gmail.com

Fonte: Contos eroticos



publicado por relatossecretos às 13:55
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 12 de Março de 2010
... Foi assim...

3 da manhã todo mundo dormindo, e eu acordadissimo da vida, tesão que já não dava mais, roia-me todo. queria naquele exacto momento ter sexo como nunca, minha cabeça fervilhava posições, tamanhos, quantidades, orgias, sexo selvagem, sexo romantico...tudo me passava pela cabeça, até que olhei para o meu lado e vejo um amigo meu, que, até ali se mostrava bem macho, já com filho, namorada. agarrado ao meu falo, já não aguentava mais, ele de perna aberta, com suas calças jeans, pronto para um contacto sexual de alto nivel, encostei com muita calma, minuto a minuo ia avançando emsuas calça, segundo a segundo, mexia-me para mais perto, centimetro a centimetro, tinha mais contacto, até que de repente, a movimento de sua parte, e uma das mãos vem parar em cima de minha cabeça, nisto eu me assusto e retiro-me, deixo passar alguns minutos e volto a meu movimento de aproximação, chegando ao destinooutra vez, sinto um alto duro, com seu comprimento repleto, e começo pensando "este cara está bem acordado, ou é impressão minha... vu testar" nisto começo por fora de suas calças movimentanto o seu falo para baixo e para cima, até que ele se mexe outra vez e mete sua mão em minha perna, ai já não tive duvida, virei-me para ele e disse. - vamos para o banheiro, pois aqui alguém pode entrar e sermos apanhados. ele sem nada dizer levantou-se e dirigiu-se para lá. eu excitadissimo, corro para lá. lá aconteceu as maravilhas das maravilhas, e "foi assim" tirei-lhe as calças, deixando-o totalmente esposto, agarrei-me ao seu belo falo, e suguei-o, lambi-o, acareciei-o, arranheio-o, fiz tudo aquilo que imaginei até ali, mas ainda não me sentia saciado, virei-me de costas, agarrado ao lavatorio, passei lubrificante, e ele nem de meias medidas, enfiou tudo de uma vez deixando-me, sem forças como um orgasmo triplo, continuou bombando e para acabar em grande, pediu para deitar-me no chão meteu seus braços na dobra das pernas deixando-me completamente aberto, e bombou toda sua energia para dentro de mim eu já não sabia de que terra tinha vindo, como me chamava, a unica coisa que sabia é que estava a ter o melhor sexo que alguma vez tinha tido. tudo acabou com muito liquido a mistuara, e para meu desgosto aquele momento de fervor tinha acabado. imaginário

Fonte: Contos eroticos



publicado por relatossecretos às 13:45
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 10 de Março de 2010
Cinquentão e o garoto - o fim

