Quarta-feira, 28 de Outubro de 2009
praia carnaval

foi na praia grande, nas proximidades de mongaguá, litoral sul de são paulo, no carnaval de 2000. meu nome é le eu tenho 1.80m, 79kg, branco, cab. e olhos castanho claro, gosto de bater um fut. e de ficar a toa numa piscina, tenho 19a, foi há 3 anos atrás quando eu estava com 16 anos, eu fui para a praia grande com minha prima carol, pra passar o carnaval na casinha dela, como sempre fazia. minha prima é gostosinha, morena cabelo meio channel as pernas grossas, a bundinha é pequena branca e bem redonda e os seios fartos apesar da idade, ela deveria ter uns 13 ou 14 anos, lá é muito gostoso, tem uma piscina grandinha até, mas o bom mesmo de lá era a galera reunida, como eu disse era carnaval, então todos os vizinhos que vinham pra temporada estavam lá, do lado da casa dela tinha uma garota chamada flavia, não era bonita, meio magrinha, mais extremamente legal, mas a que me chamava atenção sempre quando eu ia lá era a vizinha da flávia, paula tinha 14 anos cabelos cacheados comprido loiro, a pele bronzeada do sol, tinha um corpo perfeito a barriguinha perfeita bem definida a bunda era um tesão, bem redondinha e mto grande, misteriosamente levantada e lisinha, quando desnuda naquele biquíni eu ficava doido, os peitos eram médios, as cochas era demais bem torneadas com os pelinhos loirinhos bem ralinhos, que ao sol brilhava puxando atenção sempre usava bikini pequenininho, quando andava dava pra ver levemente os músculos das coxas se contraírem, apesar da idade aparentava uns 18 anos sério ela é fora do normal, não só corpo ela é muito carinhosa, meiga, delicada, trata todo mundo igual, não tinha preconceito e, ela pode esta passando mo barra q sempre esta de bom humor, nunca vi ninguém como ela até hoje, talvez esteja exagerando mais a verdade é que ela é a garota mais linda que eu ja vi, seja na rua ou na tv, nem vou comentar da mãe dela. assim começa a história no carnaval, na praia eu sempre fazia amizades lá e não ficava com a minha prima e suas amiguinhas, apesar de eu ter um contato muito grande com a minha prima (nos somos grandes amigos), mais eu evitava ficar com ela, na praia porque eu era muito galinha e achava que minha prima iria ficar constrangida de me ver em alguma situação mais erótica (mal sabia eu q minha prima é uma safada), mais nesse carnaval minha prima veio falando que a flavia (a feinha), queria me bejar de qualquer jeito que estava muito afim e que ela queria muito que eu ficasse com sua amiga, então eu pensei, eu não vou causar nenhum constrangimento para minha prima porque afinal é ela que esta pedindo pra eu ficar com a menina, e essa será a minha deixa para aproximar da paula que esse era meu sonho (cafajeste mais nada burro, talvez nao faria alguma coisa assim hoje em dia, não sei). aí, no dia seguinte depois do almoço, eu fiquei com a flávia, minha prima bjo um krinha e a paula um outro. todo mundo junto numa mesa de uma sorveteria que tem lá perto, eu bejava bem gostoso bem molhado e lento a flávia, e passeava a mão no corpo dela entre as coxas e as vezes os peitos bem discretamente e levemente (ela não admitia relar nas partes douradas como ela dizia, depois eu fui saber pela minha prima que ela chama de partes douradas porque os pelos da buceta dela são tingidos de loirinhos, meu deve ser ridiculo uma menina morena com buceta amarela sem noção), mas intaum, eu beijava bem gostoso pra chamar atenção da paula. eu realmente a beijava gostoso, às vezes eu desencostava a boca e apenas as línguas ficavam coladas, se mexendo bem lentamente, às vezes eu abria os olhos e discretamente via a paula, ela não estava gostando, enquanto minha prima e eu curtia nossos acompanhantes, ela apenas ficava chupando sorvete, i o cara lá