Quarta-feira, 21 de Abril de 2010
Eu, Marcelo e meu corninho na casa de swing!!!

Hoje contar nossa experiência em uma casa de swing na cidade de São Paulo, ainda não conhecíamos essa casa, quando entramos era um ambiente agradável, já estava cheio de pessoas, então paramos no bar pedimos algo para beber e ficamos ali conversando, logo começou um show de striper masculino, era um zorro e que zorro,moreno, cabelos lisos compridos, pele morena queimada de sol, uma delicia, ficamos ali assistindo seu show, eu confesso que estava muito excitada, já havíamos falado várias vezes em conhecer uma dessas casas em SP, mas nunca dava certo e finalmente havia chegado o dia, e isso me fez ficar mais excitada ainda, não sabia o que nos esperava, se algo de diferente ia acontecer e isso me deixava cada vez mais excitada e meu corninho também, resolvemos então dar uma volta para conhecer melhor o local, andamos pelos corredores, mas ainda era cedo e estava tudo meio parado,rs, quando estávamos voltando pelo corredor, vi um homem alto, uns 1,90, loiro, pele clara, bariga tamquinho, bunda perfeita, parado em uma das partes da casa olhando, meu corninho me cutucou e me mostrou ele, nos olhamos e ele me falou:

Passa a mão nele, vê se ele reage.

Então nós passamos por ele, e eu toquei na sua bunda, passei a mão pelo seu braço, mas ele só olhou e nos deixou ir. Fiquei um pouco decepcionada, pensei poxa será que é viado, meu corninho ainda me olhou e disse, porque será que todo bombado é viado, rimos e demos mais uma volta, quando estávamos saindo olha lá o moço novamente no mesmo local, meu corninho disse:

Vai, tenta mais uma vez.

Então dessa vez, passei e lhe dei uma boa esbarrada, me segurei nele, alisando seu corpo, quando tentei me soltar, ele me segurou pelo braço, pensei comigo, é agora, agarrou a isca, então ele me puxou para dentro da sala e me encostou na parede, meu corninho entrou e se sentou no sofá para nos deixar a vontade e poder ficar nos olhando, ele era enorme, eu sou pequena, 1,60, sumia em volta dos seus braços fortes e musculosos, aquilo me deixava mais excitada ainda, ele se abaixou e me beijou, seu beijo era uma delicia, sem pensar em mais nada me entreguei há aquele homem, eu desceu a alça do meu vestido e começou a chupar meus seios, a toca-los e me beijava cada vez mais, então ele me sentou na beirada do sofá e abriu sua calça e colocou seu pau para fora, nossa que delicia de pau, enorme, grosso, mais de 20 cm com certeza, bateu no meu rosto e eu peguei naquele pau, passei a lingua por toda a extensão, lambi a cabeça, e fui engolindo cada centimetro daquele pauzão delicioso, nisso entrou outro casal na sala e já ficaram ali perto de nós nos observando, meu corninho se levantou e se aproximou mais de nós, me deixou chupar aquele pauzão por mais alguns segundos e disse ao rapaz:

Vamos para uma cabine?

Na mesma hora ele respondeu que sim, só puxei o meu vestido para cima, ele pegou na minha mão e me puxou pra fora da sala, peguei na mão do meu corninho também e saimos os três dali rumo ao paraíso, logo localizamos uma cabine e entramos, ele já foi tirando toda a sua roupa, ficou totalmente nu na nossa frente, assim pude ver seu corpo perfeito e fiquei com mais tesão ainda, ele me puxou para junto dele e foi tirando meu vestindo, que caiu em um segundo, me beijava, chupava meus seios, enquanto isso meu corninho aproveitou e tirou minha calçinha e começou a chupar minha bucetinha, que já estava molhadíssima de tanto tesão e eu ali entregue, louca de tesão, ele não parava de me beijar um só minuto, meu corninho também já estava com seu pau para fora se punhetando enquanto chupava minha buceta.

Então eu me sentei e aquele pauzão delicioso ficou ali na altura da minha boca, nossa engoli ele inteirinho, chupava, chupava, lambia, passava a lingua na cabeça e engolia, chupava, chupava e ouvia ele dizer:

Isso gostosa chupa, chupa meu pau, chupa, que boca gostosa, olhava para meu corninho e dizia, que boca deliciosa que ela tem, nossa como chupa gostoso e gemia ahhaah humm, chupa, chupa gostosa, chupa, chupa, ahaha.

E eu olhava para o meu corninho e chupava cada vez mais, estava adorando aquele pirulitão na minha boca, chupava, chupava mesmo e ouvir ele dizendo para o meu corninho que a minha boca era uma delicia, que ele estava adorando ser chupado, que eu chupava muito bem me deixava ainda mais excitada, parei um pouco de chupar, meu corninho se abaixou e me deu um beijo e eu pedi:

Chupa o pauzão dele, chupa.

Meu corninho chupou gostoso e depois me beijou novamente e eu voltei a chupar aquele pauzão delicioso, e ele se abaixou gemendo e meteu a mão na minha bucetinha que estava ensopada de tanto tesão e disse olhando para meu corninho:

Olha que delicia de buceta, ta molhadinha.

Meu corninho respondeu:

É uma delicia mesmo.

E ele me puxou para ele e me beijou e disse:

Fica de quatro para mim.

Então me virei subi em cima do sofá, apoiei as mãos na minha frente e arrebitei a bunda para ele, que meteu sem dó na minha buceta, nossa senti aquele pauzão entrando e arregaçando minha bucetinha, que é pequena e apertadinha, parecia um ferro entrando, só ouvi ele me dizer:

Calma, relaxa, relaxa.

E eu fui me acalmando, relaxando e sentindo aquele pauzão entrar, minha buceta melada engolindo todo aquele pauzão delicioso, mas mesmo assim eu ainda sentia um pouco de dor, seu pau era muito grande e grosso e me incomodava, e olha que ele nem conseguiu colocar todo seu pau dentro dela, mas o tesão era delicioso, gemi naquela hora gostoso e ele começou a meter gostoso, socava na minha bucetinha, metia, metia e eu gemia, gemia e pedia mais, mete, mete mais, ahah humm, delicia, isso mete, mete e ele metia sem dó, então ouvi ele dizer para o meu corninho:

Vai na frente dela, entra embaixo e chupa a buceta dela.

Nossa nessa hora meu tesão aumentou, eu adoro ouvir outro homem pedindo as coisas para o meu corninho fazer, enquanto ele me fode, e meu corninho é claro que obedeceu, deitou-se na minha frente e começou a chupar minha bucetinha, nossa que delicia, um pauzão me fodendo e meu corninho me chupando, era tudo o que eu queria, que sensação deliciosa, que tesão, e ele metia cada vez mais e eu pedia:

Isso mete, mete mais, me chupa corninho, chupa, que delicia, ahah hummm, chupa, mete, mete, me fode gostoso, ahahha humm.

E ele metia, metia, meu corninho então se levantou me beijou e ele então se sentou no sofá e me pediu para sentar em cima dele, fiquei de frente para ele e fui metendo minha bucetinha pequena naquele pauzão, meu corninho em cima de nós só olhando, vendo a bucetinha da putinha dele sendo aberta enquanto aquele pauzão ia entrando gostoso, ele me pegou forte pela nuca e começou a me beijar e meter sem dó na minha buceta, eu gemia, ahahhahaha hummmmmm, ahahahahahahhahhaahhahahaahahhhhh delicia, mete, mete mais, meu corninho atrás de mim no meu ouvido, tá gostando putinha, tá, era um pauzão que você queria, então geme, geme sua putinha safada, mata seu corninho de tesão, safada, cachorra, e eu gemia, ahahahah humm delicia.

Então ele me pediu para me virar e ficar de costas para ele, ele continuou sentando e eu me sentei novamente me cima do seu pauzão, minha buceta já estava toda ardida de levar pau, mas eu queria mais, mais, ele voltou a meter, metia, metia, segurando meus seios, e eu sumia no meio das suas pernas grossas e firmes, então ele levantou minhas pernas para cima e me fez deitar em cima dele, deixando minha bucetinha bem exposta, e olhou para meu corninho e pediu:

Chupa a buceta da sua putinha enquanto eu fodo ela.

Nossa eu delirava, levando pauzão na bucetinha e ainda sendo chupada pelo meu corninho, meu corninho começou a chupar minha buceta, eu gemia gostoso, ele metia cada vez mais seu pauzão na minha bucetinha e meu corninho chupava, chupava, eu virei o rosto e ele começou a me beijar, meu corninho chupava, chupava, ele metia, metia, meu tesão foi crescendo então gritei que ia gozar e gozei na boca do meu corninho, que logo depois me beijou.

Ele me pediu para ficar de frente para ele de novo, me beijou forte queria sentir o gosto da minha bucetinha na sua boca e voltou a meter seu pauzão na minha bucetinha, eu delirava de tanto tesão, mas queria mais e parecia que ele tinha lido meus pensamentos, ele escorregou um pouco para baixo e me colocou mais para cima deixando minha bunda bem arrebitada e metendo o dedo no meu cuzinho, falou para meu corninho:

Mete no cuzinho dela, mete.

Nossa eu delirei de tesão queria muito ter o pauzão fodendo minha buceta e meu corninho comendo meu cuzinho, nessa hora beijei ele e continuei metendo gostoso naquele pauzão, meu corninho se posicionou atrás de mim e pude sentir seu pau entrando no meu cuzinho, gemi e pedi:

Mete corninho, mete, come o cuzinho da sua putinha, come.

E ele foi metendo gostoso, senti seu pau entrando, e quando vi já estávamos ali em uma gostosa DP, que delicia, dois paus me fodendo gostoso, meu tesão aumentava cada vez mais e eu só pedia:

Isso mete, mete mais, assim, que delicia, isso assim mete, mete mais, ahahah hummm, delicia, mete, que gostoso, ahaha hummm, mete, mete mais, ahahhha hummmm.

E eles metiam cada vez mais, metiam, metiam, meu corninho tirou seu pau do meu cuzinho subiu no sofá encheu a minha boca de porra que engoli tudinho, e logo lhe de um beijo bem gostoso, enquanto continuava tendo a bucetinha comida, ele meteu mais um pouco, então se levantou, tirou a camisinha e disse chupa e engole toda minha porra.

E então eu obedeci, chupando seu pauzão delicioso e fazendo ele gozar gostoso na minha boca, eu engoli muita porra quente, depois lhe dei um beijo gostoso e beijei meu corninho, no final nos apresentamos, seu nome Marcelo e ainda descobri que ele dança em outra casa de swing na qual ele nos convidou para conhecermos no mesmo dia, pagamos nossa conta e fomos conhecer a tal casa, quando chegamos lá ele ainda resolveu trabalhar e para meu delirio apareceu dançando só de sunga branca em cima do palco, quando me viu me chamou para dançar com ele e disse no meu ouvido que eu tinha acabado com ele, o que foi muito bom de se ouvir e enquanto toda aquela mulherada gritava lá embaixo eu pensava, vocês podem gritar, mas essa noite quem se aproveitou dele e muito bem por sinal, fui eu....srsrsr

E depois nos despedimos e fomos embora e eu e meu corninho tivemos uma noite de amor maravilhosa. Espero que tenham gostado e comentem, e me escrevam.

Meu email: gata_gostosa32@hotmail.com

 



publicado por relatossecretos às 16:41
link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito

Terça-feira, 20 de Abril de 2010
Inquilina pagando aluguel3- dona de casa - esposa