como vcs sabem, acabei sendo flagrado sendo enrabado pelo rodrigo e acabei dando para seu primo que desde então não me saiu da cabeça, foi uma trepada diferente, acho que pelo fato de ser um homem mesmo e não um garoto. mas confesso que aquilo me preocupou, primeiro por ter gostado de ter dado o cu para outro, até então achava que era tesão apenas no rodrigo, depois pq como já disse, fiquei com medo do que viria pela frente, de de repente querer dar para outros caras e isso virar uma ida sem volta e também pelo fato de ter perdido a confiança no garoto, se ele deu para o primo, se ele combinou e armou a entrada do primo para me comer sem falar comigo era sinal que podia sair abrindo a boca para outros cara e eu teria muito a perder com isso. rodrigo não estava mais merecendo tanta confiança. depois daquela trepada a três que no fundo eu me dei muito bem pois foi uma experiência deliciosa ser enrabado enquanto chupava o pau de outro cara, rodrigo voltou a desaparecer, não atendia o celular, não retornava aos meus recados não aparecia e olha que fui na casa dele umas três vezes sem ninguém atender. aquilo me preocupou, pensei que talvez ele pudesse ter ficado com vergonha do que fez, pensei que ele tinha enchido o saco de foder comigo, enfim, pensei mil coisas, mas segui minha vida. certo dia ao sair da academia fui na casa dele e quem atendeu foi sua mãe. me apresentei como vizinho e colega de malhação do filho dela e perguntei por ele. foi quando a mãe falou que desde que ele tinha começado a ficar com uma garota da escola que não parava mais em casa, que ela mesma mal conseguia vê ele. estava explicado o desaparecimento, fiquei puto e no mesmo momento marcos me veio a cabeça e inventei um história dizendo que precisava falar com ele em função de um sobrinho que queria fazer a faculdade rural. a mãe voltou com o celular do marcos escrito num papel, eu estava vingado. no dia seguinte rodrigo deu as cara e fomos para o apartamento dele. lá ele me pediu desculpa pelo desaparecimento e disse que estava com saudade, querendo muito voltar a ficar comigo. falei da sacanagem dele, que já era a segunda que ele aprontava e que ele fosse homem para conversar comigo, etc. depois de muito papo ele se aproximou de mim e quis novamente me beijar, fiquei mais puto e meti o tapa na cara dele. ele sabia que eu não gostava daquilo, as lágrimas vieram ao seu rosto, ele pediu desculpas e voltou a se aprosimar de mim so que agora tirando minha roupa e me chupando o pau que endureceu em instantes. ele também tirou a roupa e nos deitamos fazendo um delicioso 69 até gozarmos juntos, porra, é muito bom isso, caralho. voltei a falar da sacanagem dele e a dizer que não confiava mais nele. fiquei realmente sem saber como agir com ele mas ao mesmo tempo estava ali era pra trepar muito e era o que iria fazer, não tem jeito o tesão sempre fala mais alto. pedi para que ele ficasse de quatro pois queria chupar o cu dele e foi isso que fiz. fiquei um tempo me deliciando naquele cuzinho jovem, brincando com aquela carninha quente e cheirosa. enfiava a língua, os dedos, chupava, lambia voltava a enfiar os deddos abrindo bem aquela rodinha rosada. mandei ele chupar meu pau pois queria enrabá-lo de 4. ele obedeceu, chupou bastante e como uma cadelinha obidiente ficou de 4 esperando que eu fosse até ele. encostei meu pau em seu cu e comecei enfiar de uma só vez sem parar para lhe dar descanso. ele reclamou, me xingou, pediu que eu parasse disse que não queria mas me fiz de surdo, segurei em sua cintura e fodi aquele cuzinho delicioso até gozar muito, estava cheio de porra ainda e quando tirei meu pau de seu cu vi perfeitamente minha porra escorrendo. dei uma chupada naquele cu arrombado e lambi minha própria porra. ele estava de pau duro, achei estranho pois nunca ficava assim quando me dava o cu, muito embora não tivesse gozado. ele nem me deu tempo de descansar foi logo caindo em cima de mim, forçando seu pau duríssimo contra minha bunda e em seguida me penetrando fundo deitado em cima de mim. porra, é muito bom sentir seu cu ser invadido por um pau, definitivamente tenho que assumir que existem poucas coisas tão boas quanto ser enrabado. fechei os olhos e me dediquei a curtir aquela rola me fodendo, me arreganhando me dando um puta tesão. empurrei minha bunda contra o pau dele querendo tudo dentro do meu sofrido cuzinho. já não dava há vários dias e estava realmente cheio de vontade de ser enrabado. fiquei pensando enquanto rodrigo me fodia que naquele dia iria dar em todas as posições para matar a saudade e a vontade de ser enrabado, de dar muito o meu cu. rodrigo entrava e saia de mim, sentia seu peso e sua respiração ofegante e me concentrava naquele pau dentro de meu cu. ele foi acelerando seus movimentos, começou a gemer e em seguida senti seu pau pulsando e o calor de sua porra entrando no meu cu. ele diminuiu os movimentos mas como ainda não tinha gozado pedi que ele continuasse a me comer com vontade, lembro que dizia para ele arrombar meu cu, para ele fazer o viado dele gozar muito no cu, para ele não ter pena e me foder de verdade, acabei gozando feito louco enquanto dizia todo tipo de sacanagem, empurrava meu rabo cheio de porra contra o pau dele e gozava muito. fiquei descansando com ele ainda em cima de mim e esperei que seu pau começasse a diminuir e sair de dentro de mim, só que não ficou mole, podia