parado, esperando, eu aproveitei e dei uma boa passada de pé na cocha dela ela percebeu olhou pros lados, mais eu disfarcei. nós voltamos pra casa desacompanhados para os pais super-protetores da minha prima, não falarem nada. a partir desse dia eu sempre andava com as três já q eu estava ficando com uma delas, já tinha passado uns dois dias e sempre com bom humor fui me tornando íntimo da paula que, também, já desabafava coisas dela para mim, eu era muito brincalhão, e por sorte, sempre tinha a piada certa no momento certo, enquanto isso flávia ficava puta da vida, porque eu não dava atenção pra ela. até que numa manhã eu acordei umas 8:00 com dor de cabeça devido ao porre que eu tinha tomado com os meus tios, todos estavam dormindo ainda, então sai, fui sentar na entrada da praia onde tinha uns coqueiros, quando olhei pra praia, estava paula e um cara, se beijando sentado na areia sem sacanagem nenhuma, fiquei ali olhando e imaginado eu no lugar do cara. depois de um tempo o cara entrou no mar, com uma prancha, e ela ficou ali na areia vendo o cara pegar as ondas, o cara surfava muito bem apesar de não ter boas ondas na praia grande, ela cansou abanou a mão pro conquistador virou e pegou o caminho de casa, ela veio tão distraída que so me viu quando eu falei o, ela ficou vermelha me perguntou. "faz tempo que você esta aí le?", "o suficiente para ver como o cara é sortudo por ter uma boquinha linda dessa" eu disse, então ela ficou roxa de vergonha. eu achei estranho de ver ela toda embaraçada e tímida ja que as indireta era constante mesmo em tom de brincadeira. então ela percebeu e explicou que não era pra eu ver que ela se sentia mal, quando alguém visse ela beijando alguém, aí eu fiquei completamente sem entender. "hey paula, qual o problema? não tem nada demais da uns bejinho na frente dos outros". "não é na frente dos outros é na sua frente!". nessa hora engoli em seco, me vi eu agarrando ela, mais respirei e disse que não ligava, que podia ficar a vontade pra bejar quem quiser. "você não liga le?", ela perguntou em tom de interrogação. aí eu pensei, lógico que eu ligo eu quero ela pra mim, ficar vendo esses cara beja e passa a mão nela, mais eu respondi, que ela era muito gata e se não beijasse ninguém seria estranho. então ela saiu e eu fiquei la na praia pensando, com o pau meio duro de ver aquela bunda suja de areia indo embora, desnosprezando a canga que levava em sua mão, fui andar pela praia cheio de esperanças ao ver q ela se importava de eu ver ela com outras pessoas, e saber q quando eu cheguei, ela mal falava comigo, eu achava que ela tinha raiva de mim, mas agora com um pouco d conversa ela estava dando várias indiretas. quando eu voltei já estava todo mundo tomando café, minha prima falou que ia fazer uma festa só pra jovens que os adultos iriam sair e ia ficar só as pessoas novas na casa. a carol, minha prima, é muito caprichosa fez uns negócinho pra comer convidou umas pessoas, colocou umas luzes espalhou umas caixas de som, a festa seria a noite em volta da piscina, e os pais dela e os vizinhos (todos), iriam na ferinha do caiçara e voltaria tarde. tudo pronto à festa estava marcada pras 22:00. era umas 21:00 eu, a carol (minha prima), a flávia que estava com raiva de mim, porque eu não queria mais ficar com ela, a paula e mais dois cara, já estavam lá foi quando começou a chover muito forte, não teria mais festa akele dia os cara foram embora, nós 4 que eram tudo vizinho e não tinham pra onde ir, já que todo mundo havia saído, ficamos lá assistindo televisão, jogando imagem e ação e zoando muito, até aí beleza já era 00:00, e nada de pais chegar, já estava todo mundo dormindo menos eu, estava assistindo o desfile, estava só de bermuda , e as três estavam de bikini e um shorts