para fechar a trilogia... aconselho quem acessou este conto (que é o melhor de todos até agora...) que leia na ordem (partes 1, 2 e por fim este), para não perdeu nem uma gota da excitação e do tesão que a trilogia tras.... uma nova trilogia continuará esta série e já está no forno. escrevam-me e me adicionem no msn que eu respondo 'a todos e envio fragmentos exclusivos das continuações para vc´s... smart_executive@hotmail.com vamos ao conto... já estava anoitecendo quando meu marido chegou, tentei tratá-lo normalmente para que não desconfiasse que eu tinha sido uma puta para o nosso senhorio naquela tarde, ele me beijou como sempre faz e quando me viu com um dos meus shorts curto e agarrado de cor azul, passou a mão pela minha buceta me causando arrepio, parecia querer constatar que tudo estava bem com meu sexo apesar de nada saber sobre sr. joão e eu, e em seguida ele me disse: -quero foder a buceta gostosa de minha esposinha hoje. eu sorri excitada e respondi: -não vejo a hora meu amor. então conversamos um pouco e ele foi tomar banho enquanto eu terminava o preparo do jantar, depois enquanto jantávamos, ele me contou como foi seu dia e eu contei como tinha sido o meu exceto à parte em que eu gozei no pau do nosso vizinho dos fundos. depois do jantar nos sentamos na varanda atrás da casa como sempre fazíamos e ficamos conversando e tomando o café, e como sempre acontecia o sr. joão veio ate ali e ficamos conversando com ele, não sabia como me comportar na frente dele, mas tentei ser mais natural possível, de vez em quando aproveitando a distração do meu marido aquele velho safado corria os olhos pelas minhas coxas e nos meus seios sem sutiã debaixo da blusinha que eu usava, fazendo os bicos dos meus seios ficarem inchados de tesão mostrando-se pontiagudos na blusa, em certo momento meu marido foi ate o banheiro e o sr. joão numa atitude descarada, agarrou meus seios e apertou meus mamilos duros que ficaram mais inchados ainda de tesão, depois enfiou a mão entre minhas coxas e massageou meu sexo me deixando com tesão na mesma hora, eu contrariada o empurrei para longe de mim antes que meu marido voltasse, e ele num gesto vulgar pegou no cacete duro por cima da calça e me mostrou como estava grande por minha causa, aquilo fez minha buceta encharcar no mesmo instante. quando meu marido voltou do banheiro eu fechei as pernas para que ele não percebesse minha excitação, caso meu sexo molhasse o tecido do short como antes, continuamos a conversar e o sr. joão sem nunca ter me consultado antes foi dizendo ao meu marido: -ronaldo, tenho visto que você trabalha muito e sei que sua esposa esta sem emprego, e sei também da formação superior que ela tem, mas apesar dessa formação vejo que ela cuida muito bem da casa e queria propor uma coisa a vocês, eu tinha uma senhora que fazia a arrumação em minha casa e preparava o almoço mas ela adoeceu e creio que não volta mais, então pensei se você não concordaria que sua esposa fizesse esses trabalhos para mim e assim eu poderia ajudar vocês descontando o valor do trabalho dela no valor do aluguel, ou pagaria em dinheiro a ela para que use como quiser. meu marido ronaldo mesmo surpreso com a proposta, agradeceu a consideração e disse: -bem sr. joão, por mim tudo bem, acho mesmo que isso ajudaria no orçamento, mas quem decide é a marta. e dizendo isso meu marido olhou pra mim esperando uma resposta. fiquei com pena do meu marido nessa hora, mal sabia ele que as intenções daquele velho tarado eram outras e bem mais sórdidas, mas querendo ajudar meu marido nos custos da casa e sabendo que o que aquele coroa safado queria, aconteceria de qualquer maneira mesmo, eu concordei dizendo: -se eu puder ter tempo de arrumar a minha casa depois, acho que não tem problema. então o sr. joão para reforçar sua estratégia me tranqüilizou dizendo: -claro que você vai ter tempo de arrumar sua casa filha, na minha casa o trabalho é pouco. e em seguida continuou falando e mentiu descaradamente para o meu marido ouvir deixando claro somente pra mim qual era sua verdadeira intenção: -e alem do mais fico fora de casa quase todas as manhas e assim sua esposa poderá trabalhar sossegada. aquilo que ele disse era uma grande mentira, ele quase nunca saía de casa durante a manha, disse aquilo apenas para tirar qualquer duvida que meu marido pudesse ter em relação as suas intenções, dizendo que não estava em casa de manhã deixaria meu marido mais tranqüilo sabendo que eu não ficaria sozinha com aquele homem dentro de sua casa. mas se eu conheço bem meu marido ele nunca desconfiaria de sua esposa ou mesmo do sr. joão que tinha idade pra ser meu pai, então depois de acertarmos tudo, inclusive a quantia que eu ganharia com meus serviços, entramos em nossa casa despedindo-se do sr. joão. enquanto eu escovava os dentes no banheiro, percebi que na realidade aceitando aquele serviço, eu estaria me prestando ao papel de prostituta, porque alem dele me pagar pela arrumação em sua casa também estaria pagando pelo meu serviço sexual, que certamente eu prestaria a ele já que eu estava hipnotizada pelo pau daquele homem, a sensação de estar sendo usada por ele e estar ajudando-o a enganar meu marido, deveria me deixar envergonhada, mas ao invés disso fiquei excitadíssima e com minha buceta pegando fogo, então tirei minha roupa e fui para o quarto e abocanhei a rola de meu marido sem ele esperar, mamei gulosamente aquele pau ate deixa-lo duro como ferro, depois enterrei aquela vara na minha buceta e comecei a cavalgar como uma puta no cacete do meu amado. ronaldo estranhou minha tara e me perguntou porque meu sexo estava tão molhado, então eu respondi que era por causa do que ele tinha me dito quando chegou dizendo que queria "foder sua esposinha hoje", então meu marido começou a me foder com força do jeito que eu gosto sem saber que na verdade, eu estava cavalgando sua rola e imaginando o que iria acontecer comigo nos próximos dias enquanto ele estava no trabalho. na manha seguinte acordei e preparei o café para o meu marido, e depois que ele saiu eu fui tomar um banho e me preparar para o meu primeiro dia de serviço na casa do sr. joão que ficava nos fundos da minha própria casa. já estava muito ansiosa e excitada quando comecei a me vestir, então coloquei a menor e mais sensual calcinha que eu tinha na gaveta, era uma peça muito pequena toda rendada e extremamente cavada, vesti um outro short de algodão (tenho vários) de cor bege muito agarrado e curto como todos que tenho, uma blusinha de alcinhas que cobriam meus seios sem sutiã, e que no comprimento ficava acima do umbigo em vários centímetros. senti-me vulgar e atraente, e vestida assim fui ate os fundos onde ficava a casa do sr. joão que já estava acordado também, ele me convidou a entrar e elogiou minhas roupas dizendo: -nossa filha, você esta muito bonita, é bom para um velho como eu acordar com uma visão dessas. eu ri do seu comentário e disfarçando minha excitação perguntei por onde ele queria que eu começasse, então ele me disse para começar lavando a louça enquanto ele preparava um café fresquinho para nos dois. o sr. joão passava o café sentado junto à mesa enquanto seus olhos passeavam na minha bunda grande, eu junto a pia lavava louças e sentia seu olhar no meu traseiro, então de vez em quando eu puxava o short para cima fazendo com ele enterrasse mais em minha bunda e revelando os detalhes sensuais da minha minúscula calcinha. terminei de lavar a pouca louça que havia, e então tomamos o café junto da mesa conversando banalidades, apesar do tesão que dominava nos dois, depois comecei a arrumação da casa e o sr. joão me seguia o tempo todo conversando comigo e admirando meu rebolado exagerado, cada vez que eu me abaixava para varrer debaixo de um móvel, ele ficava calado e massageava o pau duro dentro da calça. em uma das vezes em que passei ao seu lado, ele pegou minha mão e colocou sobre seu cacete duro por cima do tecido, então eu com uma expressão bem sedutora disse: -sr. joão, o senhor me contratou para arrumar a casa ou para pegar no seu pau? e ele com a cara mais cínica do mundo respondeu: -as duas coisas filha, um velho como eu precisa de uma pessoa como você para arrumar a casa e fazer eu me sentir mais novo e vivo. ainda segurando no cacete dele e já massageando a cabeça inchada eu disse: -mais porque eu vou conseguir fazer o senhor se sentir mais novo sr. joão? e ele adorando aquela brincadeira de palavras girou meu corpo e me encoxou esfregando seu pau duro na minha bunda continuou: -É que você filha, tem a pele cheirosa e macia e só de sentir a carne do seu sexo jovem gozando no meu, eu já me sinto 20 anos mais novo. sua mão começou a massagear minha buceta por cima do tecido molhado do short, e aquele pauzão duro apertando na minha bunda me fazia enlouquecer de tesão, mas tentando dificultar para aquela brincadeira ficar mais gostosa eu dizia: -mais eu sou uma mulher casada sr. joão, o senhor não pode ficar me agarrando assim. eu disse essas palavras junto com os pequenos gemidos que eu não conseguia segurar mais, e ele percebendo meu joguinho argumentou: -eu sei que você é casada filha, mas ontem você experimentou e sabe que eu não tiro nenhum pedaço de você, alem do mais qualquer um que olhar para a sua beleza e seu corpo saberá que você não é mulher para um só homem, então estou fazendo isso para te deixar mais feliz e assim ajudando seu marido a saciar você, e pelo que percebo você quer e merece ter vários orgasmos tanto à noite como de dia, como seu marido trabalha, eu estou aqui pra faze-la gozar durante o dia e ele faz isso com você à noite, mas se você não quiser filha, eu deixo você em paz pra você trepar só com seu marido, o que você acha? aquele velho safado sabia que eu tinha um vulcão entre as pernas e estava se aproveitando disso, por isso tinha dito toda aquela conversa mole e ainda ameaçando me deixar longe daquele pauzão grosso que me enlouquecia, eu sabendo que não conseguiria mais ficar sem sentar na vara grossa daquele velho tarado mesmo sabendo que estava sendo infiel ao meu marido, empurrei minha bunda contra o cacete daquele safado e disse: -sr joão o sr é mesmo um velho safado, esta dizendo estas coisas só pra poder transar comigo todos os dias, mas já que começou agora vai ter que terminar, eu não vou conseguir trabalhar cheia de tesão como o sr me deixou. ouvindo isso meu senhorio percebeu que eu estava concordando em ser sua amante na ausência de meu marido e sabia que dali em diante eu seria a sua putinha todos os dias, então ele me agarrou com mais força e me encoxou gostosamente fazendo minha buceta molhar a calcinha com meu tesão. depois agindo como se fosse meu dono, sentou-se no sofá e sem cerimônia abriu a calça e tirou de lá aquele cacete grosso e muito duro me deixando arrepiada, depois olhou pra mim e disse: -vem filha, vem chupar ele um pouco, depois você limpa a casa. ouvindo aquilo eu me senti uma verdadeira prostituta, estava preste a executar uma tarefa que agora fazia parte do meu trabalho e ainda estava recebendo dinheiro por isso, mas como minha buceta estava em chamas e eu mesma tinha concordado com aquele trabalho na frente do meu marido, não me fiz de rogada e me ajoelhei entre as pernas daquele homem que agora também era meu patrão e engoli aquela vara dura mamando gulosamente. chupei lambi e degustei a rola do meu novo patrão por muito tempo, arrancando gemidos e elogios dele, de quatro ali no chão e com aquela pica grossa na boca, eu rebolava minha bunda grande fazendo o pequeno short entrar nela enlouquecendo mais ainda meu senhorio. ele já estava preste a encher minha garganta de porra quando me mandou levantar, eu obedeci e então ele arrancou meu short com violência me deixando só de calcinha, aquele velho safado parava de me chamar de filha quando estava com tesão e me chamava apenas de nomes obscenos, e foi com essas palavras que ele disse: -agora vem aqui minha puta que eu quero foder bem gostoso essa sua buceta carnuda. eu como uma putinha eu obedecia e fazia tudo o que ele queria apenas pra poder sentir aquela vara dentro de mim, então ele afastou minha tanga descobrindo minha buceta e me fez sentar em seu colo de frente para ele, quase tive meu primeiro gozo quando aquele pica grossa afundou dentro da minha buceta encharcada, me agarrei nele e gemi como uma cadela no cio começando a rebolar naquela vara. fiquei enlouquecida pulando naquela rola deliciosa como uma vadia, ele ergueu minha blusa e agarrava meus seios com força e chupava como louco enquanto eu pedia para ele não deixar marcas nos meus seios para que meu marido não soubesse que tipo de serviço eu fazia para ele. enquanto eu rebolava em cima dele minha buceta engolia todo o cacete do sr joão e deixava seu saco todo molhado com o tesão que escorria de dentro de mim, ele batia na minha bunda me xingando de vagabunda e gostosa o tempo todo, eu pulava na sua vara como uma puta e logo dei sinais de que iria gozar, o sr joão percebendo isso molhou o dedo médio na minha buceta encharcada e enfiou ele todo no meu cu ainda virgem, me causando dor e muito tesão ao mesmo tempo, descontrolada de tesão e rebolando como uma cadela na sua pica, comecei a molhar aquela vara dura e grossa com meu gozo farto e quente e mordendo os lábios para não gritar como uma vadia, derramei vários orgasmos melando todo o pau grosso do meu patrão fazendo por merecer o salário que eu ganharia para ser puta daquele homem. cai sobre meu velho safado com o corpo estremecendo de prazer, sentia ainda sua rola dura dentro de mim e seu dedo todo enterrado no meu rabo, e foi aquele dedo alem da vara grossa que me fizera gozar tantas vezes, era a primeira vez que eu sentia meu cu ser penetrado e tinha adorado aquela sensação, meu marido nunca insinuara nenhum desejo em me enrabar, mas agora com aquele dedo dentro do meu rabo eu sabia que em breve eu estaria agüentando o cacetão do meu senhorio na minha bunda grande, e estaria provando daquela forma de prazer que me matava de curiosidade. quando me recuperei dos vários gozos que tive me dei conta que eu tinha sentado naquela rola deliciosa sem ele estar usando camisinha, então antes que aquele velho safado enchesse minha buceta com sua porra grossa me levantei, pois eu não queria fazer meu marido criar um filho da minha traição, então para não revelar meus pensamentos eu disse ao meu patrão depravado que queria sentir seu gozo no meu rosto, a maneira que eu disse isso deixou ele muito tarado e então me puxou com força e enfiou sua rola na minha boca, segurando meus cabelos ele fodeu minha garganta com violência me fazendo engasgar com sua pica, em poucos minutos senti ele esporrar e inundar minha boca com seu gozo, tirei o cacete da boca para não me afogar com tanta porra e recebi ainda vários jatos no meu rosto que deixaram minha cara de puta toda melada e cheirando a sexo. fiquei ali ainda entre suas pernas mamando seu cacete inchado por muito tempo, ate que estivesse completamente flácido, depois de saciados o sr joão ainda me disse: -bem minha delicia, agora alem de esposa do ronaldo, você é oficialmente também a puta do sr joão, por isso quero que limpe a casa assim como esta vestida, somente de calcinha e não tome banho também, pois quero sentir o cheiro de sexo em você o tempo todo pra me lembrar que você é minha vadiazinha deliciosa. achei um pouco humilhante aquela situação mas as fantasias daquele velho safado me excitavam também e eu resolvi obedecer, fiquei somente usando minha pequena calcinha e a curta blusinha enquanto terminava a limpeza da casa com o sr joão me bolinando e enfiando os dedos na minha buceta o tempo todo. depois que terminei a arrumação da casa e fiz o almoço ainda fui obrigada por ele a ficar sentada em seu colo, com sua rola dura novamente entre minhas coxas enquanto ele almoçava, depois como despedida daquele dia ele me mandou ainda mamar mais uma vez sua pica dura, o que fiz prazerosamente de quatro no chão da cozinha, e recebi novamente uma grande gozada na boca e no rosto, e só então pude ir para minha casa de calcinha carregando meu short na mão e com a cara toda melada de porra do meu patrão e senhorio. e esse foi o meu primeiro dia de puta domestica naquele emprego que me fez a esposa e a puta mais saciada e feliz do mundo, mas muitas coisas ainda estavam para acontecer, coisas que eu nunca imaginei que poderiam acontecer comigo. não deixem de votar, seu voto nos estimula a continuar escrevendo !!! mulheres normais, com vidas normais, casadas, carentes, sozinhas, nao deixem de me adicionar... entendo seu universo e quero muito conhece-la. smart_executive@hotmail.com o autor

Fonte: Contos eroticos



publicado por relatossecretos às 16:17
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