sentir aquele mastro duro ainda no meu cu. ele aos poucos foi tirando o pau e cheguei a ouvir o barulho de porra e ar que estava dentro de mim. ele abriu minha bunda e começou a me lamber e fazer a limpeza que já era praxe nossa, ficou ali um tempo me lambendo enfiando a língua e os dedos no meu cu. de repente ele falou que eu estava cada vez mais arrombado, que meu cu parecia que se arreganhava a cada foda que eu dava, mas que continuava a ser muito gostoso. ele deitou ao meu lado e vi que seu pau continuava duro e como eu continuava com tesão comecei a chupar novamente aquela vara melecada de gostosa. a vantagem de gostar de dar o cu é que vc não precisa ficar esperando que seu pau volte a ficar duro. cai de boca no pau do meu garoto e depois de um tempo me deliciando naquele delícia falei que queria mais pau no meu cu e que agora ia ser na posição de frango assado e que ele se preparasse pois ainda faltava de 4 e depois eu sentando no pau dele. ele me xingou de viado, de puta, de vadia e disse que nem mulher gostava tanto de pau quanto eu. sorri para ele me deitei de costa e abri as pernas para ele deixando meu cu a seu inteiro dispor. ele veio para cima de mim me xingando novamente e dizendo que enquanto durasse o efeito do viagra eu podia me aproveitar do pau dele. foi a primeira vez que pude constatar os efeitos daquele remédio e fiquei pasmo como funionava, ainda mais num jovem de 16 anos. foi quando falei para ele que ele tinha me procurado já com intenções de me foder muito. ele ficou calado segurou minhas pernas no alto e começou a me enfiar aqueles 16cm de puro tesão, fechei meu olhos e fiquei curtindo cada centímetro que me arrombava ainda mais o cu. ele abriu minhas pernas e deitou sobre mim com o pau inteiro no meu cuzinho que já era cuzão. começou a chupar meus peitos e eu fui tomado do mais completo prazer. voltei a falar uma porrada de coisas e a dizer para ele ser macho de verdade e meter muito aquele pau em mim, ficava dizendo, anda porra, me fode, cadê esse pau que nem to sentindo direito, enfia, mete com força esse cacete gostoso, isso, isso, caralho que coisa maravilhosa, meu come meu machinho delicioso, me faz gozar com esse pau inteiro no meu cu, me faz.... gozaaaarrrr!! gozei muito, gozei com meu cu tomado pelo seu pau, gozei com meu cu piscando muito e engolindo tudo, gozei quase gritando de tanto tesão. ficou morto de cansado, meu cu abria e fechava e ardia e doía muito, mas eu estava achando tudo muito bom e só ia parar quando desse para ele nas outras posições. ele não gozou mas seu pau continuava feito uma pedra, pedi que ele saísse de dentro de mim e lambesse a minha porra que estava na minha barriga. ele obedeceu e lambeu tudo, terminando no meu pau já mole. eu estava realmente cansado e fiquei ali deitado, ofegante, pedi que me trouxesse água e fui ao banheiro me lavar. quando passei a mão na minha bunda fiquei impressionado com o tamanho que estava meu ex cuzinho, realmente eu estava arrombado. fiquei por um tempo botando água quente e fria para dar uma aliviada naquele buraco de prazer, tinha que tratar bem do meu cu pois ainda foderia pelo menos mais duas vezes. rodrigo voltou com o copo dágua e ainda de pau duro, botei seu pau dentro do copo e lavei, depois bebi toda a água e chupei seu pau. ele perguntou se eu ainda agüentava dar o cu e eu repondi dizendo que ainda estava querendo dar sim, mas que agora estava com tesão no cuzinho dele, ele em pé na minha frente, seu pau na minha cara, voltei achupar enquanto enfiava os dedos no reguinho dele que também já estava bem mais abertinho que antes. ele começou a foder minha boca e então eu falei que queria que ele gozasse no meu cu. fui para a cama e fiquei de quatro e chamando ele para vir me foder e me dar mais prazer ainda. ele perguntou se eu não queria comer ele e diante da minha resposta negativa veio até mim e mais uma vez me enfiou o pau. me chamou de viado e voltou a dizer que duvidava que uma mulher gostasse tanto de pau quanto eu. eu comecei a falar que gostava muito, tanto é que tava até dispensando comer o cuzinho de pois preferia ser comido. ele voltou a me xingar de velho viado, de puta safada e enquanto falava me dava literalmente um surra de pau pois tirava o pau inteiro e metia com toda força que a posição permitia, sentia doer dentro do intestino, estômago, sei lá o que, ele me fodia com força e com raiva, dizia que tava puto por eu ser tão viado daquele jeito. eu me segurava e empurrava meu corpo contra o dele exatamente no momento que ele metia de forma que a penetração era completa. foi uma foda mais demorada pois já estávamos cansados e o gozo demorou muito. ele quis desistir mas não deixei que ela tirasse o pau de dentro, então falei para ele deitar e tomei as rédeas da situação montando naquele pauzão e enfiando inteiro dentro de meu cu. a penetração agora era muito fácil, eu estava muito arrombado e via seu pau desaparecer dentro de mim sem nenhuma dificuldade. demorou muito para eu gozar, mas só parei quando senti meu cu mexendo, piscando, apertando aquele pau num gozo quase inacabável e dolorido. gozei gostoso e literalmente sentei naquele pau e descansei sentindo ele inteirinho dentro do meu cu esfomeado. estávamos realmente cansado, rodrigo já estava de pau duro desde as 6 da tarde e já era 9 da noite. me assustei com a hora e perguntei se a mãe dele não iria