menos paula q estava de calça e mini-blusa, então eu olhei para minha prima, ela sim estava com uma shortinho, comecei ficar excitado com a minha prima nunca tinha sentido esse tesão todo por ela, não sei talvez porque seja que a paula estava ali, e não mostrava nada, então meu tesão por ela passou para minha prima, estava as três amontoada no sofá de dois lugares e eu estava deitado no tapete em frente delas, então eu comecei a passar a mão no meu pau duro por cima do short, e adormeci. acordei com minha prima desligando a tv, aí eu falei pra ela — dormiu bem amor, brincando. ela respondeu —ótimo querido, mais nosso caso acaba aqui, vc esta babando pela paula, as duas continuava dormindo, e minha prima sentou do meu lado no chão. — o que você quer q eu faça, ela é d+ - eu disse. ela fez um gesto concordando com a cabeça, nos estávamos falando muito baixo. ela perguntou se eu não tinha vontade de dar um beijo nela agora que ela dormia, pois ela tinha um sono muito pesado. eu concordei! fui me aproximando quando eu ia da a linguadinha de leve ela abriu os olhos, como já estava bem perto troquei o celinho por um bejao ela não tentou sair então ficamos um bom tempo só bejando tava excitado muito excitado, um beijo tinha me deixado com o pau duro e qualquer idiota percebia já q estava com um short tectel bem folgado e sem cueca, eu parei olhei minha prima que estava quase em estado de choque, com a boca entreaberta, paula disse "fica roçando seu pau enquanto a gente dormi, u q é isso?" eu não respondi, ela estava sentada no sofá fiquei no seu colo de joelhos com suas pernas entre as minhas e com o pau duro um pouco abaixo dos seus peitos, e dei um bejo, minha língua passava pelo céu da boca dela, depois as duas línguas se chocaram foi uma sensação maravilhosa, as vezes eu subia, tirando a boca dela da minha, e ficava com mais tesão vendo o esforço dela pra subir e continuar me beijar, fiquei um bom tempo bejando ora boca ora pescoço ora orelha. depois de alguns beijos elas me botaram pra fora, e trancaram a porta, achei uma criancice mas aceitei numa boa. no dia seguinte todos fomos para a ferinha do caiçara, quando voltamos já de madrugada, armaram a cadeira lá na frente e ficaram fazendo mo festa plena madru com direito a som e aos piscas dos carros acesos, paula se afastou de todos indo pra praia olhando com uma cara de quem diz me segue seu puto!!!!!! eu segui ela, cheguei na areia, aquele breu, mô escuridão, eu cheguei perto dela, ela me deu um arroz com o nome dela gravado em um tubinho, e nós começamos a bejar loucamente, rolando na areia, assim começou a relação com a garota que tantas vezes sonhei, i agora estava dominada por mim em uma praia onde não tinha ninguém, era um sonho, eu tb estava surpreso ela tinha cara de anjinha, mais ali beijando revela-se uma safada, aí um carro parou na rua da praia deixando ela com medo dakela escuridao, e nos fomos embora, minha prima e a flávia tava na entrada da praia, nos saímos de lá rindo de qualquer coisa, parecia que nós 4 estava chapado, a flávia já não tinha nenhuma raiva de mim. o melhor é q minha prima tinha adiado a festa para quarta-feira. quando chegou o dia da festa, paula e eu sempre juntos, como namorados, já conhecia muito bem o corpo dela por cima da roupa, agora meu desejo era meter nakele fenômeno de mulher. tudo pronto céu estrelado sem possibilidade de chuva, todos os pais saíram novamente agora pra ferinha de mongaguá , começou a festa todos agitado dançando em volta da piscina se beijando, só tava o andar térreo da casa aberto e não tinha quartos, ainda bem. tava fazendo mto calor então eu entrei na piscina e fiquei dançando lá dentro, de repente eu sinto uma mão no pau, por cima do shorts, eu levanto o vulto já assustado e me