Quinta-feira, 15 de Abril de 2010
Minha mulher para o vizinho e eu também

meu nome é pedro e sou casado com claudia, tenho 30 anos e ela 28. ela tem 1,65m, 52kg, cabelos castanhos claros e olhos bem escuros, seios grandes e coxas grossas, mas uma bunda bem pequena, uma maçazinha bem pequena. mas mesmo sem uma bunda como a maioria das mulheres, ela me impressiona pelos seios. este relato é sobre quando nossa vida sexual começou a mudar, precisávamos de um tempero em nossas em nossas vidas e começamos a fantasiar bastante. falávamos bastante sobre ter outras pessoas em nossas transas, no começo um casal, mas depois somente um homem. não percebi o rumo que a brincadeira estava levando até o momento em que ela quis fazer sexo no quintal de casa, para que alguma outra pessoa (de preferencia homem) nos visse. e nessas vezes em que fazíamos sexo em nossa quintal, ao ar livre, foi que ela começou a massagear o meu ânus durante o ato. no começo foi meio estranho, mas quando menos percebi ela já estava com os dedos todos enfiados em mim enquanto transávamos. em uma dessas ocasiões, tarde da noite, gostando cada vez mais de seus carinhos, pedi que ela tirasse o vibrador que usava no ânus para simular outro homem e colocasse em mim. nunca foi tão bom. depois que gozar muito e ter de recompor minhas energias deitado na grama ela disse "puxa, vou ter que comprar outro vibrador, parece que esse já tem dono" "e tem mesmo" falei suspirando. enquanto claudia ia entrando para tomar um banho e eu estava tirando o vibrador de mim, vi pelo vulto, que alguém na casa do vivinho (o muro é baixo) estava nos espionando, estranhamente senti um tesão imenso. no o dia seguinte, enquanto minha mulher fazia o almoço (vestindo apenas uma mini-saia jeans e uma blusinha branca bem decotada), vi pela janela que nosso vizinho ´roberto` tinha acabado de sair do banho (estava com o cabelo molhado e apenas com uma toalha enrolada pelo corpo) e estava pendurando roupas no varal, fui ao quintal para dar alguma indireta para ver o que sabia sobre o espetáculo que ele havia visto noite passada. fui até o muro e o cumprimentei, ele é moreno, um pouco mais novo e mais sarado. estávamos conversando sobre assuntos desconexos quando caísmo no de praxe e falamos sobre muleres; quando minha mulher foi chamar para almoçar ele comentou "e você não fica pra trás com um avião desses", não resisti e lancei: "eu sei, é pior que ela me deixa louco não usando sutiã com peitões daqueles" "você é um cara de sorte" nisso eu percebi que ele de leve mexeu em sua toalha e fez com que ela caísse para que eu visse seu pinto duro por causa de minha mulher. ao ver aquele membro duro (com 18 cm, visto posteriormente, o meu tem 13cm) eu disse "sorte é você por ter um pinto desse tamanho!" ele riu e disse "obrigado, mas acho que quem tem mais sorte é quem pode senti-lo" "com certeza, deve ser muito bom sentir algo assim" ele pegou sua toalha e foi andando nu até sua casa e deu uma olhada para trás antes de entrar. durante o almoço contei para a minha mulher sobre o nosso vizinho e ela fciou toda molhada só de imaginar aquele pinto entrando nela. combinamos de convidá-lo para tomar um vinho de noite em casa, mas achei estranho quando claudia disse que ela mesmo iria convidá-lo. de noite, quando estava arrumando o som da sala, ele chegou. minha esposa abriu a porta usando apenas uma micro-saia preta e um top vermelho que deixava seus seios quase pulando da minúscula blusinha. levei um susto quando ela abriu a porta, ele já estava pelado e foi logo entrando "você não achava que era o único que comia esse mulherão, não é? ao mesmo tempo que fiquei surpreso fiquei com um tesão enorme por saber que minha esposa já praticava nossas fantasias, ainda mais com um homem daquele. ele começou a boliná-la e logo tirou toda sua roupa (que não era muita) me aproximei e enquanto ela o lambia, claudia segurou meu pinto sobre a calça e disse "que coisinha lindinha" enquanto eles estavam num 69 tirei minha roupa e fiquei do lado esperando. roberto saiu de baixo dela e disse "vai chupando ela que agora vou comê-la como essa vaca merece. vai lubrificando que ela vai tomar pinto de verdade agora!" por baixo dela chupando sua xaninha, fiquei maravilhado com e cena daquele pinto grande vindo e pincelando ela. até que ele disse "ainda não está bem lubrificado" e enfiou o pinto e minha boca sem cerimônias. chupei e babei bastante e ele enfiou nela de uma só vez de tão sedenta que ela estava por pinto, gritou somente de tesão. enquanto bombava nela, ele tirava seu pinto para eu chupar e sentir seus fluidos misturados com o de minhas esposa. senti que ele iria gozar e coloquei minha mão em seu saco, senti ele gozando em claudia, e na última gozada ele tirou seu pinto e ainda gozou um monte de porra em meu rosto. suspirei e comecei lamber antes que escorrece, roberto olhou e disse "é claudia, você estava certa, ele gosta da coisa" "e como gosta, quer ver? perdro, me chupe e limpe minha xoxotinha arrombada para você me comer quentinha de um macho verdade". não demorei e caí lambendo aquela xana sugando todo o gozo daquele homem viril. depois de sugá-la, botei-a em frango assado, coloquei meu pinto facilmente e comecei a comê-la, ela olhou pra mim e disse "roberto, eu acho que falta algo para ´animar` o pedro, o que você acha?" " com certeza" ele foi até ela onde ela o sugou e babou bastante para lubrificá-lo e ele veio atrás de mim. ele pincelou meu ânus e disse "ha! já está piscando todo para mim! esse seu marido além de corno é uma bichinha mesmo." colocando aquele pintão em mim, fui às estrelas, perdi os sentidos, tive espasmos no meu ânus e meu pinto até ficou mais duro. "nossa, que cuzinho gostoso!" roberto dizia, "vou gozar já já nesse corninho que gosta de levar vara!" quando senti sua porra dentro do meu ânus não aguentei e berrei tendo o melhor melhor orgasmos também. gozei muito, mas roberto gozou ainda mais em mim, mesmo sendo sua segunda gozada. sai de claudia e fiquei parado sentindo os espasmo do meu ânus em seu pinto. "olha, não achava que seu cu era tão gostoso, melhor que de muita mulher por aí". claudia me deu um beijo gosto de língua e disse que me amava muito. pegou roberto e disse que iria dar um banho nele enquanto eu descansava. fiquei uns quinze minutos deitado no chão sem me mexer, apenas descansando. depois fui tomar um banho e claudia e roberta transavam em nossa cama, quando sai do banho eles estavam descansando e me juntei a eles. ainda temos muitas outras aventuras e histórias, quem gostou ou quiser conversar comigo e minha mulher mande um email para a gente: pedro_md@yahoo.com

Fonte: Contos eroticos



publicado por relatossecretos às 19:49
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Quarta-feira, 14 de Abril de 2010
Estuprada pelo padastro

estuprada pelo padrasto meu nome, karinee, hoje com meus 24 anos, mulher linda, modéstia a parte, tomei coragem para contar como fui estrurpada pelo meu padastro muito nova, na época a minha mãe estava separada, quando conheceu o ivan (nome fictício), um homem lindo, muito educado, que fazia tudo para nos ver felizes, fomos morar numa linda casa onde passamos lindos momentos, ele na presença da minha mãe me abraçava e me beijava, dizia que eu era sua filhona querida, que eu tava ficando uma moça lin- da, que ia dar trabalho para os rapazes. estes elogios me deixavam radiante, toda hora que via o ivan, corria e o abraçava, beijava, ele sempre disfarçadamente deixava a mão passar nos meus seios que já estavam bem crescidos, passava as mãos nas minhas coxas, pois eu usava saias ou shorts bem curtos. quase sempre ele chegava antes da minha mãe, então era aquela pegação que ele parecia adorar, pois eu sentia aquele volume ao sentar no seu colo, como eu já o tinha visto no clube com short de banho, ele devia ter um pênis bem grande. como eu ficava sozinha na parte de tarde eu me esbaldava, o ivan adorava aquelas revistas de mulheres (ele & ela) eu então descobri elas numa gaveta do armário, eu via aquelas mulheres nuas, tão lindas, começava fazer como elas tirando a blusa, soutien, saia e calcinha, ficando na frente do espelho, olhando meu corpo que já estava lindo, os seios tamanhos médios, os biquinhos róseos ficavam duros que nem pedra, a minha bucetinha já estavam com alguns pelos, mas muito pouco, eu ficava com uma mão nos seios e a outra alisava minha xana, até sentir um tremor no corpo e uma sensação de bem estar, com um liquido escorrendo na minha xana. eu me sentia muito bem, voltava para as revistas, no forum, tinhas os contos eróticos, comecei a ler um sobre lesbicas, onde as duas se amavam freneticamente, usando objetos diversos, vibradores, cenouras, pepinos, então tive a grande idéia, fui à geladeira peguei uma cenoura média, daquelas que começavam finas e iam engrossando, lavei bem ela e fui pra frente do espelho, fiquei de quatro olhando meu corpinho formoso, aquela pele morena, o bum bum uma formosura, então passei a cenoura no liquido da minha bucetinha, então comecei a enfiar a pontinha no meu cusinho até então virgem, fui fazendo um vai-e-vem bem de leve, até que comecei sentir um grande prazer, estava naquilo, quando o ivan entrou me pegan- do naquela posição, nem eu nem ele sabíamos o que fazer. ----pelo amor de deus não fale nada pra minha mães, por favor ----voce vem fazendo isto a muito tempo, karinee? ----sim, desde que descobri suas revistas......voce não vai contar pra ninguém, viu? eu faço qualquer coisa, por favor. ----eu posso te ensinar, karinee, a ter prazer, mas você também não pode contar pra ninguém, viu, segredo nosso. aproximou de mim, nossa como você é linda, que corpo maravilhoso, me abraçou por trás, beijando minha nuca, pegando meus seios, senti aquele volume, que já estava pra fora, me roçando na bunda, eu quase fui ao delírio, o primeiro homem me acariciando, gozei muito, quando ele levou uma mão lá embaixo, passando os dedos nos lábios vaginais. como era bom, gozar assim. levei a mão para trás pude sentir o tamanho do seu pênis. ----isso menina, sente o tamanho do meu pau, ele é todo seu pode fazer carinho nele assim você aprende. ----é muito gostoso pegar nele, nossa como é grande e grosso...... ----vem cá minha gatinha safada, vou te chupar esta bucetinha linda, senta no sofá. ele tirou a calça com cueca e tudo, enquanto tirava a camisa, eu admirava aquele pau, como era grande, após ficar nu ele agachou abrindo minhas pernas e caiu de boca na minha xana, passava a língua de baixo pra cima, enfiava a língua lá dentro, quando ele sentiu meu cusinho piscando como meu gozo, ele enfiou o dedo nele, aí fui a loucura, ele bebendo meu caldinho, chupando, mordendo. hhhaaaaaaaa como eu gozei gostoso. ele levantou e quando vi aquele pau na minha frente não tive como sair. ----eu nunca fiz isso, ivan ----vai aprender agora sua putinha, é como chupar picolé, vai chupa, chupa. eu arregacei a cabeça do pau, levei a cabeça dele na boca, com um certo nojo, mas logo comecei ver que era bom, então eu metia a pica até na garganta, tirava e punha e com a mão nos seus cocos, logo senti que estava gozando, senti meu liquido correndo pela coxa e meu cu piscando, percebi que o ivan tava quase gozando na minha boca, ele pegava na minha cabeça e fazia que a pica entrar até na garganta, quase engasgando, quando senti seu pau pulsando, tentei tirar o pau da boca, mas ele segurou minha cabeça com firmeza, eu tive que engolir a suas primeiras gozadas mas era tanta porra, que começou escorrer pelos cantos da boca. ---chupa tudo, não deixe desperdiçar nada, engula tudo, vamos, quero meu pau limpo, agora, isto lamba tudo até os ovos......você ta uma putinha perfeita, igual sua mãe. eu ensinei tudo isso pra ela. eu segui suas ordens direitinho, fui passando a língua em toda a extensão daquele pau, que logo deu sinais de que queria mais, voltei então a chupar com vontade que logo ele tava duro de novo. ele me largou e foi no quarto e voltou com uma latinha que depois descobri que era vaselina. ---vire de quatro agora, você é novinha mas acho que agüenta esta rola no cu.....né? eu meio aturdida, falei. ---não ivan, não agüento, é grosso demais, vamos para por aqui. ta. chega.... saí correndo para o quarto, ele tentou me pegar mas escorregou, eu entrei no quarto, mas quando tentei fechar a porta ele colocou o pé. empurrou a porta me derrubando na cama, eu debati, chutei, gritei para ele parar, mas quanto mais eu lutava mais ele se excitava. ---pode gritar sua vadia, o dia que comi o cu da sua mãe, ela gritou também. como ele já tinha passado o lubrificante no pau, ele me pegou pela cintura e me colocou de quatro na cama, ficamos na mesma altura, logo ele enfiou o dedo no meu cusinho, lubrificando. ---por favor, ivan, pare, vai doer, para, para. ---olha so vou comer seu cuzinho, se não ficar quieta, tiro o seu cabaço também, entendeu? ---por favorrrrr, não, não, ele tirou o dedo e eu pude sentir ele forçando a cabeça do pau no meu cuzinho, ele forçou, eu cheguei pra frente, então ele segurou meu ombro com uma mão e com a outro encachou na portinha e deu um tranco, senti que a cabeça tinha entrado. ---aiiiiiiiiiii, ta me rasgando, para ivan, para, por favor. ---fique quieta, minha putinha, você logo vai sentir ele todo de você e gozar muito. ele começou um vai-e-vem bem suave, fui sentindo aquela tora me rompendo, sentindo muita dor, como se tivesse me rasgando, eu uma menina, agüentar um homem de 39 anos. a medida que meu cuzinho foi cedendo, ele começou a socar com mais força, socava com tanta força que sentia os cocos dele batendo na minha xana, ele me comia, falando palavrões, como se fosse as putas que ele dizia que comia. ----aiiiiiiiiii, ta me rasgando, ta doendo, para, mexe mais devagar, por favor. ----quer devagar, sua cadela, eu quero é rasgar este cu, nunca mais vai usar cenouras nele, só uma pica bem grossa, viu. ----vou enterrar até os ovos, sente ele batendo nas sua xana....sente eu comecei sentir prazer com a sua brutalidade e seu palavreado, logo comecei a levar o corpo para trás, para sentir o pau lá no fundo. quando senti que ele estava gozando, eu já tava pedindo: ----vai, enfia tudo, ivan, me come gostoso, quero gozar também, quero sentir sua porra no meu cuzinho. aaaaaahhhhhhhhhh. gozei. ----como é gostoso comer um cuzinho virgem.......... ele se jogou por cima de mim na cama, ficamos grudados, sentindo aquele pau pulsando no meu cu. foi dolorido, mas valeu. fiquei dolorida uns três dias. tivemos algumas aventuras loucas, que contarei na próxima. e-mail: karinee_linda@hotmail.com

Fonte: Contos eroticos



publicado por relatossecretos às 18:18
link do post | comentar | ver comentários (83) | favorito