voltar para casa, ele falou que não tinha a menor idéia e se assustou tb com a hora pois tinha esquecido totalmente que a mãe poderia ter entrado em casa e nós nem teríamos notado. confesso que fiquei preocupado e resolvi que era hora de ir embora. para minha surpresa rodrigo disse que queria que eu gastasse todo o tesão dele que era sacanagem eu ir embora e deixar ele ainda de pau duro, enquanto falava isso pegou o celular e ligou para a mãe que disse que não esperasse por ela pois estava num bar ali perto e voltaria só mais tarde. ele desligou e sorriu para mim enquanto apontava para o pau duro. deitei na cama e disse que mesmo sem precisar ficar de pau duro eu dar o cu tb cansava e que eu precisava de um tempinho pois além do mais meu cu estava em brasa e super dolorido. descansei um longo tempo, acabei que comi o rodrigo na posição de frango ouvindo suas reclamações e gemidos de dor e dizendo que definitivamente não conseguia entender como eu agüentava e gostava tanto de dar o cu. gozei ao som de seus gemidos, gozei com meu pau inteiro dentro de seu cu e quando sai de dentro dele vi que seu pau já não estava mais duro como antes. olhei decepcionado e ele entendeu meu olhar e falou que foi por causa do fato de eu ter comido o cuzinho dele que ele ficou de pau mole, mas que se eu fizesse direitinho seu pau logo estaria duro de novo. fiquei quieto, tinha acabado de gozar mais uma vez, só que agora no pau, só que agora sendo ativo, comendo aquele cu que eu gostava também de comer. eram 11 horas da noite quando me senti novamente com tesão e comecei a bolinar o rodrigo e a chupar seu pau que demorou para ficar duro. quando vi que estava novamente durinho e pronto para uma foda sentei em cima dele, so que agora de costa para o rodrigo e falei que era a vez dele ver meu cu engolir seu pau inteirinho, era a vez dele ver seu pau desaparecer dentro de mim. era a primeira vez que eu dava para ele naquela posição e pelo que ele falava vi que sua visão era bastante excitante pois ele apertava minha bunda xingava e começou a enfiar o dedo no meu cu que já estava tomado pelo seu pau. aquilo doeu e eu reclamei, ele deu uma porrada na minha bunda e disse para eu ficar calado pois já que eu era tão viado ia ter que agüentar os dedos dele e aí começou a forçar contra meu cu enquanto eu me movimentava pra cima e pra baixo totalmente penetrado, doía muito, foi como se eu estivesse dando a primeira vez e a dor começou a atrapalhar meu tesão, reclamei e ganhei mais uma porra na bunda e nas costas e mais uma vez fui xingado, fechei os olhos relaxei meu cu e continuei a mexer e a enterrar aquele pau dentro do meu cu em chamas, gozei mais uma vez e senti que meu cu estava realmente ardido de muito dolorido, quando parei de gozar e mexer rodrigo me xingou mais uma vez de viado e outras tantas coisas e disse que eu tinha acabado de gozar num pau e três dedos enfiado no cu. não tive como não sorrir de tesão, de ter gozado daquela forma. seu pau ficou definitivamente mole e saiu de dentro de mim, rodrigo falou que meu cu parecia uma cratera e que daqui a pouco ele nem ia mais querer comer aquele buraco tão grande. sai de cima dele, deitei-me um pouco ao seu lado, relaxei por uns instantes e em seguida me levantei, me vesti e saí dizendo que ele nunca mais chegaria nem perto daquele buraco, daquela cratera, daquele cu arrombado. ele ficou deitado e eu saí, era meia noite e quinze e agora eu precisava inventar uma bela desculpa para minha mulher. estou lhes escrevendo esse conto dois meses depois dessa noite de orgias, de muita trepada e daquele fim desastroso, pelo menos foi uma despedida maravilhosa. desde então rodrigo não apareceu mais na academia, nunca mais o vi e estou numa seca de pau desde então. confesso que estou sentindo falta de nossas transas das trepadas gostosas, do pau dele na minha boca, no meu cu que continua doido pelo seu pau. já toquei várias punhetas lembrando de nossas trepadas, das enrabadas que tomei. sinto falta sim, não sei se do pau dele ou de um pau. nunca procurei o marcos e desde então não tive nenhum homem. não vou sair procurando, embora esteja louco para fazer isso, não posso me arriscar, não é sempre que temos a sorte de encontrar alguém que não te sacaneia tanto. mas assim como apareceu o rodrigo, tenho esperança que as coisas aconteçam de modo a eu cruzar com um cara que eu possar voltar a me entregar e a dar meu cuzinho que está quase voltando a ficar virgenzinho de novo. já pensei em dar em cima de um boy que trabalha na empresa mas como sou diretor dar esse mole e correr riscos enormes como chantagens e etc. o garoto é um tesão, deve ter uns 20 anos, é negro, forte e imagino que tem um pau bem grande pois certa vez olhei para ele e pude ver o desenho de seu pau dentro da calça e fiquei pensando como seria aquele pau duro, aquele pau preto dentro de mim. mas é melhor para de pensar no boy pois com certeza é uma roubada, é muito arriscado. vou ficando por aqui, espero que gostem das minhas estórias, votem nelas pois sempre acompanho para ver se têm agradado. saibam que é tudo muito verdadeiro, não escondi nada de vocês e procurei ser o mais sincero possível para que vocês curtam minhas experiências. garanto que tudo é a mais pura verdade, pena que acabou. se alguma coisa acontecer de novidade voltarei a escrever para vocês, sempre como cinquentão. até a vista.