assusto ainda mais era minha prima, eu soltei ela de espanto então ela mergulhou novamente mirando akele bundão pra cima, deu até pra ver as bordinhas enrrugadinha do cuzinho dela, fiquei mto doido de tesão, foi qdo paula chegou e me agarrou por trás e ficou chupando meus pescoço, peguei ela joguei na minha frente com tamanha rapidez que o biquinho rosado do peito dela ficou visível, deu pra ver estava meio durinho, ela foi arrumar, meio envergonhada, eu segurei a mão dela e apalpei, mão peito foi a primeira vez, bejei a boca dela e desci rapidamente pro peitinho descoberto, eu chupava deixando muita baba, era umas 11 e ainda tinha mta gente e todos que passavam perto via a cena, não era nenhum absurdo na ocasião já que todo mundo já estava meio que metendo ali mesmo em publico, uma verdadeira suruba, sem trocas de parceiros, mas intaum, fiquei chupando, ela gemia e puxava meu cabelo com mta força, parei peguei a mãozinha dela e levei pro meu pau, depois ela fez sozinho passou um pouco por cima do shorts, depois levou pra dentro e começou a punhetar desajeitadamente, mas mto gostoso, com os olhos bem fechados bejava e abraçava ela sentindo o bico do peito dela no meu peito, sentia akela mão suave mais mexendo do que punhetando meu pau, ficamos mais de uma trocando caricias, então paramos pq já tava tarde e os pais poderiam voltar, ela falo que não era o normal dela fazer tudo aquilo, q ela não estava entendendo o porque que ela estava ali dando uma d puta, para confortar ela eu falei que não precisa se envergonhar, que isso era a prova de um sentimento mto forte que um sentia pelo outro. nos expulsamos todo mundo, deu muito trabalho pra fazer isso, tivemos que abrir um vinho 12 anos do pai da minha prima pras pessoas irem embora. casa vazia toda bagunçada, o tapete da sala encharcado, o banheiro uma nojeira via as porra de longe nas parede, flávia e minha prima limparam tudo, enquanto paula e eu continuávamos trocando caricias hehehe, não rolou mais nada akele dia pq paula dormiu, então so fiquei passando a mão de leve no rosto dela até eu dormir tb, eu já tinha certeza que ia comer paula, e só de pensar nisso já ficava louco. a data de ir embora já estava marcada e não tinha rolado nada já que minha prima não se descolava de mim, então nos combinamos em sair na madrugada, nos encontrarmos no salão de jogos que tinha lá na casa de minha prima. não agüentava de tesão nem dormi, bati uma punheta e fui no horário marcado abri o portão para que ela pudesse entrar e fui p/ o salão esperei uns minutos e nada, então deitei na mesa de ping pong e adormeci, acordei com um peso em cima de mim, era paula, ela beijava meu peito, quando percebeu q eu acordei ela subiu e murmurou no meu ouvido: "esta preparado, para realizar os nossos desejos?" respondi com uma lambida no ombro dela, subindo pelo pescoço ate a orelha, depois foi só prazer, ela abaixou meu shorts, junto com cueca e um teco da minha coxa, meu pau já estava completamente duro e melado da punheta q eu tinha batido, ela deu um bjo na minha virilha e na minha barriga sem encostar no pau, ela apenas chegava bem perto e respirava colocava a boca mais sem relar, apenas triscando a lingua, ela paertava muito minha bunda, ela subiu pro pau e ficou dando voltas com a língua na cabeça, depois deu uma mordidinha, akeles dentes completamente branco mordendo a cabeça do meu pau, fiquei louco ameacei levantar, ela forçou pra eu continuar deitado, então ela realmente começou o bokete, nem parecia à mesma da punheta desajeitada do outro dia ela chupava com perfeição bem devagar (meu pau deveria ter na época uns 17cm, sei lá, atualmente tem 18x5.5), ela colocava o pau todo na boca devagarzinho me deixava loko fazendo isso, eu estava delirando, então depois de uns 