Terça-feira, 13 de Abril de 2010
Realidade virtual

aquela noite começou sem muita opção e só me restava ficar em casa e navegar pela internet e conversar com alguma pessoa interessante. para meu desgosto não consegui conectar por problemas em meu computador, então resolvi ligar para telefones aleatórios e tentava cantar as vozes femininas que atendiam (eu canto e modéstia parte tenho uma voz bonita e grave quando falo ao telefone o que deixa tudo mais sexy). depois de muitos foras eu consegui conversar com uma mulher com uma voz muito sexy em que o envolvimento sensual entre nos acabou sendo recíproco. não conversamos nada que levasse a ser algo como sexo por telefone, mas uma conversa onde demonstrávamos interesses em nos conhecer. só que ela não quis dar mais detalhes e nem quis dizer seu nome e eu naquela noite tive que me contentar apenas com a conversa. liguei depois para aquela mesma mulher a fim de criar mais intimidade e confiança o que acabou acontecendo e marcamos um encontro numa choperia onde há computadores ligados a salas de bate papo. marquei para nos encontrar lá onde ficam os computadores. eu e ela chegaríamos e ocuparíamos um computado cada e entraríamos na sala de bate papo de nossa cidade que é só uma no chat da uol . e assim, entre computadores e pessoas que ali estivessem, descobriríamos aos poucos quem era cada um de nós sem deixar chance pra fugir sem saber quem seria o outro. marquei num horário em que a choperia estivesse mais movimentada para ficar mais difícil de identificar quem ela era e criar um clima a mais de expectativa. eu disse que entraria com o nick de “misterioso” e ela disse que entraria com o nick de “madame x”. cheguei a choperia e havia seis mulheres e cinco homens, ocupei um computador e entrei na sala ponta porã - ms procurando pelo nick que ela disse que entraria. de começo não achei o nick dela na sala. então resolvi observar discretamente as mulheres que estavam na sala dos computares da choperia, duas das mulheres que ali estavam eram bonitas e atraentes, as outras não deixavam de ser atraente mas não eram tão belas assim. logo depois uma mulher com o nick de “mulher sensual” começou a teclar comigo, não era o nick de quem eu esperava mas conversei pra passar o tempo. ela se insinuava de maneira que me fez desconfiar que poderia ser a “madame” por quem eu esperava. ela então confessou que sim e que já sabia quem eu era, pois estava ali a meia hora e já faziam quinze minutos que não chegava ninguém na sala de computador da choperia e assim que o ultimo cara chegou logo depois entrou o nick “misterioso” no chat de bate papo o que a fez deduzir que era eu. diante de tal esperteza dela resolvi admitir que era eu mesmo. ela então disse que gostou do que viu e que ainda queria ver muito mais. eu logo quis saber qual das seis que ali estavam era ela, mas ela não quis me responder disse que eu iria descobrir aos poucos. a conversa ia começado a esquentar eu estava ficado louco, ela me avisou que ia dizer quem era só depois de me ver louco de tesão, começou a dizer o que queria fazer comigo, disse que estava louca pra me mostrar a calcinha minúscula que ela estava usando. eu olhava o rosto das mulheres que ali estavam mas todas estavam naturais, apenas duas me olhavam de vez em quando o que me fez desconfiar mas sem certeza. eu não puder agüentar e soltei um suspiro quando ela disse que já podia notar o volume da minha calça e que ficaria louca ao sentir aquele volume na boca sua boca. assim que suspirei três mulheres me olharam, uma estava do meu lado a dois computadores de distância e as outras duas a minha frente. a que estava do meu lado além de me olhar sorriu. perguntei pela internet se ela não estaria do meu lado, ela então respondeu que talvez sim, mas que mesmo que fosse era pra eu ficar ali e que no momento certo ela chegaria e se apresentaria até mim e me alertou que se eu chegasse em algumas das garotas que estavam na choperia tentado descobrir quem ela era, mesmo que fosse ela, ela não levaria nada do que disse a diante. eu só podia esperar, mesmo que tivesse certeza não podia fazer nada. eu sempre acostumado a manipular as minhas fantasias pela internet estava sendo manipulado. a mulher que estava do meu lado começou a me olhar mais o que me fez ter quase certeza que era ela mesmo porque era a única que podia ver com clareza se havia algum volume em minha calça, mas fui obrigado a ficar na minha. ela teclava pela internet dizendo que estava molhadinha só de pensar em cavalgar naquele volume, o jogo entre nos estava quente e ela dizia coisas que me faziam pensar na mulher que estava do meu lado. eu não agüentava mais então coloquei a mão sobre o volume na minha calça e apertei o que fez a mulher que estava do meu lado olhar diretamente pra minha mão sobre o volume logo depois olhou em meus olhos e sorriu mordendo os lábios insinuosamente. já tinha certeza que era ela e gostei, pois era a mais atraente que ali estava. ela era morena aparentava ter uns 26 anos, tinha os cabelos negros, lisos e compridos. usava uma saia um pouco abaixo dos joelhos que contornava seu corpo com uma fenda nas coxas que eram grossas e com os pêlos descoloridos fazendo um contraste lindo com suas lindas pernas morenas. usava uma blusa que seguia a mesma estampa da saia com um decote maravilhoso, os seios dela eram médios, mas se tornavam fartos sem um sutiã por debaixo de sua blusa. eu louco de desejo e aquela mulher se insinuava para mim. para completar o meu tesão ela cruzou uma perna em cima da outra fazendo com que a fenda se abrisse mais deixando quase sua perna descoberta. ao notar que eu a observava ela correu com a mão em sua coxa parando ela perto da virilha e ergueu suas pernas de maneira discreta, mas que deixaram por um instante sua calcinha aparecer. mas tive uma surpresa quando a vi levantar e sair da sala dos comutadores e ainda sim receber mensagens dela pela internet o que obviamente me fez ver que não era a morena que estava do meu lado. fiquei um pouco decepcionado, mas continuei o papo tentando descobrir qual das cinco que ali ainda estavam podia ser. na internet ela me disse que eu ia ter uma grande surpresa e que já não podia mais esperar que ia se apresentar para mim. logo depois seu nick sumiu do computador e eu apenas aguardei quando umas das mulheres que ali ainda estavam levantou e veio até minha direção nos encaramos e, ao passar por mim, ela deixou cair um bilhete sobre o teclado do computador e saiu da sala. já está tinha a pele mais branca com os cabelos bem negros e lisos um pouco abaixo do ombro. não tinha o corpo moldado como a outra, mas tinha um olhar, uns lábios e uns seios fartos e sexy que a deixava em proporções tão excitantes quanto à outra que imaginava ser. ela usava uma calça colante ao corpo e uma blusa simples, mas sensual, pois os contornos fartos de seus seios assim a deixavam. ansioso abri o bilhete e nele estava escrito: “ já te deixei louco o bastante pra você tomar conta direitinho de mim. sou mais tarada do que você pensa e você mexeu com minhas fantasias. me espere daqui a 15 minutos no estacionamento”. sai e pedi um chopp para matar os quinze minutos e em seguida parti em direção ao estacionamento. logo depois um corsa branco com vidros escuros (fumê) se aproximou. não consegui ver se era ela mas pude notar pelo perfil que se tratava de duas mulheres, uma no banco do motorista e a outra no banco de trás sem ninguém no banco do passageiro. o carro encostou do meu lado e a mulher abaixou o vidro só então pude notar que era a morena que eu inicialmente achava estava teclando comigo e que estava sentada ao meu lado na sala de computadores da choperia. meio confuso eu disse oi e ela me convidou para entrar no carro inclinou e esticou seu corpo para abrir a porta do passageiro me deixando ver os seios que o decote não cobriu ao se agachar. curioso, olhei para o banco de trás para ver quem era e para minha surpresa era a mulher que estava teclando comigo e que deixou o bilhete cai no teclado. meio desconfiado eu olhei e disse que não estava entendendo. então a morena que estava no banco do passageiro virou seu corpo em minha direção, me olhou de forma sensual e com um sorriso malicioso no canto dos lábios me disse: “você não gosta de jogar? eu também gosto. e costumo jogar muito bem. eu sou a ´madame x´ por quem você procurava e essa e minha amiga a ´mulher sensual´ com quem você teclava. pode nos chamar assim, alias, deve nos chamar assim, pois não vamos dizer nossos nomes. saiba que enquanto eu te observava sentada bem pertinho de você ela tratou de te deixar bem louco com palavras quentes pelo computador. será que te deixou louco a ponto de dar conta de duas mulheres quentíssimas como nos? eu fiquei louquinha com você, alias, nos duas”. não pude esconder um sorriso natural que brotou em meu rosto demonstrando toda a minha satisfação de estar no meio de uma situação tão excitante, mas logo me controlei e disse que estava pronto pra enfrentar qualquer imprevisto, improvisando se fosse o caso. logo com meu corpo já inclinado na direção da mulher que estava no motorista, a “madame x”, tentei me aproximar e colocar minha mão sobre o corpo dela e antes que encostasse fui interrompido com ela me dizendo: “opá! calma aí! aqui você não vai fazer nada improvisado, tudo vai ser bem estudado e analisado e a ´mulher sensual´ ai atrás pode te dar uma lição enquanto eu analiso vocês dois”. nisso “madame x” abaixou todo meu banco para trás e em seguida ligou o carro e saiu. logo a “mulher sensual” ( a do bilhete) já estava vindo em minha direção e eu na dela. começas a nos olhar com um clima pra lá de sensual e logo estávamos nos beijando, primeiro beijos sutis em que meus lábios apertavam os delas e os delas os meus. demos alguns beijos e ela colocou a mão em meu peito e afastou nossos corpos com o olhar provocante ela começou a tirar sua blusa ficando de sutiã, fui em sua direção para beija-la novamente e ela me afastou de novo com a mão em meu peito. com suas próprias mãos ela apertava seus seios e me olhava insinuosa e provocante colocando a língua no canto de seus lábios e depois correndo sobre eles. os dedos dela corriam por debaixo do sutiã e apertavam os biquinhos, ela deixou um de seus seios a mostra e ele já estava rijo e pontudo. fui com minha mão em seus seios e dessa vez não tive resistência. envolvi os seios dela na palma de minha mão e o apertei. afastei o sutiã colocando o biquinho de seus seios rijo entre os vãos de meus dedos apertando os novamente. já podia sentir sua respiração se alterando. minhas mãos logo tiram todo seu sutiã e minha boca não pode resistir em tocar aqueles belos e fartos seios. comecei a beijar os mamilos passando a ponta da língua neles, depois minha língua quente percorria circularmente no biquinho de seu seio umedecendo ele todinho. enquanto eu apertava minha boca e prendia meus lábios no bico de cada seio minha mão percorria pelo corpo dela. descia com as mãos desde os seios chegando em suas coxas apertando-as, subindo novamente com meus dedos percorrendo a parte interna da coxa dela até chegarem em sua virilha e a palma de minha mão tocar toda a parte pubiana de seu corpo ficando os meus dedos entre suas pernas. dedos estes que foram apertados entre suas pernas ao iniciarem estímulos em sua boceta ainda por cima da calça. subi com minha boca para beija-la novamente, beijo que foi mais forte e intenso. nossas línguas se acariciavam e se massageavam se entrelaçando em rítimo cadenciado pelos toques de minha mão que subiu até seu umbigo e depois desceu por debaixo da calça. os pêlos pubianos dela se entrelaçavam nos vãos de meus dedos, dedos que já tocavam e estimulavam seu clitóris. as mãos dela agora também percorriam sobre meu corpo. entram pela minha camisa e me apertavam a cada toque estimulante de meus dedos em sua boceta que já estava molhada facilitando os meus toques. podiam sentir meus dedos deslizando pelo clitóris dela e depois descendo pela entrada de sua boceta, podia sentia que ela queria engoli-los ao contrair seu corpo a cada toque mais profundo de meus dedos. a essa altura ela já tinha arrancado minha blusa e já mordiscava os meus mamilos. rodeavam sua língua quente neles me deixando mais louco ainda. ela pode notar o quanto eu estava louco quando tocou meu pau por cima da calça e o apertou percorrendo a palma da mão sobre ele. logo ela estava abrindo o zíper da minha calça e sentindo o quanto eu estava excitado, meu pau estava rijo, vermelho e pulsante. pulsação que aumentou ao sentir a mão dela me masturbar deliciosamente. ela me olhava e fazia caretas enquanto nos masturbávamos reciprocamente. meus dedos brincavam em seu clitóris e quando invadiam a sua boceta fazia ela gemer e apertar meu pau forte acelerado o rítimo em que me masturbava. ela beijava meu peito enquanto me masturbava descendo com sua língua quente pela minha barriga. ela então parou de me punhetar e desceu com a boca em direção ao meu pau, pude sentir sua respiração quente quando ela abriu toda a sua boca e engoliu meu pau descendo com sua língua quente por todo ele até seus lábios tocarem a base dele. nesse momento quem gemeu fui eu aproveitando para observar “madame x” que dirigia o carro de forma lenta para não perder nenhum lance entre eu e a “mulher sensual”. ela me chupava maravilhosamente, percorrendo sua língua por todo meu pau e depois o engolia todo em sua boca sorvendo-o num vai e vem que me enlouquecia. ela mesma tratou de livrar-se de seu calça e calcinha, logo arranquei minha calça ficando ambos nus. ela então pode lamber minhas bolas me proporcionando sensações incríveis. fui então com minha boca em direção a suas pernas querendo lhe retribui o prazer que me fizera sentir quase me levando ao gozo que só não atingi, pois interrompi para lhe proporcionar as mesas sensações. comecei passando minha língua na parte interna de suas coxas apertando uma enquanto chupava a outra, logo estava subido com ela pela sua virilha sem pêlos. observa sua boceta com poucos pêlos, tinha os grandes lábios carnudos e um clitóris que me convidava a chupa-los. subi com minhas mãos em seus seios para aperta-los antes de iniciar meu toque com a língua em seu clitóris. envolvi seus fartos seios na palma de minha mão e os apertei no mesmo momento em que minha língua estimulou seu clitóris com movimentos circulares. ela gemeu e rebolou seu quadril, minha língua começou devagar procurando cada ponto sensível estimulando-os moderadamente para não lhe causar nenhum choque, mas logo estava movimentando minha língua de forma acelerada girando com ela por toda aquela deliciosa boceta. isso fazia com que ela rebolasse cada vez mais rápido, fazendo sua respiração perder o compasso e os gemidos serem intensos e continuo. com minhas mãos em seus seios apertava os biquinhos prendendo em meus dedos e não parava de chupa-la. logo ela se contorceu, gemeu forte, me apertou e me presenteou com seu gozo. em seguida ela me beijo de forma longa e carinhosa, beijo que foi interrompido pela “madame x” que nos pediu para que colocássemos a roupa, pois ela não agüentava mais olhar aquilo e queria entrar em um motel. nos vestimos mas não paramos com nossas carícias, nos beijávamos e masturbávamos com as mão por debaixo das roupas. chegamos no motel escolhido e negociado por “madame x” assim que descemos, ainda na garagem do motel, fui prensando contra o carro com a “mulher sensual” me beijando, “madame x” abriu a porta do quarto e entrou enquanto a “mulher sensual” tratava de me despir ainda fora do quarto. tiramos nossas roupas e começamos nossa felação.. coloquei ela sobre o capo do carro com as pernas bem abertas, posição que deixou sua boceta toda exposta para minha língua acaricia-la. posei minha língua em seu grelinho ainda molhado e recomecei meu estímulo tocado com a ponta da língua no seu clitóris girando ele de um lado para o outro e depois minha língua toda em sua boceta para