Fonte: Contos eroticos



publicado por relatossecretos às 12:39
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Terça-feira, 9 de Março de 2010
Minha esposa dando para outro na boate

Minha esposa dando para outro na boate.
numa sexta-feira fomos à boate marrakesh, aqui em são paulo, que é famosa pelas orgias que rolam por lá, estava a fim de exibir minha esposa então pedi para ela ir com o mínimo de roupa possível, que usasse no máximo duas peças de roupa, praticamente seminua, ela se preparou durante o dia todo foi ao cabeleireiro, fez as unhas e ficou uma gata, à noite como eu pedi, ela jogou sobre o corpo apenas um vestido vermelho bem justo e curto que em qualquer movimento mostrava sua gostosa bunda e com um decote generoso que mais exibia que escondia seus deliciosos seios, usava uma sandália alta e muito sensual amarrada nas pernas seu visual era de uma linda garota de programa. chegamos por volta da meia noite e já havia muitos casais por lá e muitas gatas tiveram a mesma idéia e estavam deliciosamente provocantes com pouquíssima roupa.logo que chegamos minha esposa chamou a atenção, pois quando ela cruzava as pernas seu vestido subia até a altura de suas coxas deixando parte de buceta amostra, já que não usava calcinha, e como sentamos num sofá bem de frente da pista era uma ótima visão para quem dançava, dos casais dançando havia um rapaz que não tirava os olhos dela e logo veio chama-la para dançar, não me opus e ela aceitou a musica era lenta e eles estavam agarradinhos dançando e a mão dele já explorava o corpo dela, as mãos dela também alisavam o corpo dele que vendo ela corresponder foi ousando mais e suas mãos passando por baixo do vestido mostrando parte de sua bunda para quem quisesse apreciar, ele falou algo no ouvido dela e deu-lhe um rápido beijo na boca seguido de um demorado beijo de língua, minha rola estava estourando, pois não fazia nem meia hora que havíamos chegado e minha esposa já estava se amassando com aquele rapaz na pista de dança, por mais que procurasse não sabia onde estava a gata dele, mas tudo bem valia pelo prazer dela e também. pelo meu tesão naquela hora. eles continuaram dançando com amassos mais ousados com as mãos dele enfiadas por baixo do minúsculo vestido dela apertando sua bunda.depois de dançarem umas duas ou três musicas vieram até a mesa e ela nos apresentou, seu nome era andré deveria ter uns 26 anos e era muito boa pinta, por isso minha esposa se interessou por ele, perguntei de sua gata e ele nos disse que tinha vindo com uma prima e que ela estava solta por ai, falei que tudo bem e convidei-o para sentar-se conosco sentamos no sofá e minha esposa sentou-se entre nós e começamos a conversar e a beber quando minha esposa cruzou as pernas mostrando parte de sua buceta, nosso amigo muito atento pergunta se ela sempre sai sem calcinha e ela responde que só quando está com a fim de se exibir um pouco, então ele pergunta se ela não queria se mostrar inteira para nós e ela diz que teria muito prazer nisto, então nos levantamos e fomos os três para uma das saletas reservadas que ficam ao fundo da boate, o local era espaçoso e com sofás, eu e andré nos sentamos e minha esposa em pé começava um strip para nós, mas como só tinha uma peça acabou sendo muito rápido e logo ela estava nuazinha, apenas de sandália, se exibindo para nós, ela é loira, cabelos médios, tem olhos mel, seus seios são méidos, duros e firmes, sua buceta é pequena e rosada com poucos pelinhos dourados, tem pernas bonitas e pés tamanho 36, nosso amigo com olhos arregalados já mexia na rola por cima da calça, como ele era o convidado deixou tomar iniciativa de levantar-se e ir até ela e mamar sem seus peitos enquanto suas mãos percorriam o corpo dela agora totalmente nu, ela sem perder tempo tirou a camisa dele e soltou o cinto, depois ela abaixou a calça e a cueca revelando uma bela rola bem dura de