2 minutos eu broxo, não estava acreditando eu sonhava coma akele momento, e qdo consegui fiz aquele papelão, já tinha metido muitas vezes, nunca tinha acontecido aquilo e até hoje nunca aconteceu exceto essa vez, ela paro um poco depois começou a subir me dando beijinhos até chegar na orelha: "seu brocha, não agüenta um bokete, viadinho" ela falou com uma voz de safada e com um sorriso sarcástico fico me fazendo carinho, qdo viu q eu estava me recuperando, ela me amarrou na mesa de ping-pong com a rede, e voltou a chupar, agora ela não falava mais nada apenas chupava e sorria sempre olhando pra mim, tava sentindo uma mistura de mto tesão com um poco de raiva e vergonha, então ela fez um movimento que o pouco da vergonha e da raiva viro muito tesão ela virou deixando a buceta na minha cara, mais ela ainda estava com short, eu estava ali num 69, com as mãos amarradas e com uma buceta dentro de um shortinhos jeans, ela judiava, ela gostava de v u cara completamente louco, e eu estava, tentava tirar com os dentes mais era jeans nem se mexia, ela não agüentou mais e tirou. "se vira com a calcinha". chupei ainda com a calcinha depois mordi e arranquei com os dentes, ela deu uns gritinhos pq com a calcinha veio alguns pentelhinhos, então ela subiu com a bunda acima da minha cabeça fiz um movimento com a cabeça e a calcinha ficou na minha nuca então ela subiu novamente, eu olhei pra bucetinha, e pude ver pela primeira vez, era pequena, com um clitinho levemente inchado, tinha pelinhos ralinhos, um pouco inchada, fazia um desenho fenomenal, akela raxinha pequena, o cuzinho era minúsculo, ligado por um par de pernas lisinhas doradinhas com alguns pelinhos, ela era realmente muito gostosa, senti um cheiro de sexo misturado com sabonete ali fiquei loko, cai de boca, não podia usar as mãos então apenas chupava locamente, enfiava a língua, nariz, buchecha me esfregava, dava umas sugadas, às vezes ela tirava a buceta da minha boca mais depois colocava de novo, ela parou de chupar e só gemia, aqueela voizinha produzindo aquele som de prazer me deixando ainda mais louco, chupava loucamente, ficamos mto tempo usando apenas a língua, então ela saiu de cima de mim, eu ficava fazendo gestos com a língua pedindo mais. então pegou uma camisinha no bolso do shorts foi colocando de leve no meu pau, bem devagar, meu coração estava a mil, eu nunca tinha visto meu pau tão grande e com a cabeça tão inchada, ele pulsava de tesão, então ela subiu em mim, ficou raspando a bucetinha dela no meu pau, estava louco e completamente dominado por ela, então ela começou a sentar no meu pau, era apertadinho, foi entrando mto lentamente quase parando, quando nos dois suspiramos sicronizadamente, até hoje, mesmo depois de muitas fodas nunca senti akilo, estava ali parado amarrado ela subia devagar e descia com tudo, nos gemia, ela dava umas reboladinha me fazendo ir a loucura, uns 5 minutos depois ela caiu do meu lado e ficou me beijando depois ela afroxou o nó e saiu dizendo. vc brocho intão não vai goza, e na próxima se compra a camisinha. meu pau ainda estava completamente duro e estava com muito tesão, eu me desamarrei e fui pra cama não consegui dormir, realmente nós não tinha gozado, eu tinha que meter nela direito, keria chupar direito akela buceta, e meter nakela bunda tesuda. passei a noite inteira acordado, sai de casa era umas 6:30 da matina, e um friozinho, akela brisa do mar ninguém na rua a praia deserta, sentei na areia bem perto da água fiquei olhando cada onda eu via a imagem dela, estava em todo lugar pra onde eu olhava eu via o rosto dela, não era mais desejo, tinha virado paixão eu amava ela, amava muito ela, eu adormeci ali mesmo na areia, então algumas garotas conhecidas me acordaram, eu estava ensopado o mar já tinha