senti-la toda em minha boca. enquanto a chupava olhava em seus olhos e me deliciava com a cena dela se mordendo de tesão, apertava seus próprios seios mexendo-os, segurando e puxando os biquinhos entre o polegar e o indicador e movendo seu quadril pressionando suas coxas em meu corpo. com tantos estímulos logo ela estava gozando de novo e gemendo berrando palavras que erguiam minha alto estima que já estava tão alta como nunca. ela então desceu do capo carro e me beijou de forma intensa como se agradecendo ao gozo que atingira. depois desceu com a língua pelo meu tórax, barriga e finalmente ao ponto onde ela sabia que poderia retribuir o prazer que eu lhe tinha dado; meu pau. ela o agarrou firme segurando pela base, me lambia de baixo para cima iniciando com sua língua pelas minhas bolas. lambias meu saco roçando seus lábios em meus pêlos, ora colocava uma bola em sua boca sugado e girando com a língua em volta dela e ora colocava todo meu saco em sua boca com se quisesse engoli-lo. em seguida ela pousou sua língua na base do meu pau e iniciou uma molhada escalada por todo ele até chegar na cabeça e rodear a sua língua quente por toda a minha glande. por fim ela o abocanhou e com sua boca quente começou a engoli-lo deixando todo molhado para iniciar o vai e vem onde seus lábios encostavam na base de meu pau e eu o sentia tocando em sua garganta. tantos estímulos fizeram com que eu não agüentasse e eu a avisei que iria gozar. ela então estimulou meu pau com a língua em volta dele e o punhetou em direção aos seus seios até eu atingir meu gozo. não consegui e nem tentei segurar os gemidos ao sentir tanto prazer, lambuzei todo o seio dela com meu esperma que não parava de sair com tanto tesão acumulado. meus gemidos fizeram com que a “madame x” nos chamasse para entrar no quarto, ela já estava lá aos uns dez minutos. entramos no quarto e “madame x” estava nua em cima da cama, com as pernas abertas mexendo com seus dedos em sua boceta que era depilada, apenas tinha os pêlos ralos na parte pubiana. a visão dela na cama era totalmente excitante. estava na posição de parto, com suas lindas pernas torneadas com pêlos descoloridos voltados para minha direção. uma de suas mãos acariciava sua boceta e a outra se revezava por todo seu corpo, ora tocava seu rosto e boca e ora apertava seus seios e biquinhos. seios estes que eram médios, com lindos mamilos que tinham a aparência de pele arrepiada e bicos pontudos. está visão logo retomou todo tesão alcançado antes do primeiro gozo. “madame x” ao me ver me olhou insinuosa enquanto que a “mulher sensual” caminhou em direção a banheira que estava a alguns metros da cama e lá ficou a nos observar. me aproximei de “madame x” e ela segurou meu pau e o acariciou, passava a mão em meu saco envolvendo ele na palma de suas mãos e depois o apertava e mexia-os, com a outra mão ela acariciava meu corpo, sua mão macia apertava meu tórax, corria por minha barriga e logo me punhetava. ela então começou chupar meu pau, sua língua corria por todo ele e depois a sua boca o engolia. enquanto ela me chupava eu olhava para a “mulher sensual” que já estava toda molhada e se masturbava dentro da banheira nos observando. “madame x” ainda me chupava, ela subiu com sua língua, pela minha barriga e tórax, me apertando, me mordendo. ela ficava por cima de mim com o meio de suas pernas em cima da minha coxa e roçava sua boceta nela enquanto me acariciava. ela então me beijou, um beijo gostoso, ela sabia como passear com sua língua pela minha boca e eu chupava, passava a minha língua na dela e enquanto íamos nos beijando minha mão corria pelo seu corpo. uma mão eu usava para acariciar os seus seios e rosto, entrelaçava meus dedos entre os seus cabelos envolvendo minha mão em sua nuca para dar mais intensidade ao beijo. a outra mão corria pela suas costa correndo por toda ela até chegar em seu bumbum, sentia minha mão apertando aquele bumbum voluptuoso, era grande, redondo com a pele macia. sentia os pêlos ralinhos daquele bumbum se arrepiando quando minha mão corria sobre ele. apertava aquela volúpia de bumbum contra meu corpo, “madame x” rebolava seu bumbum e seu quadril roçando toda sua boceta em minha coxa, sentia minha perna umedecida e quente pelo calor que vinha dela. ela então ficou com seu corpo na vertical sentada em meu corpo, eu observa seus seios de baixo para cima e os apertava com minhas mãos envolvendo-os, seus seios também eram macios, ela tinha um belo corpo e uma pele linda. ela me encarava enquanto meus dedos seguravam os biquinhos dando leves puxadas. fiz com que ela deitasse na cama e comecei a chupar os seus seios, prendia os biquinhos de seus seios entre meus lábios, sem aperta-los muito a ponto de causar alguma repulsa, enquanto minha língua mexiam e circulavam em volta deles, enquanto a chupava ela acariciava meu cabelo e apertava seu próprio peito. minhas mãos corriam por todo o corpo dela, descendo por cada contorno apalpando-a. apertava sua coxa e logo meus dedos caminharam até sua boceta, ela estava molhada e meus dedos deslizavam em sua boceta estimulando toda ela, estimulava seu clitóris mexendo-os circularmente, meus dedos desciam até a entrada da sua boceta e facilmente a penetrava tamanha era a lubrificação que escorria dela. desci com minha boca chupando a sua barriga, minha língua circulou pelo contorno de seu umbigo e continuou descendo. roçava minha boca em seus pêlos pubianos prendendo os entre meus lábios e dando puxadinhas. minha língua então correu em volta da sua boceta e descendo pela sua virilha chegou até o perimem (região entre o ânus e a entrada da vagina), ali minha língua girou e começou a subir pela sua já molhada boceta, passei com ela na entrada e subi passando de leve a ponta nos grandes lábios vaginal até tocar em seu clitóris e começar a mexer devagar com a língua para cima e para baixo e depois circularmente para em seguida acelerar os movimentos de minha língua até ouvi-lá gemendo e acariciar meus cabelos enquanto a chupava. minha mão corria pelo corpo dela subindo em seus seios apertando-o e a outra me ajudava a acariciar a sua boceta. meus dedos deslizavam dentro com minha língua mexendo em seu clitóris movendo-o de um lado para o outro. meus dedos entravam e saiam devagar e conforme a intensidade de seus gemidos ia aumentando e eu acelerava também meus movimentos fazendo com que ela mexesse todo seu quadril quase os erguendo me apertando e arranhando meus braços. os gemidos eram intensos e fortes, denunciavam o imenso clima de tesão e prazer que estava rolando. e, conforme eu me deliciava em excitar a “madame x”, senti a aproximação da “mulher sensual” perto de nós. “madame x” estava deitada de costa e pernas abertas e eu quase de bruços entre suas pernas e a “mulher sensual” começou a beijar minhas costas e apertar seus corpo no meu, chupava minha orelha dando leves arranhadas em minhas costas sem que eu parasse de chupar a “madame x”. a “mulher sensual” desceu com seus beijos todos em minhas costas e começou a beijar meu bumbum acariciando-o ele todo contornado com a língua pela polpa de meu bumbum chegando com a sua língua até meu saco. quando ela correu com a língua pelo meu saco não contive o gemido e por um instante parei de chupar a “madame x” ficando apenas com meus dedos com movimentos menos intensos. nisso “madame x” virou seu corpo vindo com a boca para me beijar. virei meu corpo também deixando meu pau e saco mais exposto para que a “mulher sensual” continuar a acaricia-lo com o mesmo empenho que havia feito minutos antes. “mulher sensual” começou a lamber meu saco subindo com a língua por todo meu pau enquanto “madame x” me beijou e as mãos corriam entre os corpos. “madame x” parou por um instante e ficou a observar a investida da “mulher sensual” pelo meu pau e logo também desceu com sua boca até ele. então pude ter o prazer de observar duas mulheres me chupando. observa a “mulher sensual” engolir meu pau quase por inteiro enquanto “madame x” passeava com sua língua deliciosa pelo meu saco e base do meu pau. as vezes a duas roçavam e corriam com seus lábios e língua pelo meu pau todo, era gostoso demais quando sentia duas línguas correndo pela glande do meu pau. em seguida “madame x” levantou ficando em pé com sua pernas entre meu corpo e começou a se agachar, enquanto que a “mulher sensual” apenas segurou meu pau pela base e direcionou até a boceta que descia para engoli-lo. parou sua investida no momento em que a cabeça do meu pau tocou a entrada de sua boceta, ajeitou seu corpo e em fim forçou sua boceta a descer devagar e envolver todo meu pau. olhava meu pau sendo engolido por aquela linda e molhada boceta, ela começou a subir e descer no meu pau me cavalgando deliciosamente ela rebolava seu ventre para frente e para trás fazendo com que meu pau mexesse todo dentro da sua boceta, de tão molhada que ela estava parecia que meu pau se movimentava circularmente dentro da sua boceta me fazendo sentir muito prazer. os peitos subiam e desciam no rítimo do seu corpo e eu os apertava envolvendo-os em minhas mãos.. enquanto “madame x” me cavalgava a “mulher sensual” se masturbava nos observando e soltando gemidos intensos que também eram dados por mim e “madame x” minhas mãos ora também corriam pelo corpo da “mulher sensual” que ficava com corpo quase sobre o nosso, mas meus toques deram exclusividade aos de “madame x” quando ela gemeu ofegante aumentando a intensidade de seus movimentos em meu pau inclinado seu corpo sobre o meu e minhas mãos apertaram seu farto bumbum contra meu corpo e assim ela denunciou seu longo gozo com seu corpo sobre o meu. ainda cavalgava e gemia em gozo sucessivo quando “mulher sensual” ficou de quatro na cama e entendendo tal pedido “madame x” levantou e pediu para que metesse na amiga. levantei me coloquei atrás do bumbum da “mulher sensual” passando meu pau entre suas pernas roçando com ele pela sua boceta até aponta-lo bem na entrada dela, segurei em seu bumbum e empurrei meu corpo contra o dela e senti meu pau a penetrá-la. penetrava devagar em meu vai e vem mas logo estava acelerando meus movimentos fazendo com que ela inclinasse seu corpo em direção a cama deixando apenas seu bumbum empinado. apertava uma mão em seu bumbum e agarrava bem em sua cintura mantendo seu bumbum empinado, movimentava rápido meu corpo que batia forte contra o dela. ela gemia enquanto que “madame x” nos observava passando com sua mão em seus próprios seios. a “mulher sensual” apertava e as vezes mordia o lençol que já estava todo esparramado pela cama, gemia, pedia mais, dizia que era assim que gostava e logo murmurou seu gozo não conseguindo manter seu bumbum empinado deitando na cama. isso fez com que dificultasse um pouco a completa penetração de meu pau na sua boceta me obrigando a empurrar meu corpo todo contra o seu corpo para sim pode-lo sentir engolido por sua quente boceta. assim sentia seu bumbum quente contra meu corpo me dando muito tesão, assim podia morder suas costas, chupar sua orelha, colocar minhas mão por debaixo do seu corpo e apertar seus seios enquanto murmurava em seu ouvido o quanto ela era gostosa e estava me deixando louco, logo murmurei em seu ouvido que não ia mais agüentar e que o calor do seu corpo quente logo me faria gozar. ela pediu para que eu não parasse e que podia gozar dentro dela. apertava forte meu corpo contra o dela pressionando seu corpo contra a cama. minhas mãos em seus seios ficavam entre a cama e seu corpo. ela gemia e pedia que fosse mais rápido, aumentei a intensidade dos movimentos mais rápido a ponto de logo sentir meu gozo chegar, eu gemendo ao seu ouvido gozado e sem parar meus movimentos tive o prazer de vê-la gozando simultaneamente comigo e nossos gemidos foram fortes e longo. nossos corpos ainda se rebolavam diminuindo agora a intensidade até pararmos e nos beijarmos como se ambos agradecessem ao clímax atingido. deitei de costas na cama ainda entorpecido imaginando em tudo que estava se passando comigo, eu realiza umas das fantasias mais ardentes que um homem pode realizar. olhava em direção ao teto todo espelhado e via a minha direita a “madame x” também deitada de costas, observava seu corpo nú pelo espelho, olhava seus seios o qual ela acariciava e as vezes roçava em mim, olhava suas lindas pernas torneadas. a minha esquerda estava a “mulher sensual” deitada de bruços, eu a olhava pelo espelho, olhava sua bunda em que minutos antes eu estava em cima vivendo um gozo intenso. toda aquela cena me fez pensar em como eu estava tendo tamanho privilegio em viver tal situação. nesse instante em que eu pensava e tentava relaxar após o gozo tive uma pequena queda da ereção e antes que ela pudesse ser total a “madame x” logo começou a me acariciar me beijando, roçado com seu corpo todo esticado por cima do meu, logo a fricção de seu corpo em meu pau fez com que ele ficasse rijo de novo e o tesão começava a tomar as mesmas intensidades anteriores.. a “mulher sensual” nos observava ao nosso lado ainda de bruços e apenas acariciava meu corpo. percebi nesse momento que as duas eram meio receosas quanto a se tocarem o que me deixou claro que eram realmente amigas e que não eram lesbicas como cheguei a imaginar a uma certa altura. “madame x” aconchegou meu pau entre o vão de suas pernas, eu podia sentir o calor que emanava do seu corpo, ela roçava seu corpo nele sem ainda meu pau a penetrar. ela então sentou em meu colo e virou se corpo ficando de costas para mim, levantou levemente seu corpo, envolveu meu pau em sua mão e o direcionou até a entrada da sua boceta e começou a descer com seu corpo. ela de costas para mim olhava aquela linda bunda, meu pau no meio e a sua boceta ia engolindo até suas nádegas tocarem o meu quadril. ela gemia e cadenciava o ritimo que melhor a agradava, eu ficava louco vendo aquele bumbum subindo e descendo com meu pau sumindo e aparecendo no meio dele. às vezes ela sentava forte e parava em meu colo engolindo meu pau todo em sua boceta e mexia seu corpo para trás e para frente me fazendo gemer. inclinava meu corpo e apertava seu bumbum ajudando ela a subir e descer em meu pau. foi interrompido pela “mulher sensual” que já colocando seu corpo entre o nosso pediu para que eu a chupasse. eu deitado de costa e ela sentou em meu tórax com as pernas abertas. “madame x” ainda usava meu pau do jeito que ela quisesse para me dar e ter o seu prazer enquanto que eu começava a chupar a “mulher sensual”, confesso que não numa posição muito confortável, mas era muito prazeroso sentir que estava dando prazer simultâneo a duas mulheres e eu curtia. segurava minhas mãos entre as pernas da “mulher sensual” apertando a parte interna dela enquanto minha língua já corria pela sua boceta, minhas mãos corriam ate onde alcançavam para acariciar o corpo dela e brincava com minha língua em seu clitóris, correndo com a língua pela beirada dos grandes lábios e apertando ela na entrada de sua já molhada boceta e depois voltava ao seu clitóris movendo-o em todas as direções. ouvia gemidos simultâneos, o clima de estarmos todos se estimulando juntos, fez com que o tesão aumentasse entre elas e ora uma gemia mais intenso que a outra denunciando gozos sucessivos se revezando entre elas que me fizeram perder a conta. “madame x” denunciava seu gozo a cada vez que aumentava o ritimo das estocadas de sua boceta em meu pau, indo forte para depois parar e, com sua boceta engolindo todo ele, mexendo seu quadril em todas as direções. a “mulher sensual” mostrava seu gozo quando rebolava seu quadril em meu tórax e apertava seus próprios seios. logo eu também estava atingindo meu gozo e após terminar entramos na banheira e nos banhamos os três sem deixar de faltar os beijos e caricias. só então finalmente deitei na cama e apaguei. ao acordar estava sozinho no quarto e ao meu lado apenas um bilhete de despedida. se vc quer ser a "madame x" ou a "mylher sensual" e desejar entrar em contato comigo, meu email é gato_solteiro_rj@hotmail.com