uns 20 cms a qual ela tratou de abocanhar com vontade chupando e lambendo da cabeça ao saco enquanto ele se deliciava com o boquete, depois ele livrou-se do resto das roupas e ficou nu também, então disse a ela que queria vê-la sem nada sobre o corpo, então após tirar a sandália, colar, pulseira, relógio enfim ficar completamente nua eles se abraçaram e se beijaram de língua enquanto malhavam e esfregavam seus corpos nus, passava várias vezes sua rola na buceta dela, quase a penetrando, mas como ela era mais baixa a posição não permitia, ele então a sentou no sofá, abriu suas pernas e começou a chupa-la com vontade a deixando toda molhada e arrancando gemidos , depois ele colocou as sandálias nos pés dela e a levantou voltando a se beijarem de pé, e agora mais alta pelas sandálias ele não teve maiores dificuldades em penetra-la nesta posição e aos poucos seus 20 cms de rola foram entrando na buceta de minha esposa, que já estava em êxtase, eu a esta altura já me masturbava com muito tesão e não sabia se deixava aquela transar acontecer ou se interrompia por ele estar sem camisinha, não sei se pelo visual do rapaz que aparentava ser muito bem cuidado ou pelo tesão de todos naquela hora, o fato é que continuei minha punheta ainda com mais vontade enquanto via aquele garanhão comer a minha esposa ali a meio metro de mim, depois de come-la de frente beijando-a na boca ele a virou de costas com as mãos apoiadas na parede e a comeu por trás enquanto massageava seus seios, ainda de costas apoiou a perna dela no sofá deixando-a bem aberta e voltou a enfiar sua rola e não satisfeito a colocou de quatro apoiada no sofá e socou sua rola de novo sem dó na sua buceta , ela gemia muito, ai ele colocou a rola novamente na boca dela fazendo-a mamar mais ainda, eu a esta altura já havia gozado no chão da sala, mas minha rola continuava dura e pulsando com a cena, então peguei nossas roupas espalhadas e forrei o chão da sala e depois pedi a minha esposa que deitasse de costas sobre elas, o que ela prontamente atendeu e com as pernas abertas chamava o rapaz para um gostoso papai-mamãe, ele veio por cima dela e a penetrou de uma vez, ela cruzando as pernas sobre as costas dele o apertava contra seu corpo gemendo com as rápidas estocadas dele sem sua buceta, depois de foderem alguns minutos nesta posição ele sentou-se no sofá e a colocou para cavalga-lo, podia observar aquela enorme vara entrar e sair freneticamente da buceta de minha esposa que pedia e implorava para ele não gozar dentro dela, ele por sua vez a chamava de vadia e de puta e dizia que iria come-la até jorrar sua porra dentro dela, e isto os deixava mais tesudos ainda, era impressionante a atração entre eles, pois já estávamos ali há uns quarenta minutos e eles ainda com o mesmo fogo de quando chegamos, depois de fode-la mais uns dez minutos nesta posição ele deu os primeiros sinais de que iria gozar, minha esposa tira a rola dele de sua buceta, mas ainda sente jorrar o primeiro jato dentro dela, rapidamente ela abocanha a rola e ele acaba gozando todo o resto de sua porra no seu rosto e seios. cansados na tremenda metida eles caem no sofá para descansar, vendo que ela estava meio pensativa com a loucura que fizeram andré a tranqüiliza dizendo ser estudante de medicina e que sua saúde está perfeita, o que como já disse era perfeitamente visível, pois o rapaz tinha um invejável porte atlético, ele se vestiu pedindo licença e saiu, ainda ficamos um pouco a tempo dela ainda me fazer um delicioso boquete e acabar gozando em sua boca também e misturando minha porra a dele, pedi para ver a buceta de minha esposa que estava melada com a porra dele além de vermelha e bem fodida.
nós recompusemos e voltamos a mesa a ponto de ainda encontrar o andré com sua linda prima, uma ninfeta morena de uns vinte anos, trocarmos nossos telefones combinando uma próxima, e desta vez será a quatro.