chegado onde eu estava e eu não tinha acordado, as garotas puxaram conversa e riam, tentei conversar um pouco mais não dava eu falei q estava mal e fui embora, então eu deitei lá na varanda da casa, i ainda sim qualquer paisagem que via c transformava nos olhos dela, adormeci d novo, e acordei com um bjo minha prima, então levantei, i fui direto pra piscina, fiquei la viajando, às vezes eu ouvia a voz da paula la na rua, mais eu estava com um pouco de vergonha, então eu ouvi a voz dela se aproximando mergulhei numa tentativa d se esconder quando levantei pra respirar, abri os olhos e vi ela na beira da piscina, normal, como se nada tivesse acontecido "ta tentando se esconder de mim? " "mais ou menos", eu disse "não faz isso, por favor", ela disse. eu puxei ela pela nuca e a beijei, como eu estava de costa dentro da piscina e ela sentada na borda nois ficamos de ponta cabeça, o nariz dela pegava na minha buchecha e passava pelo meu queixo, qdo acabei comecei a dar rizada, sai tomei um banho. procurei ela por todo lugar, as três tinha ido ao mercado, quando ela chegou ficamos la na rua nois já namorávamos, ali na calçada ficavamos se beijando. à noite, nos 4 saímos da role por ali nas redondeza então pegamos akela avenida q corta praia grande inteira, acho q é a kennedy sei lah, e andamos, andamos, achamu uma ferinha, ficamo lá nois ria mto. já era tarde então resolvemos voltar não agüentávamos mais andar, então paramos numa praça tinha muitas arvores e não tinha iluminação então era muito escuro, sentamos os quatro lá e conversamos até as duas taradas ver uns caras passando, eu falei vão atrás deles, quando elas viraram de costas paula subiu no meu colo, ela em cima de mim começou a passar a mão no meu rosto, fazer um carinho, aquilo foi melhor que um bjo, na hora eu viajei sentindo akela mãozinha em mim, "aproveita q eu vo embora amanhã", ela disse, então me beijou, ela ficou um bom tempo ali só me beijando, então eu não agüentei mais e virei trocando as posições e falei "hoje até nos dois gozar você não sai daki", agente não podia vascilar, apesar de ser mto tarde, ali era um lugar público, eu tirei a camiseta dela e chupei gostoso os peitos dela era médio com os bicos rosados empinadinhos, uma loucura, eu chupando, ela forçando minha cabeça de encontro aos peitos dela e se contorcia e gemia (ela é muito sensível a língua), então levantei a saia dela, quando eu vi ela tava com uma tanguinha minúscula, não tive dúvida, dei um tranquinho e rasguei, ajoelhei e fui de boca nakela buceta, agora sim eu chupava, chupava direito, enfiava os dedos chupava o clitóris, fui abaixando, por akelas pernas maravilhosa, até o pé 34, nossa q pé realmente eu não vi defeito naquela mulher, ela se contorcia passava mal d tanto gemer, tirei minha bermuda e cueca (até então eu estava com toda a roupa, até a camiseta), dei pra ela chupar, depois d chupar e camisinha colocada que eu trouxe, ela estava sentada no banco e eu em pé, coloquei as pernas dela pra cima e comecei a aproximar meu pau da buceta dela (tipofrango) era uma posição estranha, eu estava ficando na diagonal com as mãos no encosto do banco tipo fazendo flexão na diagonal, então fui bem devagar quando eu encostei meu pau na buceta dela, senti ela se arrepiar e ela deu uma tremidinha e um gemidinho, tava meio ruim de entrar devagar então eu soltei um pouco o peso do corpo e entrou, ela gemia mto agora não estava tão baixo, então comecei o vai-i-vem devagar e depois com um poco de agilidade, eu fechava os olhos e metia sentindo meu pau dentro dakela xota, que as vezes se contraia apertando meu pau, tava d+, ficamos um tempo e só parei pra mudar de posição ela ficou de joelhos no banco virado pra trás com akela bunda empinada coloquei de novo meu pau na buceta