Fonte: Contos eroticos



publicado por relatossecretos às 19:44
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Quinta-feira, 8 de Abril de 2010
Sexo no estudio de tatuagem

olá pessoal, estou aqui mais uma vez para relatar meu segundo conto. o primeiro está na parte de "lesbicas" e vi que recebeu muitos acessos, chama-se "bebadas no cio". bom, vamos ao que interessa. eu sempre gostei de um homem desde meus 14 anos de idade, tive um relacionamento não muito longo com ele e bem conturbado, cheio de brigas, idas e vindas, enfim, terminanos. depois de 4 anos (eu com 18 anos) reencontrei meu grande amor. estava eu na lanchonete onde eu gerenciava quando vejo aquele belo homem me chamando e pedindo para que eu servisse uma bebida. era fernando! lindo, mais do que nunca, quando eu o vi fiquei paralisada por um instante e parecia que tudo que eu sentia por ela havia voltado. ele, ao me ver, abriu um belo sorriso mostrando os belos e perfeitos dentes brancos. fiquei extasiada! ele é loiro, mais ou menos 1.70 de altura, corpo definido (não bombado), olhos azuis e muito, muito gostoso! servi-lhe a bebida e ele sentou-se no balcão para conversar. era uma sexta-feira e estava tendo festa na cidade. ele me convidou para ir, na verdade para eu encontrá-lo lá mais tarde. eu não ia nessa festa, mas como algo interessante ia acontecer com certeza, resolvi ir para ver o que dava. ele, entao, me esperou sair da lanchonete e ficamos um pouco em frente minha casa. ele me beijou como se ele estivesse esperando por isso há anos. e acho q realmente estava. ele se foi e eu fui me arrumar. fui linda, com uma mini saia preta colada e um blusinha decotada com uma sandália de salto. chegando lá, demorou um pouco para nos encontrarmos, pois estava lotado! enfim nos encontramos e, depois de muita conversa e beijos, resolvemos ir para o estudio de tatuagem que ele tinha. chegamos e logo começamos a nos agarrar! sentia tanta falta daquele corpo no meu que acho q só de pensar quase gozei. ele pegou cerveja e começamos a beber e nos amassar, fumamos um cigarro e, depois de umas 3 cervejas começamos, finalmente, o que eu tanto esperava. sentada no sofá, ele começou a beijar-me todinha, primeiro na boca, pescoço, sugava meus seios e descendo cada vez mais. ao chegar na bucetinha, começou a brincar, passando a lingua ao redor e, vez ou outra, lambia por cima da calcinha enquanto segurava meu seios apertando levemente com muita habilidade. eu o punhetava gostoso e gemia pela ancia de ve-lo ali, entre minha pernas, na minha xana. depois de tanto sofrimento ele finalmente tirou minha calcinha com a boca e passou a lingua na minha perna até chegar na bucetinha. lambia como se lambe um sorteve, eu estava louca de tesão a essa altura. sugava meu grelinho como se mamasse..."nossa, que delicia, continua, tesão" eu dizia. ele chupava com muita vontade e gosto. fiquei louca de tesão porém segurei meu gozo. queria gozar no cacete dele. levantei-me e sentei-o no sofá para que eu pudesse retribuir toda a atenção e carinho que ele me dara. fiz o mesmo com ele. beijei primeio seu corpo todinho, para somente depois cair de boca naquela pica dura como pedra. chupei aquele pau gostoso, branquinho e cheiroso até cansar, sugava seu cacete e lambia as bolas, o que fazia ele delirar, gemendo gostoso. chupei tanto que parecia que queria engolir aquele caralho delicioso, nossa, estou molhadinha só de lembrar. ele me xingava e eu me molhava toda por isso! ele me levantou e pediu que eu sentava em seu mastro, que latejava de tesão. obedeci-o e sentei. eu não sei o que ele fazia que eu estava sentindo algo maravilhoso percorrendo meu corpo enquanto eu rebolava no seu cacete. ele segurava minha cintura e me ajudava a enfiar ainda mais seu pau na minha xana que, a esta altura tava toda encharcada com minha excitação. fui ficando cada vez mais excitada e sentindo minhas pernas perderem a força. meu corpo começou a estremecer e senti que ia gozar. anunciei meu gozo e ai que ele me fodia mais rápido, já me ajudando a pular em seu cacete, pois eu estava totalmente sem forças para isso. o tesão era imenso. ele não gozou. se levantou ainda grudado na minha xana como um cachorro e me colocou de 4 no sofá. socou a vara na minha buceta e bombava forte. sentia suas bolas baterem no meu grelinho e eu estava prestes a gozar novamente. enquanto ele metia eu acariciava suas bolas e ele gemia, enquanto batia na minha bunda e me xingava de puta gostosa, tesuda...vadia safada, cadela e por ai foi. por várias vezes gozei no seu cacete, tive orgasmos múltiplos, coisa que jamais senti novamente. ele gozou na minha buceta e senti aquela porra quente aquecendo minha xana. ele tirou o cacete sujo de porra da minha buceta e deitou-se exausto ao sofá. eu sentia aquela porra gostosa escorrendo na minha perna. passei a mão na xavasca e estava encharcada de porra dele e minha tb. lambi meus dedos pare sentir seu gosto. gosto de homem. um homem que fez sexo comigo como jamais outro havia feito e, até hoje, com 21 anos e casada, ainda não consegui encontrar alguém que me fizesse gozar, muito menos como ele me fez. chegar ao extase completamente!! dormi por uns 30 minutos ao seu lado e retornamos a festa. meu rosto me denunciava, minha boca borrada do batom vermelho e minha face (branca) quente e rosada! adorei esse dia e espero que vcs tb tenham gostado do relato. o fernando e eu fizemos várias loucuras, mas em uma outra oportunidade contarei!! um abraço a todos e muito sexo!

Fonte: Contos eroticos



publicado por relatossecretos às 17:11
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Segunda-feira, 29 de Março de 2010
Eu e minha mulher satisfeitos

minha esposa (carla- 21) é perfeita, posso dizer que é a mulher mais gostosa que já imaginei ter, tem 1,60, branquinha, cabelos castanhos, pernas bem feitas, peitinhos pequenos com os biquinhos rosados e durinhos. no inicio do nosso casamento, era tudo normal, no maximo 1 x ao dia, 3 a 4 vezes por semana, raramente ela gozava mas achavamos que estava gostoso e nao procuravamos melhorar. começaram umas briguinhas a mais que o normal e chegamos a ficar ate 10 dias sem transar. eu ja tava perdendo o pouco de tesao que ainda tinha por ela e ja ate tinha saido com alguns amigos para ver strips e ficado 3x com putas, foram transas diferentes da minha e por isso ja estava com vontade de novas experiencias. procurei por bate papo na net mas nao gostei, ate quando descobri sites de contos e fiquei viciado. minha mulher sempre foi decente, so teve eu de homem, e nunca toparia as coisas deste site. ela percebeu que estava muito na net e achava que estava com namorada virtual, ai comecei a apresenta-la contos eroticos e ela foi gostando. aos poucos fui passando de heterossexuais para fetiches, teens ate chegar em lesbicas, era os que me davam mais prazer, imaginar eu, ela e outra mulher. foram uns 3 meses e lentamente descobri que ela ja estava gostando e ate falando em outra mulher conosco. nossas noites mudaram, todo dia , sem falta, tinha sexo, e sexo gostoso, so nos dois, com ela falando muita putaria e ouvindo mais ainda, chegava a pedir para eu imaginar a nossa vizinha gostosa conosco, ou ate imaginar eu com sua amiga silvia. e assim foi indo, ate as brigas acabaram, nossas noites viraram so putaria, eu, carla e nossas imaginaçoes, eu ja nao tinha mais vontade de sair sem ela, nosso sexo era o melhor de todos. começamos a viajar e curtiamos nossas viagens com sexo ate que um belo dia fomos pra bahia e em porto seguro rolou a nossa primeira grande foda. saimos do hotel ja com algumas doses de wisky na cabeça e muita exitaçao fomos pra melhor boate de lá, ela de vestido preto com alcinhas bem finihas e um imenso decote nas costas. como ela estava tomada, no carro dei uns beijos gostosos nela deixei exitada e tirei sua calcinha deixando sua bucetinha bem molhadinha, ela nem percebeu que estava sem calcinha e entrou na boate comigo. la no canto, comentavamos sobre as gatinhas da festa e imaginavamos ela comigo e com carla, ela estava mais exitada ainda e sempre deixava eu passar a mao na sua xota. toda hora ela ia fazer xixi e na terceira vez ela demora um pouco mais e volta irradiante. uma gatinha que nao tirava o olho da gente e ja tinha visto eu com a mao na xana de carla a seguiu e entrou no banheiro com ela, como carla estava bebeda, so levantou o vestido e fez xixi deixando a porta do box aberta , carla percebeu que a menina nao tirava o olho da sua xota, ela ate gostou. quando estava lavando as maos esta menina começou a passar a mao devagarzinho na bundinha de carla que gomeçou a gostar e continuou lavando as maos, com pouco tempo as duas ja estavam se beijando e se amassando. carla me contou e eu nao acreditei, pensei que nao passava de imaginaçao, foi quando ela saiu sentou no canto da boate e começou a beijar a nova amiga que a esperava. fique de perto observando a mao de leia dentro da xota molhadinha de carla, fiquei doido e comecei a pegar em carla tambem, estava ensopada e com as pernas abertas, aproveitei ecomeceia passar a mao nas perna de leia e logo na sua buceta que tambem estava ensopada e para minha surpreza carla estava adorando e enquanto beijava leia, segurou em sua mao e botou no meu pau. saimos de la imediatamente e fomos para o hotel, la passamos a noite vi carla e leia se chupando num 69 enquanto eu fazia o que queria com qualquer uma das duas. foi a noite toda de putaria, muito melhor do que imaginavamos, daí em diante nossa vida mudou, sempre imaginamos outra mulher nas nossas relaçoes e ja conseguimos levar mais 2 meninas pra nossa cama, o que contarei nos outros contos. 1-eu minha mulher e sua irma safada 2- eu, minha esposa e a filhinha de zaza.



publicado por relatossecretos às 19:35
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Quarta-feira, 24 de Março de 2010
Transei com um casal...realizei minha fantasia

olá meu nome é ana e sou leitora assídua dos contos eroticos. acho realmente muito excitante e hoje resolvi contribuir e contar uma história que aconteceu comigo, aliás a melhor experiência sexual até agora, pois pretendo fazer muitas dessas ainda. tenho um namorado e sempre que transamos fantasiamos muito ter entre nós outra mulher. isso partiu dele um certo dia. no início fiquei um pouco assustada mas depois fui gostando e ficava cada vez mais excitada com a idéia, porém percebi que, se dependesse dele, jamais realizaríamos, ficaria sempre nas fantasias somente. com certeza com outras mulheres ele faria e talvez até tenha feito mas sempre alegava ter medo de estragar nossa relação quando eu manifestava a intenção de realizá-la. certo dia brigamos. descobri uma que ele havia me aprontado e, saibam caros leitores que, sem exceção, mulher com raiva e traída é capaz de qualquer loucura!!! resolvi sair.....sozinha....já tinha ouvido falar numa tal casa de swing em porto alegre. dirigi até lá. o estacionamento estava lotado. fiquei uns 20 minutos dentro do carro com receio de entrar, criando coragem. entrei, chamei a proprietária e troquei uma idéia. disse que nunca tinha ido e que estava desacompanhada. ela me tranqüilizou, que ali era um ambiente de respeito, onde ninguém fazia o que não queria...mas eu queria...sentei no bar, que ficava logo no hall de entrada e pedi uma cerveja. a casa estava lotada, a música rolava, meninas dançando seminuas nos “queijinhos” e já dava pra se observar aqui e ali alguns casais se beijando de forma íntima e seminus. não tive muita oportunidade de analisar tudo, pois não se passaram mais de 10 minutos aproximou-se um casal puxando assunto. eles não eram do sul. eram cariocas de férias. ele era um moreno lindo, alto, muito charmoso, carismático. ela, também morena, simpática, com seios fartos e um quadril também avantajado. nos apresentamos, conversamos um pouco, ele puxou um banco e sentou no bar ao meu lado, enquanto ela virou de costas e ficou assistindo um streep tease de um morenão lindo...muito excitante...ele sussurrava coisas no meu ouvido, pegou na minha mão e passava a língua entre os dedos. logo fiquei excitada. ele era um verdadeiro dom ruam. como falei pra ela mais tarde não era homem pra uma mulher só....era um paraíso.... me convidaram pra sair dali, o que logo aceitei. fomos para um flat na av. praia de belas, finíssimo, que ficava de frente para o guaíba. ele pediu champagnhe, serviu duas taças e me levou até a sacada para que eu olhasse a vista. a noite estava linda, a lua refletia nas águas do rio e aquela brisa suave me deixava ainda mais excitada. ele me abraçou por trás, beijando meu pescoço e só então senti o volume dentro das calças....era enorme...levantou meu vestido passando as mãos nas minhas coxas arrepiadas de tesão e me virou, me beijando intensamente...que beijo....mas eu ainda estava tena pois a porta estava entre aberta e ela havia ficado na sala, sentada no sofá, vestindo uma camisola preta transparente muito sexy, só observando. eu não sabia direito o que estava rolando, se ela iria ou não participar. fui relaxando a medida que ele me beijava e me despia. fiquei só de calcinha, então ele entrou e pegou junto ao bar, que ficava dentro do flat, uma banqueta dessas altas. trouxe e me colocou sentada ali. abriu minhas pernas, baixou as calças e ficou roçando aquele pau bem duro na minha bucetinha, já toda molhadinha, chupou meus seios com tanto tesão que parecia que ia engoli-los, então puxou cada uma das minhas pernas, levantou e encostou meus pés na parede do lado oposto (a sacada era bem estreita). se ajoelhou e começou a me chupar....vi estrelas duplamente...ela só bebendo champagne e observando...me olhava nos olhos. eu não consegui conter meu gemido de tanto prazer. ele passava a língua por toda a minha bucetinha bem molhadinha, deixando cada vez mais encharcada e então parava no meu grelhinho, sugando-o entre os lábios num movimento vai-e-vém de enlouquecer.....nunca ninguém havia feito isso tão bem. eu tava quase gozando mas tive forças de pedir pra ele parar, pois eu também queria provar aquele pau gostoso. levantei e fiquei de joelhos diante de tudo aquilo. era enorme, mas coloquei todo na boca. tava louca de vontade mamar naquele pau, já todo lambusado....estava escorrendo a porra e eu chupei, chupei, lambia, passava a língua bem devagarinho na cabeça do pau, fazendo ele gemer e tremer de prazer. ele me puxou e me levou pro quarto...ela também entrou e sentou numa poltrona ao pé da cama e eu perguntei se ela não vinha. nunca havia chupado uma bucetinha e estava louca pra fazer isso. ele pediu que eu esperasse....me deitou na cama macia, colocou um travesseiro em baixo de mim, abriu bem as minhas pernas de modo que ela pudesse ver bem de onde estava sentada, abriu bem minha bucetinha toda melada com os dedos e voltou a me chupar daquele mesmo jeito, colocou então os dedos dentro dela e ao mesmo tempo que chupava meu grelinho, seus dedos entravam e saiam da minha bucetinha, até que eu gozei tão intensamente como nunca havia gozado antes....cheguei a perder as forças e ele então enfiou o pau na minha bucetinha, primeiro devagar mas eu estava desesperada e agarrei os quadris dele implorando pra que fizesse com força e ele enfiou então com força, num vai e vem frenético, enlouquecedor. ela se masturbava, gemendo e se remexendo na cadeira, com o rosto vermelho e os olhos vidrados em nós. ele gemia alto, e seu corpo tremia. me virou de uma forma rápida e urgente e me colocou de quatro, abriu bem as minhas pernas e mostrou minha bucetinha pra ela, dizendo olha só que gostosa a bucetinha que to comendo e enfiou novamente aquele pau gostoso na minha bucetinha. de quatro, minha posição preferida, fui então à loucura mais uma vez. nunca gozei tanto....e tão intensamente....ele já não conseguia mais segurar, tirou então o pau pra fora e, gemendo bem alto, jorrou toda a porra em cima da minha bunda e escorria pela minha bucetinha aquela enorme quantidade de líquido quente e gostoso. deitamos exaustos e demoramos pra conseguir voltar a respirar normalmente. ele serviu mais champagne, perguntou se eu queria alguma coisa mais...extremamente carinhoso e atencioso. disse que precisava de um banho. quando voltei ela estava deitada na cama e me chamou pra deitar ao seu lado. ele estava deitado nos pés da cama, atravessado, de frente pra nós, com a taça de champagne na mão. conversamos um pouco e ela se virou e começou a beijar meus seios, meu pescoço e então minha boca....confesso que pensei que não teria forças pra transar de novo e era estranho beijar uma mulher na boca, mas ela também sabia fazer muito bem e foi me deixando novamente louca....me beijou todinha....como era diferente ser tocada e beijada por uma mulher. quando chegou na minha bucetinha abriu bem e ficou olhando dando umas lambidinhas de leve e então enfiou a língua lá dentro....ai...que delícia...só de lembrar me arrepio toda, mas aí então pedi a ela me deixar fazer aquilo, afinal a tempo morria de vontade e nunca havia feito. ela se deitou, tirou a camisola e disse:”sirva-se”! nooooossa!!!! chupei durante muito tempo os peitos dela....era muito gostoso, depois fui descendo e então fiquei de frente pra bucetinha dela, toda depiladinha, bem branquinha e rosadinha por dentro, saia um líquido de dentro, afinal ela estava a bastante tempo muito excitada. ela ficava só observando agora e pedindo: “isso!! chupa, chupa bem o grelinho dela, mama nessse grelinho gostoso, enfia a língua na bucetinha, depois eu vou enfiar meu pau nas duas,....” e eu chupei, chupei com vontade aquela bucetinha bem melada, enquanto ela se contorcia e gemia. ela então virou de quatro, abriu bem as pernas e eu fiquei por baixo, abri a bucetinha dela com meus dedos e continuei chupando o grelinho, ela esfregava a bucetinha com vontade na minha boca.....que delícia....até que ela gozou bem gostoso na minha boa e deixou escorrer aquele líquido na minha língua. foi então que de repente ele veio por trás e enfiou o pau na xotinha dela com forçae eu fiquei ali embaixo só observando. ela gozou naquele pauzão umas duas vezes seguidas e então ele nos puxou e colocou as duas de quatro na beira as cama e ficou num vai e vém alucinante. enquanto metia em mim, enfiava os dedos na xotinha dela e depois ao contrário, enfiava aquele pauzão gostoso, todo lambuzado da minha bucetinha ne bucetinha dela e os dedos na minha. gozei no pau dele e também nos dedos. era muito tesão.....deitei na cama e ela veio me chupar de novo, disse que queria sentir o gosto do apu dele na minha bucetinha e chupou com vontade enquanto ele comia ela de quatro por trás....eu só olhando ele enfiando nela e sentindo a língua quente dela no meu grelinho....não resisti....gozei de novo. sentamos nós duas na beira da cama e ele de pé, ficamos chupando....primeiro a gente intercalava e dividia aquele pau gostoso, chupando com vontade, depois eeu chupei as bolas dele e ela ficou sugando o pau, até que ele deu um gemido muito alto e gozou na nossa cara.....nas duas.....nós nos beijamos cheias de porra na boca, no rosto, escorrendo pelos peitos. foi alucinante!!!! isso tudo durou da 1:30 até as 6:00 da manhã, quando então fui embora. trocamos email´s e telefones e chegamos a nos falar algumas vezes, mas logo depois voltei com meu namorado e não tivemos mais oportunidade de nos encontrar, mas valeu cada minuto daquela experiência louca. matei minha vontade e curiosidade da melhor maneira possível com pessoas muito interessantes, de alto nível. foi uma experiência cheia de tesão, muito excitante mas também com muito respeito e discrição. acho que tive muita sorte e espero que da próxima vez tenha novamente, pois pretendo fazer acontecer de novo. quanto ao meu namorado nem imagina!!!! eu realmente gostaria muito de um dia poder compartilhar uma experiência assim com ele. quem sabe um daí ele mude de idéia.....