Fonte: Contos eroticos

 



publicado por relatossecretos às 20:08
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

Quinta-feira, 4 de Março de 2010
Zeus...meu amante canino

olá pessoal...prefiro ficar registrado aqui apenas como apolo, mas vamos ao que interessa... durante minhas ferias eu costumo viajar pra minha cidade natal, foi em uma dessas estadias, que eu faço na casa de um primo, que houve a minha chance de ter relações com um cão. zeus, o cachorro de estimação de meu primo, um legítimo pit bull de cor caramelada, com 2 anos de idade e um porte de 54 kg(acreditem). foi esse cão que proporciono a minha iniciação na zoofilia... bem a historia começa durante o 3º dia de minhas ferias. após xegar da musculação(pois sempre q viajo malho com o meu primo na mesma academia que ele), fui direito ao banho desejando aquela frescura que so um bom banho dá; demorei uns 20 min, o suficiente pra um belo banho e fui na varanda da casa colocar minha toalha para secar, então lá estava ele brincando com um pneu todo alegre, zeus com aquele corpo definido, e logo que me viu começou a me contornar e pulando em mim pra com certeza brincar com ele; dei uma bronca nele, porque tinha acabado de sair do banho. entrei então na casa deixando-o lá desolado olhando para mim da porta da varanda. quando vi aquela cena que só os cachorros sabem fazer, tive pena e decidi voltar pra dar um poco mais de atenção. mas o que começou como carinho me fez ficar espantado, porque eu logo percebi aquele nó ainda dentro da capa se dilatando(um claro sinal do cachorro quando começa a ficar excitado)e o calor do corpo de zeus aumentar...aquele olhar que ele me dava como se estivesse pedindo um favor me fez começar a sentir meu pênis enrigecer sem quaisquer motivos; de 1º momento fiquei assustado que alguem visse aquela cena e me afastei, trancando a porta e deixando zeus com aquela pau ainda encoberto do outro lado do vidro. foi então que eu lembrei que eu estava só na casa, pois meus tios trabalham e só voltavam pra casa no horário do almoço e no fim do expediente; já meu primo que malhava no mesmo momento que eu, disse que após a musculação ia dar um pulo na casa da namorada...foi então que aquele calor de excitação e curiosidade começou a me corroer até o ponto de eu não aguentar mais e retornar para onde zeus me aguardava. no mesmo momento em que abri a porta zeus começou a ficar histérico,correndo feito louco mesmo; então num tentativa pra acalmá-lo puxei o seu brinquedo favorito que estava ca´do perto de mim, um ursinho de alta resistência especial para dogs. ele veio desabalado ao encontro do brinquedo, então eu finalmente consegui chegar perto o bastante para agarrá-lo e para iniciar um carinho gostoso nas suas ancas. aproveitei esse momento em que ele ficou mais calmo(parecendo advinhar o que estava acontecendo e passando a se comportar como um garanhão experiente)e focalizei aquela bola ainda enconberta. a sensação no momento foi indiscritível; fiquei louco pra agarrar aquela coisa que crescia ainda que meio escondida(que apesar de escondida já assustava), então num misto de excitação e loucura agarrei aquele mastro, iniciando uma massagem gostosa que fez zeus ficar imóvel(nem ao menos balançava o rabo), fazendo o seu volume crescer para fora da capa e endurecer. fiquei extasiado com aquilo e tentei partir para algo mais extremo:"quero provar isso tudo"-pensei. e abaixando-se devagar ficando de cócoras no chão(na mesma altura de zeus)me debruço ao ponto de colocar meus lábios perto daquele músculo vermelho que saia da capa, começando então uma chupada frenética e gulosa, fazendo aquele pau crescer e sair aos poucos e engolindo tudo em seguida. sentia aqueles jarros de porra salgada na minha garganta, que me deixava ainda mais louco. chupava como uma verdadeira puta que satisfaz seu cliente. meio sem reparar durante essa chupada zeus tentava sair e eu agarrando aquele pau com tamanha voracidade ao ponto de fazê-lo ganir de dor; tive um baita susto e o soltei, limpando os cantos da boca que escorria aquele leite estranhamente delicioso. achei que ele ia correr de mim, mas enganei-me; como se o dog tivesse dito um basta no boquete, ele veio ao encontro decidido, tentando agarrar qualquer parte do meu corpo(eu ainda estava agachado), foi aí que me desperto aquela vontade de sentir aquele pau roxo cheio de veias pulsando dentro de mim. então me esquivei do meu amante e corri de volta a seguranca da casa, trancando a porta e deixando zeus chorando inconformado. corri até o banheiro tirei toda minha roupa e me arreganhei na pia com uma perna fazendo apoio no chão e a otra em cima da pia...comecei então a lubrificar meu anel com aquela mistura de saliva e porra de cachorro e enfiando 1 dedo no meu cuzinho, dilatando-o devagar e o massageando por dentro. meu deus nunca tinha visto meu cu daquele jeito, tava em brasa, doido pra ser atolado. quando percebi que qualquer coisa com mais de 17 cm podia penetrá-lo