dela e meti agora ela mordia os lábios e rebolava, eu a puchava pela cintura e a bunda dela batia com tudo em mim, eu via aquele rabinho, então eu coloquei o dedinho, depois o indicador, e depois, o indicador e o médio juntos sem protesto, tirei da buceta, abaixei dei uma linguada da buceta até o cuzinho fiquei passando a língua no rabinho dela que não parava de piscar, então encostei o pau na bundinha, ela não falou nada, comecei a forçar, fui forçando apenas com o lubrificante da camisinha, até q ela gritou chegaaaaaaaaaa, dei uma desecostada, e meti forte no cu dela entrou um teco da cabeça, aí fui devagar até entrar tudo, ela chorava eu tava loco de tesão mas deu uma paradai com o pau todo dentro dela, fiquei imóvel uns minutos, ela falou: "nosssa! vc arrebentou minhas prega, meu cu era virgem e vc vem com tudo com essa tora, e depois para, continua agora seu depravado!!!!", ouvindo isso comecei devagar a bombar, então de novo ela se manifesto "vai logo, me arrebenta!", aí não perdoei meti com vontade eu tirava quase tudo e metia com força, ela falava coisas nada a vê, tava delirando e gemendo, já tava tudo lambuzado de sangue, então eu falei "eu acho q vo goza, ela pediu para não parar, então dei umas estocadas fortes ela berro e gozo, gozo muito nunca vi nenhuma mulher gozar daquele jeito, deu pra fazer uma concha com a mão e pegar beber um pouco e dar pra ela um pouco pra sentir seu proprio gosto, então eu tirei meu pau do cu tirei a camisinha q tava lotada de porra dentro e sangue fora, gozei nas costas dela (eu tenho um bom controle para gozar, na verdade ébem dificil pra eu gozar devo ter algum problema porque em algumas relações nem chego a gozar, mais tb qdo começo num para tão cedo), ela se viro e aproveito o resto da porra que saiu, ela não parou de chupar e meu pau mal chego a amolece, ela disse que tinha outra camisinha ali e queria voltar sem nenhuma camisinha, encapo de novo me pois sentado no banco e subiu em mim de costas, era incrível aquele momento, tava segurando akela bundinha e um dedo no rabo agora sem cabaço e completamente largo, vi ela subindo e descendo, ela ficou de ladinho no banco e continuamos a meter, tirava ate a metade e colocava de novo, com movimentos rápidos e constantes, segurava seus peitos, massegeava seu clit e ainda chupava sua nuca pescoço e orelha, gozamos de novo, ela no meu pau e eu na sua bunda, nos limpamos com as folhas das arvores e com a língua e ficamos ali no banco trocando caricia (já vestidos), ela me disse que tinha metido duas vezes uma com o tio e a outra com um namorado e nunca havia gozado, ela estava encantada e não conseguia parar de rir, enquanto estávamos sentados saiu coisas como "aquela calcinha era a minha favorita, ou vc disse que não queria voltar pra casa com camisinhas eu comprei uma caixa com três". eu estava surpreso pq ela chupava muito bem e sabia dominar e deixar ser dominada, eu estava me sentindo muito bem por saber q tinha proporcionado um grande prazer pra ela. as outras garotas apareceram de repente e então fomos embora era exatamente 3:30 da manhã. dormi acordei 5:00 da tarde, fui correndo pra ver se paula já tinha ido embora o carro ainda estava lá, tomei um café, e como de costume fomos os 4 pra sorveteria, paula e eu sentamos em uma mesa separada, e conversamos, uma conversa q numa época eu já tinha me esquecido dos detalhes, mais ela mandou um mail pra mim com todas as palavras, não vou entrar em detalhes porque é uma coisa mto intima. a conversa terminou quando eu disse: "sabe? você aqui todos esses anos e, eu não vi, agora vejo que eu estou sentindo por voce o que eu não sinto por ninguém e dificilmente sentirei por alguém, esses anos juntos e ao mesmo tempo separados, sem desculpas para conversar com