publicado por relatossecretos às 15:11
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

Sexta-feira, 19 de Março de 2010
Violado por 2

olá, meu nome é josé e os outros dois participantes deste acontecimento são o sr. ronald e sr. matheus, ou melhor, sra. matheus. o que se passou comigo, foi algo que realmente não esperava, porém, não minto, sonhava. antes, vou me apresentar: 1,75m, 70kg, branco, cabelos grisalhos, olhos castanhos escuros, dote de 15cm por 5,5cm e sou recepcionista de um pequeno hotel de ipatinga/mg e experiencia homo praticamente nula, só se limitando a sonhos, imaginando como seria uma relação assim, ou seja, a velha história de querer saber como é que é, principalmente agora com tanta liberação para homos e lesbicas. com relação ao que aconteceu foi que num dos meus turnos de virada de noite, recepcionei um casal homo, e como não aparetam feminilidade ou nenhum traço homo, não os distinguí de ninguém que já havia atendido. pediram apt. duplo(2 camas), passei o valor e comecei a efetuar o check-in, porém um deles se aproximou e disse que não teria problemas se fosse de casal, e que até seria melhor. neste ponto eu estranhei, pois nunca tinha recepcionado um casa assim, porém continuei a atendê-los com naturalidade, me recompondo do susto. o caso foi que após umas 2 horas que já estavam la em cima, um deles desceu(01:30 manhã) e perguntou: - tem camisinha? - não vendemos, mas posso lhe passar telefones de farmácias 24 horas, que... - aqui! sem querer te interromper, mas interrompendo, voce se depila? - sr.? não entendi a pergunta? - entendeu sim! perguntei se voce se depila? com um rosto liso como este, só pode se depilar! quando cheguei eu percebi mas resolvi descer para comprovar. como o momento em que o hóspede tinha descido, coincidia com um saguão vazio, respondi tranquilo: - me depilo sim sr. e isto me dá em torno de 2 semanas sem precisar me preocupar com a barba novamente! mas porque a pergunta? - bem que eu notei, você teria que ter muitos e muitos pontinhos pretos no rosto, característica de quem se barbeia, o local fica mais escuro no rosto por causa destes pontinhos, mas liso deste jeito e grisalho... mas isto me leva a perguntar... você depila outras partes, não é? - sr.! não entendo a sua linha de questionamentos e o porque dela? - bobinho! normalmente um gatinho como você, que depila o rosto, em geral depila também o pênis e outros lugares... - sr.! estamos em uma area não conveniente para se falar destas coisas... - hum... então esta me chamando para conversarmos num cantinho reservado né, sua safadinha! - sr.! me respeite! apesar de o sr. ter razão quanto a outras áreas que depilo, isto não lhe dá o direito de me tratar assim! - hum... sabia... é o pênis não é? quero ver? - sr.! estou tentando ser respeitoso contigo, mas o sr. não está me deixando muitas alternativas e nem sei porque ainda respondo suas perguntas... - mas heim! deixa eu ver! a questão é dinheiro? eu pago! deste momento em diante, comecei a hesitar e ele percebeu e comecou a instigar mais, tudo porque simplesmente ele disse a palavra mágica dinheiro, porém não podia abandonar o posto e hóspedes poderiam descer e pessoas poderiam aparecer chegando ao hotel, mas ai eu pensei: “bem, acredito que não vai haver mal algum, se eu for até ali com ele e mostrar meu bumbum para ele assim como ele pediu. vou receber grana por isso e grana fácil.” - meu bumbum, porque em meus momentos de exitação, eu disse que depilava o genital porque com os pelos ele coçava e agora sem ele não, pernas por curiosidade de saber como ficariam melhor expostos os musculos da perna uma vez que pratico musculação e o bumbum para ficar em harmonia com o resto pois achei feio genital e pernas depilada e bumbum não. o caso foi que acabei cedendo(03:50 manhã) e imaginando que seria rápido, chamei-o para um canto onde perceberia com antecedencia a movimentação de hóspedes e de pessoas chegando ao hotel. ele se posicionou numa cadeira e eu desci as calças. achei que ele queria só ver momentaneamente e comecei a subir as calças novamente quando ele disse: - calma! acha que vou pedir para que desça as calças e não vou nem bater uma bronha e vou te dar dinheiro por isso? calma! e começou a bater uma. eu impaciente preocupado com o saguão e com a possibilidade de novos clientes, disse para ele terminar logo, mas ai ele disse: - calma! ta achando que vou desperdiça este rabinho lindo piscando para mim? - o que?... já era tarde... ele começou a encostar o pênis dele em minha entradinha e me acariciar... não sei como, mas aquilo despertou algo até então desconhecido e indiscritível onde comecei a ficar fora de mim e balbuciar palavras com conotação sexual e isto o instigava a aumentar ainda mais suas carícias entre pinceladas e estocadas de seu pênis em minha entradinha e dizia: - bem que eu disse... é uma safadinha mesmo... quer vara? quer? vou socar tanto nesse rabinho que nunca mais vai fazer cu doce novamente e vai querer sempre levar no rabo, só que vai dar apenas para mim tá sua vadia safada? ouviu? somente para mim tá sua safada! - quero! mas você não tem camisinha ou tem? - não! do contrário acha que teria descido para comprar? - que pena! queria muito sentir sua vara no meu rabinho! ver como é que é e se é tudo isto que falam em contos e que as gatas expressam nos filmes ao levarem no rabo! - apesar de já ter comido muitas gatas e gatinhos, inclusive irrustidos como você, e de todos adorarem levar no cú, todos admitem que é muito exagerado as sensações expostas nos filmes, mas posso garantir que depois desta, nunca mais vai querer deixar de levar umazinha do rabo! vamos... deixa eu te mostrar como é gostoso levar no rabo! deixa eu transformar ele numa xoxota! é medo de aids? eu não tenho! - sem proteção nunca! infelismente vamos deixar para depois! eu tenho que voltar para meu posto! nisso aparece “a companheira dele” descendo sem fazer barulho dizendo: - bem que eu já estava prevendo isto! desceu dizendo que iria comprar mais camisinha sabendo que sempre ando com algumas por precaução! desceu mesmo foi para traçar o recepcionista! percebi como você olhava para ele quando chegamos! e aí? vamos apimentar esta festa? - agora você não tem desculpa! vou socar tanto seu rabo que quando terminar, vai ficar pedindo mais, mas minha companheira não é ativa, só passiva e você vai ter que se contentar em se masturbar, pois eu sou só ativo! - então vai logo! anda! vai logo e coloca essa camisinha! não... deixa que eu coloco!... agora deixa eu mamar um pouco nessa jeba(ele disse que era de 25cm por 6cm)! enquanto mamava no caralho dele, a companheira dele com um dote parecido com o meu(ele disse que era de 13cm por 4cm) me sugava. ficamos nessa algum tempo, revezando onde eu mamava ora nele, ora na companheira dele e “ela” ora me sugava, ora sugava o macho dela, até que ele disse: - vão parar com essa chupação, quero fuder um rabo e o seu eu já comi lá em cima, eu quero é dessa safada aqui! me puxou para cima e me virando se posicionando atrás de mim, cuspiu na minha entradinha que piscava descontroladamente sedenta por vara e começou a penetrar devagar. percebendo que não havia muita resistência de meu anus não sei se devido minha excitação ou ao fato de qeu a companheira dele estava sempre me dedando no rabo com 1, 2 e até 3 dedos ao mesmo tempo, ele tirou e estocou forte e rápido. me segurei para não gritar, mas ele continuou com estocada firmes e fortes me dando tapas na bunda e falando frases e palavras de conotação sexual como “safada!”, “vadia!”, “cachorra!”, “toma sua vadia gostosa!”, “ta gostando de levar no rabo?”, “mas que rabo delicioso!”, “desse jeito eu me apaixono!”. eu só gemia baixo não só devido a preocupação com o micro saguão do hotel, mas porque a companheira dela socava(devidamente protegida - camisinha) sua vara em minha boca, até que ele goza em meu rabo e ela em minha boca. senti algo quente preenchendo minhas entranhas e minha garganta, mas usavam camisinha e fiquei tentado a tirá-las para sentir o gosto e como é ter o rabo recheado de gozo, mas hoje em dia não se pode estar correndo este risco. cada um deles se arrumou do jeito que podia e foram subindo para o apt. deles me chamando para mais uma rodada, mas disse que minha obrigação me chamava e não podia abandoná-la. entenderam, se despediram e subiram. me arrumei também e fui para o banheiro rapidamente e terminei de me arrumar batendo uma bronha também. voltei para meu posto e nunca mais os vi. espero ansioso por mais uma experiencia como esta, mas não posso me expor e isso torna tudo mais complicado e difícil.

Fonte: Contos eroticos



publicado por relatossecretos às 12:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 18 de Março de 2010
Meus alunos são um tesão- paixão ardente!