com facilidade, sai totalmente nu ao encontro de zeus que ainda estava estático do outro lado do vidro inconformado. quando toquei no trinco da porta vi ele se levantar e começar a mexer o rabo freneticamente; ao abrir a porta tive pouco o que fazer, passei rápido pela entrada totalmente nu com aquele cachorro louco pulando e me arranhando toda as costas. consegui abraçá-lo contra o meu corpo com muito esforço, fazendo-o ficar entre minhas pernas. como gesto automático zeus começa a pôr em ação aquela prazerosa língua canina; fui rapidamente ao céu com aquele toque bruto no meu membro, um arranhar gostoso de uma língua áspera e forte. fiquei em chamas, ia dar pra aquele cão de qualquer jeito, eu estava submisso a ele... tentei me livrar um pouco suas dolorosas unhas que ainda castigavam todo o meu corpo, mas a vontade de dar era maior do que toda a dor, ao tentar me pôr num posição boa pra penetração, mas poco adiantava, zeus estava alucinado, doido pra meter aquele piroca em qualquer buraco sem nenhuma pena...e foi realmente isso que aconteceu. ao conseguir ficar literalmente de 4, zeus consegue agarrar minha virilha com uma força descomunal e passa a tentar meter aquele pau(que estava fino porém duro, perfeito para iniciar uma penetração rápida) em qualquer buraco perto o bastante. por mais que ele tentasse acho que ele não conseguiria sem o meu auxílio; então comecei a tentar me posicionar numa posição que aproximasse meu anel, que piscava louco, daquela vara assassina(realmente mortífera) usando toda minha força, pois com o peso do cão em suas costas e tentando te bombar não é algo muito fácil... tive então a idéia de conduzir aquela vara incansável até a entrada tão desejada por aquele garanhão...me apoiei com um dos braços(me abaixando para suportar melhor todo aquele peso e empinando mais a bunda, sentin do aquele pau bater descontrolado na minha coxa)e com o outro tatiei à procura daquele saboroso mastro, conseguindo-o guiar até o meu cu em brasas. parece que zeus entendeu o recado e começou estocadas fortes tentando penetrar...na 3 tentativa foi certeira, senti a sensação de um pau afiado, absurdamente duro, tocar na parede do meu intestino com tamanha força que eu pensei em desistir de verdade de toda aquela loucura...porém mesmo se eu tentasse me livrar zeus não me deixaria fugir tao fácil, pois ao perceber que tentava me livrar do seu abraço na virilha ele puxou meu corpo junto ao dele, fazendo aquele pau frenético me percorrer cm por cm dentro de mim. a dor foi substituída por um prazer incontrolável, que me fez empinar e rebolar feito uma verdadeira puta envolvida por aquele deus canino... achei que aquelas estocadas iriam cessar logo depois da penetração, mas errei novamente...a rapidez que ele bombava e pulsação daquele membro que eu sentia cm por cm dentro do meu rabo, aumentava cada vez mais, me deixando louco e totalmente entregue aquela bomba em forma de pau... retornei a vida ao perceber que algo assustador tentava me fuder também, algo tão grosso e rígido que fazia meu anel latejar de dor, era o famoso nó que até aquele momento eu não fazia idéia da sua existência... me assustei colocando a mão entre aquela coisa(com certeza achando que eu jamais aguentaria aquilo tudo em mim)e o meu rabinho totalmente preenchido por algo que inchava sem parar... para o meu alívio zeus parece desistir de tentar meter aquela coisa em mim e começa a diminuir o ritmo, respirando pesado(exausto por aquela metidão desenfreada)...sinto então aquela explosão de uma rolha altamente apertada em sua linda garrafa, e sobe aquela dor insuportável partindo do meu cuzinho...tive que morder o braço pra não gritar...olhei pra trás afim de ver alguma coisa e só vi aquele pau ainda gigantesco naquele cachorro estaticamente encurvado, mal conseguindo andar... levantei-me desejando apenas repousar num bom banho com uma verdadeira corredeira que nascia do meu anel e descia por minhas pernas...passei por ele que continuava me olhando mas sem esboçar nenhuma reação de me impedir(ele sequer se mexia), tranquei a porta da varanda e atravessei vagarosamente até o banheiro para tentar me recompor... espero q tenham gostado...retornarei a postar outras aventuras(verdadeiras como essa) minhas nesse mundo atraente do sexo... e galeraa vota aí .

Fonte: Contos eroticos



publicado por relatossecretos às 14:02
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim
.Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
16
17

18
19
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Eu, Marcelo e meu corninh...

. Inquilina pagando aluguel...

. Minha mulher para o vizin...

. Estuprada pelo padastro

. Realidade virtual

. Sexo no estudio de tatuag...

. Eu e minha mulher satisfe...

. Transei com um casal...re...

. Violado por 2

. Meus alunos são um tesão-...

.arquivos

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

.tags

. todas as tags

.links
.pesquisar
 
blogs SAPO
.subscrever feeds