voce, eu t vi como objeto de prazer e agora posso ver q o que eu sinto por você é mto além do q prazer é amor, e esse amor esta no meu coração na minha cabeça". isso tudo saiu espontaneamente rimando e tudo, foi incrível. conversamos muito e começamos a chorar abraçados discretamente, mas chamando a atenção de grande parte da sorveteria q estava lotada. na despedida, ela disse "você falou akilo, mais vc é galinha amanhã já esqueceu de mim com outra. eu disse bem baxo "saiba que nunca vou te esquecer, nem que seja pra lembra que akela menina me chamou de viado um dia, q vc foi a primeira mulher q me fez broxar, aquela que foi a primeira que eu amei. você já faz parte da minha vida". ela disse que eu era realmente especial me beijou entrou no carro e foi embora. eu fui pra lá algumas vezes ainda, mais foi poucas, essas vezes q eu fui ela sempre estava lá e nós sempre ficávamos juntos. agora eu nem sei mais o q é praia, mais eu sempre converso com a paula por tel, icq e pelo mail e, agora muito raramente nós nos encontramos para matar as saudades, já que nos dois moramos em são paulo só q em cidades diferentes, ela ta uma deusa já saiu em algumas revistas. apesar de saírmos as vezes, amo ela mais como amiga do q como qualquer outra coisa, eu considero ela demais, ela é uma amiga e tanto, já me deu vários conselhos, e todos sensatos, a favor da minha felicidade. desculpe, eu descrevi nossas relações mais foram poucas, devido a proporção do conto em si, e o q era pra ser um conto erótico virou um conto sentimental por isso não deve ter dado muito tesão devido à extensão mais espero q vc encare isso como uma lição: nunca desista de uma pessoa, e se alguém gostar de vc não desfaça dela, ela pode realmente amar vc. eu comecei no sexo mto pequeno mais nem se compara com essa época da praia, foi maravilhosa, e estou abrindo o cadeado da minha cabeça pra compartilhar com vcs, como foi gloriosa essa época da minha vida e que eu sei q deus me ajudou a realizar todas as coisas que eu fiz, não é todo mundo q consegue uma mulher dakelas uma vez na vida, e eu tive ela com apenas 16 anos e tenho até hj, alem da minha vida ser perfeita eu tenho 19 anos e já tenho meu carro, um bom emprego, curso uma boa faculdade, sou apaixonado pela minha namorada e tenho sexo quando quero, não me falta nada. por isso acho q sou privilegiado. um grande beijo pra vcs leitoras, me comuniquem não só pra trocar relatos sexuais mto menos pra algum compromisso, apenas conversarmos e ficarmos amigos. mto obrigado pelo seu tempo perdido lendo essa coisa gigante, mais espero que tenha acreditado, é isso aí bejaun pra vcs, meu apelido e real, porem o nome das pessoas envolvidas não! mandem email em lezinhoindehot@hotmail.com aguardo suas mensagens ps: mais uma vez, desculpe por todos esses caracteres inúteis pra alguns de vcs, mais espero q vocês leiam isso não como um conto erótico mais sim como uma lição nunca desista de uma pessoa por mais q ela não t de bola, ou pior ainda t d um fora, pq melhor q uma transinha uma vez na vida é uma grande amizade pra toda a vida, que pode, um dia, resultar em amor não sexo.



publicado por relatossecretos às 17:37
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim
.Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
16
17

18
19
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Eu, Marcelo e meu corninh...

. Inquilina pagando aluguel...

. Minha mulher para o vizin...

. Estuprada pelo padastro

. Realidade virtual

. Sexo no estudio de tatuag...

. Eu e minha mulher satisfe...

. Transei com um casal...re...

. Violado por 2

. Meus alunos são um tesão-...

.arquivos

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

.tags

. todas as tags

.links
.pesquisar
 
blogs SAPO
.subscrever feeds