outras deliciosas histórias de cantadas com alunos e ex-alunos tenho pra contar aqui. atualmente trabalho num colégio e leciono para as sétimas e oitavas séries, e adoro me relacionar profissionalmente com alunos dessa faixa etária de 13, 14, 15 anos. pena que são menores, e aí fica tudo na imaginação e no olhar, mas é delicioso, pois sou muito cantado. alguns alunos são homens mesmo e não dão aquelas confianças pra mim e assim, eu fico na minha, é claro. outros estão naquela dúvida cruel entre ficar com menina ou ficar com meninos, mas eles, em sua grande maioria, ficam com meninas só por medo da família e da sociedade, pelo que eu percebo, ou por serem bi (justamente por não quererem ter uma postura homo, ou por gostar mesmo dos dois, mas todo bi que eu conheço gosta mesmo é de se relacionar com o mesmo sexo). quando eu entrei à primeira vez nas sétimas séries dessa escola me deparei com alguns alunos muito gostosos e bonitos, mas a maioria muito meninos. achei-os um tesão, mas os enxergava apenas como alunos, até que começaram a vir o “olho no olho”, as cantadinhas disfarçadas, as perguntas se eu tinha namorada, ou era casado, e uma única vez respondi que não tinha relacionamento algum sério com ninguém e que gostava da liberdade e ficava com todo mundo e que assim, eu era muito feliz.um aluno, o adriano, me perguntou o que eu achava dos gays, e eu respondi que não tinha nada contra eles e as lesbicas e nem aos bissexuais, e que cada um tem o direito de namorar e gostar de quem quiser, independente do sexo, da cor, da classe social... enfim, dei a entender que eu era liberal quanto ao assunto e a partir daí, os olhinhos de alguns alunos começaram a brilhar e as cantadas começaram a vir forte, e eu ficando muito excitado e muito triste ao mesmo tempo por não poder corresponder e falar besteira com aqueles tesões de alunos meus. começaram a me pedir o msn, o orkut, mas eu não dei, pois não confio e além disso, tenho medo deles perderem o respeito por mim em sala de aula. queria dar tudo pra deles, meu cú, minha bunda, minha pistola pra quem quisesse, dar beijos naquelas bocas gostosas mas não posso, pois são muito novos e de menor, além deu me meter num sério risco. estou perdidamente apaixonado por um deles, o jonatan luís, da sétima, lindo, gostoso, educado, quieto na sala, cheiroso, muito gostoso, um tesão de rapazinho, olhos castanho-esverdeados, moreninho muito clarinho, 1,70 de altura, pernas cabeludinhas e grossas, pele queimada de sol, boquinha carnuda, vermelhinha, cabelos molhados com gel (quando não vai de boné na aula), arrepiados no meio, e um olhar penetrante, gostoso... meu deus, esse menino me leva a loucura de tão lindo e gostoso que ele é. apaixonei por ele desde o primeiro dia que eu vi, e comecei a encara-lo com cuidado em sala de aula, e ele foi me correspondendo os olhares. olha dentro dos meus olhos com um olhar muito doce, parecendo mel derretendo e escorrendo para mim. a melhor coisa do mundo é trocar olhares com esse menino. sinto falta dele, muita falta, muito tesão, e fico doido para ficar perto dele nos 50 minutos de aula. hoje o encontrei na rua, ele me cumprimentou me chamando de professor, olhou nos meus olhos muito, abriu um sorriso, apertou minha mão, eu apertei a dele e demorei um pouco para soltá-la e não pude fazer nada, a não ser desejar aquele menino, e ele também. tenho medo, e ele também! é um sofrimento, mas um dia eu chego lá e não vai demorar pra dizer pra ele que ele é o meu aluno preferido, o mais educado e bonito, apesar de ir mal nas notas. quem sabe algo primeiro pelo msn, já seria ótimo eu falar umas besteiras com ele. já seria ótimo eu falar pessoalmente com ele que ele é muito prestativo pra mim, e por isso gosto muito dele e o admiro, em todos os sentidos. eu sofro por ele, e ele por mim, do jeito que ele me olha... estou apaixonado por ele... mas não posso, tenho que esperar ele completar a maioridade. algo inusitado foi o que aconteceu comigo ano passado quando lecionava para o 2° grau. sempre sofro um cadinho de preconceito dos alunos no início dos anos letivos, mas depois eles acabam gostando de mim. trabalhava numa escola muito exigente e os alunos se sentiam no direito de humilhar a gente. cambada de ignorantes e mal educados era isso que eles eram, mas assim mesmo eu me dei com muitos deles, sobretudo os meninos. percebia que as meninas ficavam com ódio de mim, pois os rapaizinhos chegados ficavam doidos comigo. um deles era o joão paulo, rapaz muito bonito, de 16 anos, loiro, cabelos loiros escurecidos, corte raspado, olhos castanhos amêndoa, mais alto que eu, fortinho mas não musculoso, rosto angelical, todo lisinho uma delícia! no começo ficava tão entretido com o trabalho que eu demorei a perceber as cantadinhas dele. ele não parava quieto na carteira, ficava a me bloquear nos inícios de todas as minhas aulas, se enfiando na minha frente e me perguntando calmamente se podia tomar água, ir no banheiro, sempre olhando fixamente para dentro dos meus olhos, derretendo-se para mim, sempre com um jeito muito cínico, maroto, e calmo. eu ficava irritado com ele, pois não deixava ele ir e ele ficava assim, perto de mim o tempo todo, como se fosse um sombra, muitas vezes imitando um sombra mesmo, fazendo palhaçadas comigo, imitando os meu gestos, me relando o tempo todo, com a mão nas minhas costas, nos meus ombros, e a turma achava aquilo um máximo. no início eu me irritava muito com ele, mandava ele calar a boca e sentar na carteira e tirar as mãos de mim, e ele sentava na carteira mas não demorava nem cinco minutos e lá estava ele de novo, sentado na minha mesa, e eu mandando ele dar licença do meu lugar e ir para a carteira dele. ele se levantava e ficava a me observar, do meu lado, prestando atenção no que eu tava explicando. muitas vezes eu não dava confiança, fingia que ele não estava ali e continuava a escrever no quadro ou a explanar o assunto. aí que ele queria chamar mais a minha atenção, me interrompendo com brincadeira boba, sempre me relando, colocando aquelas mãos grandes e quentes nos meus ombros, nas minhas costas, gritando para todo mundo ouvir “eu te amo professor, eu te amo, você é o amor da minha vida, deixa eu ir no banheiro, eu te amo muito, tô apaixonado por vc”.... o pessoal da sala começava a rir dele, e começava aquela bagunça irritante. chegava em casa irritado, pois a escola não ajudava os professores em nada, e a gente sofria calado! comecei a pensar muito no joão paulo, naquelas palavras dele, e a lembrar daquelas mãos gostosas nas minhas costas, no meu ombro, e batia uma punheta pensando nele, nas mãos deles, nas suas palavras, na sua voz... ele era muito bonito, muito!!!. aquele aluno começou a ficar especial pra mim, e eu já gostava que ele me fizesse aquilo tudo. era só eu apontar no corredor pra ir em direção à sua sala e ele vinha pro meu lado, todo calmo, e começava a pedir pra ir embora pois ele tinha que cuidar da filha de um mês enquanto a mãe se ausentava não sei por quê motivo. não acreditava naquilo, pois para mim ele queria era fugir, alguma coisa assim, ou chamar minha atenção. aí depois de muito tempo é que seus colegas confirmaram essa história de filha, que ele tinha que cuidar dela enquanto a mãe se aprontava para ir trabalhar. era a namorada dele, e ela era rica, mas a família exigia que ele estivesse todos os dias com a filha enquanto a mãe almoçava e se preparava para o trabalho e enquanto a babá não chegava, e ele, o pai, parecia que era doido com a menina. sentia um sofrimento, um medo que não entendia naquele rapaz quando ele me fazia esse pedido de sair mais cedo para cuidar da filha e depois as minhas percepções se confirmaram com essa história da filha. pedi desculpas pra ele, por ter achado que era brincadeira, e aproveitei e dei uma cantadinha de leve, falando: “menino, mas vc ta muito novo para ser pai, não que isso seja anormal, absolutamente” e olhei bem nos olhos dele e sorri. ele ficou vermelho e falou: “fazer o quê, a besteira já foi feita, agora eu tenho que assumir, nem com ela eu tô, a gente terminou”. achei ótimo ouvir isso e respondi: “calma rapaz, nada acontece por acaso nessa vida! essa filha vai te ajudar muito, profissionalmente e nos estudos. o avô dela, por parte de mãe, vai te ajudar muito ainda. fica quieto, faz as suas obrigações e aí vc vai ver que daqui a algum tempo vc não vai precisar de ninguém mais para te ajudar no sustento da sua filha...” os olhos dele brilharam e ele me perguntou: “ como é que vc sabe disso”? respondi: “pode não parecer, mas eu gosto muito de você e senti isso, alguém me assoprou”. aí ele falou: “ele tá tentando arrumar um emprego bom pra mim de meio expediente, e falou que me ajuda a pagar meus estudos, mas eu tenho que trabalhar meio expediente”.respondi: “aceita, fica quieto, não malandre e fique mais responsável, pois por mais que vc não aceite isso completamente, vc já é um pai de família, e essa responsabilidade já pode começar por aqui, dentro da escola, na sala de aula, levando mais a sério os estudos, parando com as piada bobas...” ele riu pra mim e falou, com tom irônico: “é porque eu te amo professor, é verdade!!”, e tirava os olhos dos meus e começava a rir de cabeça baixa!!! eu ri e saí dali, pois estava correndo o risco de falar algo a mais com ele, e eu tinha medo de alguém perceber, ouvir ou ele contar na brincadeira e alguma aluna maldosa fazer fofoca (sempre aluna mulher, que morre de inveja de mim, a maioria), pois ele tava muito empolgado comigo, e tinha muita gente no pátio observando o nosso tom meio que informal, e eu tava tirando uma cascona dele rsrrrsrsrsr. a partir desse dia ele começou a ficar mais calmo comigo, mas me comendo literalmente com o olho, e eu adorava aquilo. era só eu apontar na porta da sala pra entrar e ele vinha ao meu encontro, me pedindo pra ir ao banheiro, para tomar água, sempre com a mão no meu ombro, me abraçando, falando que estava com saudade de mim e da minha aula e eu deixava, gostava daquilo, não chegava a ficar excitado a ponto de ficar com o pau duro, pois sentia muito amor por ele também. quando eu não deixava ele ir ao banheiro, ele ficava insistindo e falando assim: “olha pra mim, deixa por favor professor??!!” respondia: “hoje não”, e ele insistia e me ganhava com o seguinte argumento: “eu só to aqui pra assistir a sua aula, pra te ver professor, pois eu sinto saudade do senhor, e vc não me deixa ir??!” eu ria (controlando a minha vontade de dar uma cantada certeira nele) e deixava ele ir. ele me abraçava me agradecendo e tirando uma cascona de mim, e eu deixava, curtia aquilo. a turma não percebia, pois eu não deixava transparecer de jeito nenhum, e o clima e o carinho ficava entre eu e joão paulo. profissionalmente poderia estar agindo errado, e o colégio era muito rígido, cheio de regras que tinham que ser rigorosamente cumpridas, mas contraditoriamente, fazia questão de satisfazer todas as vontades dos alunos, e nós professores é que tínhamos que se “fuder pra lá”, e então eu relaxava, deixava joão paulo sair, satisfazendo as vontades dele, dando a maior corda pra ele, olhando nos olhos dele, lavando a mão nele, nas suas costas enquanto ele ficava em pé na sala de aula circulando por todos os cantos e indo lá na frente, ficando do meu lado, em pé, enquanto eu explanava os assuntos, e a turma ria dele. alguns, mais espertos, percebiam a bolona que ele dava pra mim e mexiam com ele mas por ele ser pai, não desconfiavam que essa “bolona” era real e não percebiam que eu dava uma bolona pra ele também e ele ali, do meu lado, me imitando, imitando os meus gestos, gritando “eu te amo professor”, e a turma ria, e eu mandava ele sentar no lugar e sempre dando calmamente os esporros nele e aproveitando pra lavar as mãos no ombro dele, nas costas, afagando-as com muito carinho, muitas vezes pegando nas mãos dele e o puxando da minha mesa e mandando tacitamente ele assentar em sua carteira. ele pegava minha mão e não largava dela, fazendo as maiores palhaçadas comigo, e me comendo com o olho. ficava muito irritando com aquilo mas ao mesmo tempo delirando, mas morrendo de sem graça, morrendo de medo de alguém perceber que aquilo tudo era sério principalmente por parte dele, e tirava os olhos dos dele e olhava pra outros lados. estava apaixonado por ele, e engolindo toda aquela paixão, afinal, se ele “comesse quieto e calado”, até podíamos ter algo fora dali, pois em pouco tempo já adquiriria a maioridade, mas ele não me passava a devida segurança para isso, e então eu não me arriscava a ir além, ainda mais naquele colégio, onde os alunos sempre tinham a razão. no final do ano ele não passou comigo e ficou da minha matéria. tive que dar recuperação pra ele antes dos outros, pois ele falou que tinha que viajar pra fazer um vestibular pra engenharia, o primeiro de sua vida, e tinha que ficar viajando por 12 horas de ônibus. dei a recuperação, me dispus a dar aula particular pra ele em um horário livre que eu tinha dentro da escola (não era obrigado a fazer isso, mas pra ele eu fiz, com muito prazer, amor e tesão!) e fomos para a biblioteca, e eu fiquei pertinho dele, coladinho a ele, dando reforço, e ele atento, calado, sério, prestando atenção em tudo, e eu sentindo aquele cheirinho gostoso dele, pegando no lápis com ele e o ajudando a resolver o exercício, desenhando tudo pra ele, no maior amor, na maior paciência, com os olhos dentro dos dele, e ele me olhando, ternamente. mandei ele voltar no outro dia com o trabalho e preparado para a prova. ele apareceu lá, o trabalho tava completinho, e ele fez a prova, se saiu bem e pediu pra eu corrigir (ele tava pendurado com mais duas matérias, e fazendo as recuperações delas, e os professores não ajudaram ele em nada, com reforço algum, mas eu dei reforço). eu nem corrigi a prova e falei que comigo ele tava liberado pois tinha sido aprovado, afinal, eram poucos pontos que faltavam pra ele passar. e ele sorriu, agradeceu, pediu pra eu fazer pensamento positivo pra ele e foi pegar o resultado com os outros professores, e eu nunca mais o vi na escola naquele ano. sofri quando ele foi embora, tão sério, tão preocupado, e eu sofri, calado, pois tinha me apaixonado por ele. só o vi no outro ano, resolvendo umas pendências na escola. ele tinha tomado pau no vestibular e estava abraçado com uma colega de sala. o vi bem de manhã cedinho, às 7 da manhã, e levei um susto. foi muito bom vê-lo novamente! ele não me deu muita confiança, mas me olhou dentro dos olhos. fiquei sem graça também e o tratei friamente. também, nunca tivemos um contato extra-escola, tipo pela internet. um filho estraga muito a vida e a liberdade de um jovem que nunca pensara em ser pai. poda seriamente a sua liberdade, o obriga a ser mais responsável e responsabilidade vira sinônimo de prisão, principalmente a sexual e amorosa. deixei pra lá, ele nunca mais me deu bola como me dava em sala de aula. no carnaval deste ano (2008) o encontrei em uma cidade vizinha à nossa quando eu estava passando por uma rua, e ele estava com dois colegas em pé num bar, do outro lado da rua. ele ficou me olhando demais, o cumprimentei e ele me cumprimentou com a cabeça e me olhando demais, e eu sem saber se parava pra puxar assunto ou se continuava andando. ele não era mais meu aluno, e já estava com 17 anos. olhei pra trás e ele me olhando, seriamente, e eu parei, fingi estar atendendo o celular, e ele ficou sem graça, mas logo voltou a me olhar, mas eu perdi tempo, olhei mais uma vez e ele olhando pra mim. eu dei as costas e fui embora e desisti. antes eu tivesse ido e mesmo que não desse em nada, eu já ia ser totalmente informal e livre da capa de professor, e eu estava igual a ele, de boné, com bermuda, camiseta justinha, nada mais impedia a gente de ficar, mas eu não quis me expor, pois ele tava muito sério, e a história da filha me desanimava demais. se ele não tivesse essa filha, aí seria muito mais fácil pra ele e pra mim. ele é que tinha que chegar mais em mim, e não eu! pra quê? pra me expor para um cara sério e com medo das coisas boas da vida, tipo ficar com um homem? mesmo assim eu poderia ter ido lá, falado de vestibular e sobre o carnaval e caso ele me deixasse bem à vontade, daria uma boa cantada nele e talvez rolaria. é difícil ser professor nessas horas em que o desejo dos alunos pela gente é mais forte do que a gente, e é complicado demais fingir não estar sentindo amor e paixão por eles e não dar uma bolinha. a vida é muito curta! o amor, o afeto, o carinho e o desenho sexual: estes, quando recebemos, não podemos jogar fora para respeitarmos cegamente o profissionalismo, pois se assim fizermos sem pensar e pesar os pós e contras, deixamos de aproveitar a vida e de aceitar, receber, sentir, demonstrar e retribuir para o outro amor e tesão. quebram-se os laços de amor e sua energia vital, quebram-se personalidades que estão se formando, além de ser uma violência contra a descoberta de desejos e sentimentos os mais íntimos de um ser humano, que é a descoberta da sexualidade e do amor, sobretudo pelo mesmo sexo. se recebemos amor e tesão de alguém, não podemos simplesmente jogá-los fora em nome do profissionalismo, mas respeita-los e respeitar quem sente isso por nós, e nos respeitar, nos dando a liberdade de curtir esses sentimentos e respondê-los, mesmo que seja só platonicamente para assim, não infringirmos as leis.

Fontes: Contos eroticos



publicado por relatossecretos às 19:19
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito

.mais sobre mim
.Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
16
17

18
19
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Eu, Marcelo e meu corninh...

. Inquilina pagando aluguel...

. Minha mulher para o vizin...

. Estuprada pelo padastro

. Realidade virtual

. Sexo no estudio de tatuag...

. Eu e minha mulher satisfe...

. Transei com um casal...re...

. Violado por 2

. Meus alunos são um tesão-...

.arquivos

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

.tags

. todas as tags

.links
.pesquisar
 
blogs SAPO
.subscrever feeds